AnáliseResenhas

iPhone 11 e 11 Pro: análise completa dos novos aparelhos

Todos os anos (desde 2007), a Apple lança uma nova geração de iPhone para renovar sua linha de produtos. Obviamente que isso causa enormes expectativas de vermos novidades que nos façam cair o queixo como antigamente.

Os novos lançamentos deste ano apresentam diversas evoluções do que já tínhamos, decepcionando alguns que gostariam de ver mais revoluções a cada ano.

Neste artigo, você é convidado a analisar conosco todas as novidades que trazem os novos iPhones 11.



Nesta análise, consideraremos os três diferentes modelos como sendo da mesma linha, apesar de apresentarem algumas diferenças marcantes. Isso porque todos possuem o mesmo processador A13 Bionic, o que faz com que tenham novidades semelhantes entre eles.

De fato, em nossa avaliação final, são todos variações do mesmo aparelho.


Design externo do iPhone 11 e 11 Pro

Por fora, pouquíssima coisa mudou. O mais evidente ficou sendo mesmo as câmeras traseiras, que impossibilitam o uso de capinhas do modelo anterior. Não fosse por isso, o resto todo tem praticamente as mesmas medidas.

O iPhone 11 tem exatamente o mesmo tamanho e peso que o seu antecessor XR.

Já os modelos Pro possuem alguns milímetros a mais de espessura, altura e largura, além de serem alguns gramas mais pesados. Mas nada que seja perceptível no uso diário para quem já estava acostumado com o modelo anterior.

Imagem: Apple


Novo processador mais potente

A Apple diz que este é o processador mais rápido em um smartphone.

Ela não informa especificações técnicas e nem a velocidade do clock (coisa que saberemos nos primeiros benchmarks práticos), mas se limitou a apresentar um gráfico no evento, comparando a performance de alguns smartphones. E ele mostrou a do A13 quase duas vezes mais performático que o Snapdragon 855 do Galaxy S10+. Antes dele, o A12 já era superior à CPU do smartphone da Samsung.

Pelo gráfico, a diferença é abismal.

O chip de 7 nanômetros é fabricado pela TSMC e possui 8,5 bilhões de transistores, capaz de realizar mais de um trilhão de operações por segundo.

Os dois núcleos de desempenho da CPU são até 20% mais rápidos que o A12, e mesmo assim consomem até 40% menos energia. Pelo menos no papel, os números impressionam.

O novo Neural Engine do A13 Bionic torna o chip especialmente desenvolvido para servir de motor por trás do sistema de câmera, Face ID, apps de realidade aumentada e muito mais. Tem também foco especial no Aprendizado de Máquina (Machine Learning), capaz de realizar 1 trilhão de operações por segundo.

Sem dúvida, o A13 Bionic é um dos pontos fortes dos novos iPhones 11.

Imagem: Apple


Vidro traseiro

Os novos iPhones continuam com a parte traseira em vidro, como vem acontecendo desde o iPhone X. Também pudera: ele é necessário por causa do carregamento por indução, que não seria possível caso a traseira fosse de metal.

Mas diferente dos anos anteriores, a Apple agora usou um vidro fosco para diferenciar os novos modelos, e isso deu um acabamento sofisticado a eles.

Imagem: Marques Brownlee (MKBHD)

O iPhone 11 Pro parece estar com uma capa protetora translúcida, mas não se engane, é o vidro fosco mesmo.

Uma curiosidade: no modelo mais econômico (iPhone 11) a parte fosca é localizada apenas na saliência da câmera. Já nas versões Pro isso se inverte, com a parte da câmera sendo a única a não ter detalhes foscos.

Imagem: Marques Brownlee (MKBHD)

No vídeo de apresentação do iPhone Pro, a Apple mostra que o vidro da parte traseira é todo esculpido em uma peça única, sem encaixes, com a saliência fazendo parte do vidro.

Imagem: Apple

Claro que fica sempre aquela questão: e se cair no chão e quebrar, tem que trocar tudo?
Segundo a Apple, o vidro está ainda mais resistente, graças a um processo de “troca iônica dupla” no momento da fabricação.



Tela

A tela do iPhone 11 mais simples não mudou em nada em relação àquela do iPhone XR. É a mesma feita em LCD, com as bordas um pouco mais grossas que o modelo mais caro.

Já a dos modelos Pro ganharam uma boa melhoria. Chamada de Super Retina XDR, ela inclui dois novos níveis de brilho, atingindo até 800 nits no sol, que permite uma melhor visualização em ambientes externos, mas que automaticamente se ajustam para 1.200 nits ao visualizar fotos e vídeos com HDR. Segundo a Apple, é como ter um monitor Pro Display XDR (aquele do Mac Pro) no seu iPhone.

