Notícias

Ações da Nintendo despencam após notícia de que a empresa não desenvolveu Pokémon Go

O jogo Pokémon Go continua ganhando mais e mais evidência. Dessa vez, o game causou um revés inesperado para Nintendo no mercado de ações do Japão. Na última sexta-feira (22), a fabricante de consoles confirmou não ser proprietária majoritária da marca Pokémon. A revelação foi um balde de água fria para o mercado financeiro. Ouriçados pela expectativa de lucro, investidores reagiram rapidamente a variável, causando uma queda de 18% nas ações da Big N.

Segundo comunicado divulgado à imprensa, o game foi desenvolvido pela Niantic em parceira com uma empresa chamada The Pokémon Company. Mas para o espanto de todos, a Nintendo afirma que possui apenas 32% da companhia dos monstrinhos de bolso. Com isso, sabe-se agora que ela não tem decisão sobre o uso da marca Pókemon e efetivamente não desenvolveu o jogo. Consequentemente, não haverá o lucro esperado com a receita gerada pelo game e pela a pulseira que será vendida como acessório.

A título de comparação, a Nintendo é a que menos ganha com o jogo. Em cada compra interna feita no app, a Apple fica com os tradicionais 30%, a Niantic com outros 30%, a Pokemon Company com outros 30% e só sobram 10% para a Nintendo, que é a que menos fatura nisso tudo.

Nesta segunda-feira (25) a bolsa de valores do Japão sofreu o golpe. Após a notícia, as ações da Nintendo caíram rapidamente 18%. Como mostramos aqui, as ações da Big N dispararam menos de uma semana após o lançamento do jogo.

Vale lembrar que isso não muda os planos da empresa. No futuro, vários projetos próprios serão lançados em parceria com a desenvolvedora DeNA. Entre eles, Fire Emblem e Animal Crossing e, quem sabe, um game da franquia Super Mario para dispositivos móveis.

Pokémon Go ainda não tem data de lançamento no Brasil.

via TouchArcade

Tags
Mostrar mais

Marvin Costa

Jornalista carioca apaixonado por cultura pop, fotografia, instrumentos musicais e produtos da Apple. Sempre que pode toca guitarra com amigos e utiliza seu iPhone como segundo instrumento.

Artigos Relacionados