A resolução da tela é a mesma dos iPhones OLED anteriores, com 458 ppp. Mas a proporção do contraste é maior no 11 Pro: 2.000.000:1.



Melhor duração da bateria

Como já comentamos aqui, a duração da bateria nos novos modelos bate recorde histórico: nunca um iPhone manteve por tanto tempo uma única carga.

Isso graças, em grande parte, à melhor eficiência do processador A13 Bionic, que faz o aparelho como um todo consumir menos energia. Segundo a própria Apple, é o seu “maior salto em duração de bateria até hoje“.


Imagem: Marques Brownlee (MKBHD)

Novo sistema de câmeras

Na apresentação da Apple, o novo sistema de câmeras foi o grande destaque, dando a entender que para a empresa é de longe a maior novidade dos novos aparelhos.

O sucessor do XR ganhou uma câmera a mais, assim como o modelo que tomou o lugar do XS. Mesmo com essa diferença, todos os modelos apresentam quase as mesmas novidades em relação à máquina fotográfica.

Tanto o iPhone 11 quanto o 11 Pro ganharam uma câmera ultra-angular extra, com um ângulo de visão de 120º. Isto significa que todos os modelos possuem a função de zoom out, ou seja, é possível abrir mais o campo de visão, para captar mais coisas na imagem.

Mas se é a mesma coisa, para que serve a terceira câmera do Pro?
É a teleobjetiva. Ou seja, você não poderá fazer zoom in óptico (aproximar a imagem sem alterar os pixels) no iPhone 11. Isso ele herdou do XR (e é algo que, para amantes de fotografia, faz falta).

cameras iPhone 11
Toque na imagem para ampliá-la

Em compensação, a segunda câmera no iPhone 11 agora permite fotos em Modo Retrato real e não aquele feito por software do XR. Isto significa que é possível desfocar o fundo também em fotos de objetos e animais.

A interface da câmera fotográfica ganhou um novo visual, permitindo pré-visualizar a imagem em tela inteira. Isto é exclusivo dos novos iPhones, infelizmente. (poxa, Apple!)

Tecnicamente, não é nada fácil gerenciar um sistema com três câmeras diferentes, pois cada uma delas tira a mesma foto simultaneamente, e processam em uma única imagem, em questão de milissegundos. É aí que o processador A13 é fundamental.

🌇 ALCANCE DINÂMICO ESTENDIDO

O processador A13 permite gravar vídeos em 4K  a 60 qps (quadros por segundo) em alcance dinâmico estendido, que suaviza o contraste de iluminação entre duas partes da cena. É como a função HDR que conhecemos nas fotos.

Com isso os vídeos ficam muito mais nítidos e coloridos.

🌛 MODO NOITE

Uma das novas funções da câmera dos iPhones 11 e 11 Pro é o chamado “modo Noite“, capaz de fazer fotos claras e bem definidas em ambientes de pouca luminosidade. Isso é algo que há tempos os usuários pedem.

NeuralCam
Imagem: Blog do iPhone

O modo Noite funciona automaticamente quando há pouca luminosidade no ambiente. Ao tocar no botão para tirar a foto, a câmera tira várias fotos, usando a estabilização óptica de imagem para manter a lente em posição. Depois disso, o software funde todas estas imagens e transforma em uma única, mais clara e cheia de detalhes.

A Apple fala o seguinte sobre o modo Noite:

“No iPhone 11 e no iPhone 11 Pro, o novo sensor da câmera grande-angular combina software inteligente e o chip A13 Bionic para você realizar o que nunca tinha sido possível em um iPhone: imagens lindas e detalhadas com pouquíssima luz.”

Lindo.
Pena que a frase “nunca tinha sido possível em um iPhone” não seja verdadeira.

Nós mesmos mostramos aqui um aplicativo disponível na App Store, chamado NeuralCam, que faz exatamente a mesma coisa que a função exclusiva dos novos iPhones: tira várias fotos de uma mesma cena e, através de algoritmos neurais, transforma em uma imagem única, bem mais clara. Os resultados são impressionantes, mesmo em dispositivos que não possuem o A13.

🎥 QUICKTAKE

Uma funcionalidade dos novos modelos é chamada de QuickTake, que permite que você faça um vídeo rapidamente quando estiver tirando fotos. Para isso, basta deixar o dedo sobre o botão de tirar foto e o vídeo inicia automaticamente. Para passar de vez para o modo vídeo, um simples arrastar do dedo para a direita já faz isso.

Animação QuickTake [visualizar no Safari]

Não, não é uma funcionalidade do iOS 13 e só funciona nos novos iPhones.

📷 CÂMERA FRONTAL

A câmera frontal ganhou algumas melhorias. Agora a resolução dela é de 12 megapixels e é capaz de fazer vídeos em câmera lenta. A Apple acredita que é algo que vai bombar nas redes sociais.

Animação câmera lenta [visualizar no Safari]





Fim do 3D Touch

Como já falamos aqui, o iPhone 11 Pro marca o fim da era do 3D Touch. A partir deste ano nenhum novo dispositivo trará a funcionalidade de detecção de pressão física do dedo na tela.


Novo chip U1

A Apple pouco chamou a atenção para um novo sensor incorporado nos novos aparelhos: o chip U1.

É um chip para reconhecimento espacial, que usa tecnologia de banda ultralarga para localizar com precisão outros aparelhos com o mesmo chip.

“É como um GPS para sua sala de estar. Agora, se você quiser compartilhar um arquivo usando o AirDrop, basta apontar seu iPhone para o iPhone da pessoa e ela aparecerá em primeiro na lista.”

Nas especificações dos aparelhos, a Apple chama de “Microlocalização iBeacon“.

Talvez o silêncio da Apple se deva ao fato de não termos visto um acessório aclamado pelos rumores: o Apple Tag. Com ele, seria possível rastrear o que quiséssemos (malas, bolsas, carteira) usando a geolocalização dos dispositivos Apple próximos.

Mas a apresentação passou e nada do acessório ganhar a luz do dia, o que fez muitos cogitarem que o projeto foi adiado na última hora. O chip U1 parece tem tudo a ver com esse acessório.


Resistência à água

Tanto o iPhone 11 quando os modelos Pro possuem classificação IP68 de resistência a respingos, água e poeira. Porém, no caso do iPhone 11 a profundidade máxima de até dois metros por até 30 minutos, enquanto que nos modelos Pro essa profundidade é de quatro metros.

iPhone 11 cores


Face ID

No material informativo dos novos iPhones Pro, a Apple comenta que agora o Face ID está 30% mais rápido e funcionando de ângulos diferentes. Porém, na ficha técnica não há referência a um Face ID de 3ª geração, sugerindo que as mudanças são na verdade no iOS 13 (que acelerou de fato o desbloqueio pelo rosto) e uma melhora na câmera frontal, que capta ângulos mais abertos.


Carregador

Como se esperava, o iPhone 11 Pro vem com carregadores mais potentes dentro da caixa. É o mesmo que aquele do iPad Pro, com conector USB-C. Mas para conectar no iPhone ainda é preciso um cabo com a outra ponta sendo Lightning. A vantagem é que o carregamento é muito mais rápido.

iPhone 11 Pro carregadores

O iPhone 11 mais simples não vem com este carregador, infelizmente.


Áudio Espacial

Os novos modelos agora são compatíveis com a tecnologia Dolby Atmos, em que o som se move em um espaço tridimensional.


Wi-Fi e 4G mais velozes

Os novos iPhones trazem compatibilidade com o novíssimo Wi-Fi 6 (802.11ax) que é até 38% mais rápido.

Além disso, graças a uma otimização interna das antenas, as conexões 4G/LTE estão cerca de 13% mais rápidas.


Cores do iPhone 11 e 11 Pro

  • iPhone 11: disponível nas cores preto, verde, amarelo, roxo, vermelho e branco.

iPhone 11 cores

  • iPhone 11 Pro e 11 Pro Max: disponíveis nas cores dourado, cinza-espacial, prateado, verde meia-noite.

iPhone 11 Pro cores


Preço e disponibilidade

O iPhone será lançado nos EUA e mais 30 países no dia 20 de setembro. A pré-venda, como sempre, acontecerá uma semana antes, no dia 13 de setembro. A diferença é que, este ano, ela acontecerá em um horário melhor para nós, brasileiros: 9h da manhã, pelo horário de Brasília. Nada de ter que acordar de madrugada para quem for comprar fora!

Como ainda não há previsão de lançamento no Brasil, também não há ideia alguma de quanto eles custarão por aqui. Nos Estados Unidos, os preços serão:

  • iPhone 11: US$ 699
  • iPhone 11 Pro: US$ 999
  • iPhone Pro Max: US$ 1.099

Detalhe: os valores dos modelos Pro seguiram os mesmos do XS no ano passado. Já no caso do iPhone 11 o preço caiu, voltando ao que era no iPhone 8.


Leia mais sobre:

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar