Aplicativos

Aplicativo Food Brasil se atualiza com mais recursos e ganha também uma versão Gold

É muito bom quando podemos utilizar na prática os recursos do iPhone para nos ajudar na vida cotidiana. É por isso que eu gosto do Food Brasil, aplicativo da Nyvra Software, que além de ganhar nova atualização, agora conta com uma versão Gold, ainda mais completa.

O Food Brasil é um verdadeiro guia de gastronomia, que dá dicas de bares e restaurantes, contando com mais de 10 mil estabelecimentos registrados em 17 cidades do país.

Depois que ele foi comentado aqui no Blog, comecei a adotá-lo em minhas viagens e a avaliação não poderia ser melhor. No Rio de Janeiro, ele me apontou um restaurante que nem o taxista conhecia, mas que se demonstrou soberbo. Uma experiência que dificilmente eu teria vivido sem a ajuda dele.

Mas como muitos de vocês já o conhecem (foram mais de 40.000 downloads na App Store), vamos diretamente às novidades da nova versão 1.3. 🙂

Versão Free

Apesar de agora ter uma opção paga, a versão gratuita não perdeu nada. Muito pelo contrário, ganhou ainda mais novidades. Confira:

Votação e ranking em tempo real dos estabelecimentos

Foi em um restaurante e gostou? Agora você pode votar facilmente, bastando tocar em Gostei ou Não gostei.

Comentários dos clientes

Quer saber o que os outros estão comentando ou você mesmo quer dizer algo sobre o estabelecimento? Agora é possível, direto do aplicativo. Este sistema, inspirado na App Store, é ótimo na hora de escolher onde ir, pois é possível se basear na opinião dos próprios usuários.

Integração com o aplicativo GPS MobileNavigator

Para quem possui o aplicativo de GPS MobileNavigator Brazil (89,99$ – link), o Food Brasil tem interação direta com ele, abrindo a navegação assim que se clica no endereço do restaurante. Uma integração com o app da TomTom existe na versão Gold.

Cópia de endereço para a clipboard

Não tem nenhum navegador GPS, mas quer ver no Google Mapas onde o restaurante fica? Basta copiar o endereço e usá-lo em qualquer outro programa. Nunca foi tão fácil. 🙂

Backup online

Agora ele permite salvar a lista de favoritos e pretendidos em um servidor online, para você não perder tudo em alguma restauração do sistema ou ao desinstalar ocasionalmente o aplicativo.

Outra novidade também é a inclusão de banners publicitários, mas que não são nada invasivos. As vantagens incluídas compensam amplamente a atualização.

Versão Gold

O projeto Food Brasil está em constante evolução, pois quem está por trás dele é, antes de tudo, apaixonado pelas inovações móveis e as possibilidades que ela pode trazer a cada um de nós. Por isso, agora há também uma versão Gold do aplicativo, que pretende trazer sempre as últimas novidades antes de serem adotadas na versão gratuita.

Por enquanto, elas são:

Ausência de publicidade: para quem prefere um aplicativo “ads free“.

Integração com aplicativo TomTom: com um simples toque, você abre a rota direto no navegador GPS (é preciso adquirir o aplicativo separadamente). É o primeiro no Brasil a ter esta integração e o segundo na App Store mundial.

– Sempre com as funcionalidades mais avançadas: com o tempo, a ideia é que todas as novidades sejam disponibilizadas primeiro para os usuários Gold e depois de alguns meses, para os da versão free.

Para as próximas versões, estão previstas novidades como integração com o Foursquare para checkin e tips, filtros avançados, entre outras.

Quer experimentar ainda hoje? Gostaria de conhecer o aplicativo antes de comprá-lo? Então baixe a versão gratuita agora mesmo e veja como ele funciona. Ele está disponível na App Store (link), compatível com iPhone e iPod touch, OS 3.0. Instalação mais do que recomendada. 😉

A versão Gold está com preço de 4,99$ (link), mas por tempo limitado até o final do mês. Depois disso, ele custará 6,99$.

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Fabio

    jah to baixando..
    acho q era o q queria!!!

  • Márcio

    Tem o da revista VEJA tb muito bom…

  • Belentani

    app TOP!

  • André

    Tenho acompanhado a evolução dos aplicativos feitos pelos desenvolvedores brasileiros para brasileiros e sinto orgulho disso. Parabéns!

  • waldemarJR

    mais cidades disponiveis?

  • Woston Mendes

    já adotei esse app como um dos melhores para o iphone, muuuito bom, diz telefofe, horario de funcionamento, opçoes de pagamento, preço media que você irá gastar. amei e recomendo.

  • Valeu pelos comentários, pessoal 😉 Como desenvolvedor (Nyvra), gostaria de me colocar à disposição para ouvir sugestões de melhoramentos. Antes de desenvolvedor, sou usuário dos aplicativos, e mesmo tendo muitas coisas que quero melhorar, sempre gosto de ouvir sugestões de outros usuários. Valeu 😉

    OBS: Tendo sugestões, pode colocar aqui mesmo.

  • Bruno

    Salvador esta disponivel?

    • Sim, entre as 17 cidades suportadas. E planejamos adicionar mais cidades em breve.

      • Ednilson Rosa

        Felipe,

        Excelente aplicativo! Vi que nesta versão já tem 1 Food Premium aqui em Salvador. Minha sugestão é aumentar ainda mais os restaurantes de Salvador e, se possível, adicionar mais Food Premium! 😉

        Com relação à política e cobrança, acho até justo que vocês consigam levantar fundos para melhorar cada vez mais o aplicativo e sua cobertura. Só achei o valor um pouco alto. Se vocês optassem por cobrar algo como $ 1,99, creio que conseguiriam lucrar muito mais com o volume. Assim, sugiro também que avaliem essa possibilidade, de ganhar menos individualmente mas com um volume maior de vendas, o que no final poderá lhes proporcionar até mais lucro, com a vantagem de divulgar ainda mais o aplicativo!

        Abraços!!

  • Esdras Antero

    VÃO ENTRAR CIDADES DA BAIXADA? RJ

  • GRM177

    O app é bom, mas uma coisa que me irrita com desenvolvedores é quando ao invés de optarem por um produto pago (e talvez outro free) logo de saída, optam por uma versão free sem restrições, ai quando o app pega alguma fama (às custas de quem usou, testou e “propagandeou”) decidem que é o momento de cobrar- allright, nada mais justo, só que ao menos façam como o SoundHound (e outros), que quem baixou até dado momento enquanto o app ainda não era tão famoso e necessitava dos usuários para testarem e assim corrigir bugs ficou com ele de graça. Mas tudo bem, se mantidas as funcionalidades atuais do Food Brasil e continuar sem ads, bato palmas.

    • Olá GRM77. Curioso é que, na realidade, ao defender uma versão paga *sem* banners, eu sempre referenciei este teu comentário, feito em 17/01, que diz “jamais coloque propagandas (preferível que cobre o programa)”, além de uns outros comentários (na própria App Store, Twitter, etc). Tem alguma sugestão (técnica) de como poderia adicionar banner em uma versão “alternativa” e, ao mesmo tempo, atender aos anunciantes que gostariam de anunciar, sem criar algo “pago”?
      http://www.blogdoiphone.com.br/2010/01/food-brasil-a-melhor-referencia-gastronomica-do-pais-na-palma-da-sua-mao/

      Se tiver alguma alternativa prática, eu adoto imediatamente (espero que tenha conseguido explicar a situação: anunciantes querendo anunciar, e alternativa para quem não quer anúncios, sem “prejudicar” anunciantes).

      Valeu pelo comentário e peço desculpas caso tenhas te sentido “usado” (eu iria oferecer um promo code, mas sei que tua opinião é geral e não como a de um usuário do aplicativo – se eu puder esclarecer mais algo em detalhe, meu contato pessoal é [email protected]). Valeu!

    • GRM177

      Pronto, para que fui falar…

      Prezado Felipe:

      1 – Até hoje tinha um app gratuito e ads free;

      2 – Agora sou forçado, ou a comprar o app ads free, ou aturar anúncios numa atualização que não traz nada relevante (a não ser o anúncio para o bolso do desenvolvedor), coisa que não havia antes;

      3 – Isso para um app que tem no momento mais de o dobro de avaliações negativas máximas (399) contra 182 de positivas máximas, é piada…

      4 – Me sinto lesado, não sei se é possível denúncia por abuso econômico no Procon e secretária do consumidor do Min. da Justiça, mas enquanto vou estudar isso, já irei formalizar reclamação à Apple e alterar meu review para uma estrela, se pudesse seria nenhuma e ao contrário da propaganda positiva que fazia antes, nem preciso dizer…

      5 – Sinceramente, basta ignorar a atualização (já que mantenho backups) e ficar na versão anterior, mas nem sei se quero esse app mais, a Veja já lançou app semelhante e gratuito e também não dou muito tempo para bater o desespero e vender esse **** a U$ 0,99… cobrar o mesmo preço do Nutrabem, app muito melhor avaliado é bem ousado (forma educada de dizer cara de p**).

      iLex, me decepciona você dar espaço para isso no Blog, uma vez que por questão de coerência no passado vc desceu a lenha (sendo coloquial mesmo) em apps como o Fring por os desenvolvedores terem adotado posturas contra o consumidor (na época anunciaram push e não tinham, se não me engano). Reitero, nada contra desenvolvedores cobrarem, nada mais natural também, dose é uma mudança enganosa de postura num app que não tinha anúncios e altera um produto de modo deliberado a forçar o consumidor adquirir a versão paga.

      Pode até voltar atrás, não tenho dúvida que foi um tiro no pé, Felipe (que o diga o VadeMecum quando tentou tornar anual uma versão que milhares de usuários tinham comprado como for life), mas postura como essa fica para sempre.

      • Oi “GRM177”. Na verdade, eu entendo tuas reclamações. Eu infelizmente não tenho a flexibilidade suficiente (que gostaria de ter) para decidir isso sozinho. Por mim, o aplicativo seria gratuito para todos, mas não iria mais sofrer nenhum update (a menos que tu pagasse a minha empresa pra fazer isso 😉 o que é uma alternativa). Para pagar o mantenimento do aplicativo, precisamos de retorno.

        É o segundo aplicativo na App Store, e primeiro brasileiro, que integra-se com TomTom e MobileNavigator, e isso tem um custo (tanto de desenvolvimento, quanto comprar esses produtos pra desenvolver, testar, etc). Além de outros custos, como o backend/estrutura para comentários/votos, etc.

        Portanto, trata-se apenas de inovação/retorno.

        OBS: Não sei se chegaste a ler, o Twitter, depois de 3 anos de vida, vai ter ads 😉
        Curiosamente, foi anunciado na semana passada:
        http://www.wired.com/epicenter/2010/04/twitter-unveils-ad-supported-business-model/

        Sinta-se à vontade para não fazer update (e usar de graça, sem banner) ou não usar mais o produto.
        A menos que alguém pague pelos updates (hoje, os anunciantes), ele precisa ter modelo pago/ads.

        Obrigado pelos comentários.

        • GRM177

          Ok, Felipe, me excedi um pouco, realmente fico put* qd tenho um app ads free e aí ao invés de transformar para pago, numa jogada que praticamente obriga o usuário e nós sabemos que foi o caso aqui, criam ads numa atualização e lançam outro produto pago.

          Por sinal, embora aqui no BlogdoiPhone tenha sido alertado do update com ads, na store não havia advertência, mais falta de transparência.

          Acho justíssimo que vc receba por qualquer trabalho, ninguém trabalha de graça, e se fizesse o estímulo seria tão ruim que o produto não valeria a pena, o que eu acho incoerente se fazer em cima de quem já tinha um produto, mudar as regras no decorrer do jogo.

          No meu caso abro mão do update, mas prefiro continuar sem anúncios – ou, se o app for realmente bom, pagar um preço justo. Mas o que deixa o usuário sem saída é o seguinte, veja que mesmo eu que já possuia o app aceitaria pagá-lo para manter ads free, mas U$ 6,99… mesmo U$ 4,99? Isso em suposta promoção, vai me desculpar Felipe, não sei seus custos para falar, mas independente deles é fácil ver o preço médio de cada coisa na store, especialmente quem acompanha faz tempo, por U$ 1,99 seria um dos apps mais vendidos, eu toparia pagar, mas por U$ 4,99 não compro, não se trata da grana em si, mas o que se compra com isso na store, o iRadar que está há mais de ano entre os 10 primeiros da loja varia entre U$ 0,99 e 1,99… o Nutrabem que é tecnicamente mais complicado, o próprio VadeMecum que depende de atualizações mt mais constantes (todo dia muda uma lei) e se estiver errado correm o risco de um processo caso induza um profissional em erro, mazelas e riscos que você não tem.

          Não desejo fracasso a ninguém, o app é interessante, embora eu tenha mencionado as 70% de avaliações negativas (máximas-mínimas), mesmo assim eu acho ele bom, e não duvido que consiga vender numa store em que o povo paga U$ 7,99 naquela porcaria do Michaelis Inglês (quando o Kernerman é 10X melhor e custa metade), mas eu acho que um valor menor faria o app vender mais com a lucratividade inalterada. E continuo achando, apesar de agradecer a posição recebida, uma postura gananciosa por tudo que coloquei acima, para U$ 4,99-6,99 teria que ser pelo menos 70% positivo, e não o contrário.

      • Jan Marcel

        dose é uma mudança enganosa de postura num app que não tinha anúncios e altera um produto de modo deliberado a forçar o consumidor adquirir a versão paga.

        1. Mudança enganosa? Quer dizer que o senhor se sentiu enganado quando, mesmo após ler que “outra novidade também é a inclusão de banners publicitários”, abriu a aplicação e deparou-se com… banners?! Puxa, eu já penso que a mudança não poderia ter sido mais claramente anunciada.

        2. Sabendo que deliberado é como se classifica tudo o que é decidido ou feito de propósito, com alguma intenção, parece-me natural que toda mudança que a aplicação venha a sofrer seja conduzida “de modo deliberado” por seus desenvolvedores, não? Ou acredita que, se os anúncios tivessem ido parar ali “sem querer”, o problema sequer existiria? Curioso…

        3. O senhor está mesmo se sentindo forçado a comprar a versão taxada do Food Brasil? Por quê? Quem o está obrigando a isso? Bem, está certo que eu mesmo me senti no dever moral de recompensar o desenvolvedor por um fruto de seu trabalho que tanto tem poupado meu tempo (o que, diga-se de passagem, é meu bem mais valioso), mas ao tomar a decisão de adquirir a versão Gold, como merece ser chamada, agi em pleno gozo de meu livre arbítrio. Todavia, se estiver se sentindo “coagido” a desembolsar algum dinheiro, sugiro fortemente que busque ajuda das diversas entidades e profissionais competentes, a começar pela ABRE e a PROESQ.

        Boa sorte!

  • Thalles

    Muito interessante, algo que sem dúvida deixaria o app indispensável e mais completo seria adicionar uma função para cadastrar um estabelecimento e gerenciar sua descrição direto do app, tirando a foto dele e colocando tudo pelo iPhone mesmo.

    • Olá Thalles. Está previsto para a versão 1.5 (a 1.4 já tem uma lista de recursos definida e na verdade já está em andamento). Por enquanto, se enviares uma sugestão pelo “Enviar sugestão”, uma redação dedicada da Food Brasil Gastronomia vai adicionar o estabelecimento. Valeu pela sugestão!

  • GRM177

    Para um app que classifica Subway como cozinha premium em Porto Alegre já depois de várias atualizações pretender cobrar U$ 6,99 é muita pretensão… isso com 70% de avaliações negativas.

    • Oi “GRM177”, o “Premium” é um termo que a Food Brasil Gastronomia usa para indicar estabelecimentos que pagam por destaque, e não significa “cozinha premium” (não está como uma classificação de cozinha).

      E eu pessoalmente gosto muito do Subway 😉

      Obrigado pelos comentários.

      • GRM177

        Duas coisas, concordo, Subway é ótimo (mas não é premium), e eu cogitei que fosse uma denominação justamente para isso, mas antes de postar o comment abri o app para verificar se havia tal informação, salvo se lapso meu, não tem, então induz em erro o usuário ao fazê-lo pensar se tratar de culinária premium. Ou seja, velho, atitudes totalmente mercantilistas, sem compromisso com o usuário mais uma vez.

        Saindo da questão pago/não-pago, analisando essa nova versão, você conseguiu fazer o mesmo que o TWC (The Weather Channel), os caras tinham o melhor app de previsão do tempo da store em 2007, é o único dos meus apps que tem anúncio e não foi deletado de tão discreto e bem feito que é, mas a partir dai as atualizações saltaram de meros 1mb para 5, 10, sem trazer nada realmente incrível.

        O free com anúncios intrusivos (como é o seu, discordo que sejam anúncios discretos), mas ao procurar as informações sobre o termo premium notei que o app, além dos anúncios, está poluido, uma zona, tem 50% de espaço útil na tela, e nada menos que “nove” opções de botões para se clicar já na primeira tela.

        O que menos se vê agora são informações de restaurante, imagine o cara no transito abre aquela enquente (que foi a primeira coisa que abriu para mim)…

        Sobre o Twitter passar a ter ads, é completamente diferente, Felipe, o Orkut tem e não atrapalha ninguém, uma tela de iPhone é diferente, rouba 20% do espaço da tela, o engraçado é que eu realmente dúvido que o anúncio pague U$ 1,99 que eu falei ser o preço justo para o tipo de app.

        Outra coisa sobre o Twitter, a comparação não faz sequer sentido. Uma coisa é um site, ou um canal de tv, vc acessa se quiser, outra coisas é um programa que adquiri (ainda que gratuitamente, adquiri ao baixá-lo, tanto que recebi nota fiscal da Apple no email) alterar regras de forma um tanto obscura.

        Sinceramente, o app tem futuro, mas deu uma decaída tremenda nesse update, seja free ou pago, pois tem coisas horríveis que nada tem a ver com os anúncios, integração com TomTom não corrige tudo
        isso, interface poluída é o mais grave para mim no momento, junto com a enganação de transformar produtos versão sem ads gratuitos em com ads, ao invés do pago como seria o coerente.

        O app está ignorando que menos é mais (e nesse caso, em todos os sentidos).

        • GRM177

          Corrigindo: enquete. E aproveitando, nunca atualizei o TWC, até hoje na versão 1.0 que é melhor que a paga inclusive.

  • Rafael Oliveira

    É um app que tem potencial. Mas infelizmente cai na armadilha do “quem foi que disse”.
    Explicando: Gastronomia além de altamente pessoal, tem que ter algum tipo de referência. Não sabemos quem expressou as opiniões (profissionais) nas descrições dos restaurantes, que pecam um pouco pelo genérico.
    O caso do Rio de Janeiro me parece alarmante. Como morei na cidade, conheço os restaurantes, mas praticamente todos os que consultei tem descrições padrão, obviamente elaboradas por uem nunca foi em nenhum deles.
    Outra coisa é a denominação “premium” para destaque pago, e não qualidade culinária. Não ia saber disso a menos que tivesse lido no post aqui em cima, mas o app, intencionalmente nos leva a crer que premium é sinônimo de qualidade.

    • André

      Também achava que a Premium seria pela qualidade gastronômica.

      • Olá! Há planos para colocar um pequeno manual/resumo dentro do aplicativo mesmo, explicando algumas das imagens (pouca gente entende os pretendidos também). Como o recurso está ganhando muitos recursos, ficamos tentando achar formas espertas de adicionar mais coisas sem poluir muito. Mas vai ter um pequeno manual/resumo dos símbolos/recursos.

        Valeu pelo comentário! -FK

  • CAST

    Felipe

    nunca vi tanta educacao ao responder alguem q fez tantas criticas.
    Sou seu fã!
    Parabens!

  • O texto está bem comercial e publicitário, né?
    Nada contra, mas por uma questão de credibilidade, seria legal destacar se / quando é avaliação isenta ou propaganda. Fica a sugestão.

    Bem, eu usei o aplicativo em algumas viagens. Não me ajudou muito. Em Curitiba, havia dados desatualizados. Comecei a marcar alguns daqui de Sampa que conheço bem, mas novamente havia dados e endereços desatualizados.

    Também não gostei do modelo comercial: Os restaurantes “estrelados” em destaque eram os que pagaram para o aplicativo. Ou seja, nós como clientes não podemos confiar, depende de quem pagou ou não. De novo a questão da isenção da informação, indispensável para as fontes sérias. Porque eu iria selecionar em minha pesquisa quais restaurantes pagaram destaque de anúncio? E se for assim, porque o anunciante anunciaria? Confesso que fiquei com uma má impressão do modelo comercial do aplicativo, e então não consegui confiar nas dicas. Aí nunca mais usei.

    A interface era legal, e a quantidade de informações também era abrangente. Não sei a fonte, mas um guia confiável de restaurantes só faz sentido se tiver atualização e acompanhamento gastronômico, né? Não se trata de encontrar endereços, nem anúncis, mas sim INFORMAÇÂO.

    Li alguns emails acima e vi que, parece, o aplicativo ficará com (mais) anúncios. Bem, vou dar uma outra chance a ele. Espero que acertem no balanço entre informação e formas de cobrar. No primeiro uso, parecia mais uma fonte de rendas e anúncio do que uma informação gastronômica pesquisada. O fundamental, para mim, é qual a fonte de visitas a restaurantes, quem escreve as resenhas, qual a credibilidade da informação que vou encontrar ali.

    • Sendo bem transparente (como sempre): não ganhei um tostão pelo texto. Tudo o que escrevi é porque gosto do aplicativo.

    • Vou começar a escrever mal, quem sabe assim minha opinião não pareça um texto publicitário. 😉

  • iLex, me decepciona você dar espaço para isso no Blog, uma vez que por questão de coerência no passado vc desceu a lenha (sendo coloquial mesmo) em apps como o Fring por os desenvolvedores terem adotado posturas contra o consumidor (na época anunciaram push e não tinham, se não me engano).

    Eu não tenho a mesma paciência do Felipe. Vou ter que responder do meu jeito mesmo.

    Caro GRM177,
    Já conversamos e você sabe que, apesar de sempre ter discordado 80% do que você diz, sempre respeitei seus posts, porque diferentemente de muitos que aparecem de vez em quando, você é ativo no Blog. Mas acho que agora você foi longe demais.

    Você erra ao comparar o caso do Fring (que na época mentia na descrição) com a inclusão de propagandas em um aplicativo. Desde quando colocar banners em uma VERSÃO GRÁTIS é enganar o consumidor? Como diria o Jobs: “tá louco”?

    Sério, não consigo acreditar em uma afirmação destas e nem nos absurdos que li.
    Não sei em qual mundo você vive, mas no que eu e a maioria aqui vivemos é em um regido pelo capitalismo. Eu não concordo com ele, mas tenho consciência de que não posso fazer muita coisa para mudá-lo.

    AINDA BEM que existem desenvolvedores dispostos a investir na App Store e tentar ganhar algum dinheiro com isso. Sem eles, ela seria fadada a ficar sem graça, com poucos títulos. Uma prova disso é o Linux, que apesar de ser gratuito e bem confiável, nunca passou do 1% de market share.

    Agora, questionar a idoneidade de alguém ou a qualidade do produto só porque colocou publicidade no app? E me diga ONDE é que eles são invasivos? Eles fizeram algum momento você parar o que estava fazendo no app para lê-los ou fechá-los? Seu conceito de invasivo é, no mínimo, bizarro.

    Você sempre vem aqui falar mal dos aplicativos, muitas vezes por razões questionáveis.

    Aqui no Blog ainda não há um grande espaço para publicidade (os banners atuais do Adsense mal pagam o servidor). Mas quer dizer que se, amanhã ou depois eu decidir colocar banners maiores aqui, também vou ser criticado? Se isso refletir em eu ter mais tempo para o Blog e fazer coisas melhores, isso é ser desonesto com o leitor? Quem vai pagar minhas contas? Você? (se a resposta for sim, me diga logo, para eu te passar o número da minha conta).

    É muito fácil querer que tudo seja de graça e sem propaganda, mas no mundo em que vivemos isso é UTÓPICO. No lugar de apreciar as qualidades do aplicativo, você se bloca em mesquinharia, como um velho rabugento que diz que vai procurar para ver se isso não fere alguma lei, para se possível entrar com um processo. Nunca li tantos absurdos aqui.

    Dizer que é melhor que o desenvolvedor comece a cobrar do que colocar propaganda e deixar de graça é de um absurdo sem tamanho.

    Eu é que estou decepcionado com você, Guilherme, por ter usado este espaço aqui para descarregar mágoas que provavelmente têm origens em outras coisas na sua vida. Sempre reclamar de tudo dá úlcera, cuidado.

    Prezando a qualidade e o nível dos comentários, esta discussão encerra aqui. Se tiver reais sugestões e interesse em ajudar na evolução do aplicativo, escreva diretamente ao desenvolvedor, que até já disse a você o endereço email. Caso o contrário, arrisca de acharmos que sua opinião aqui seja apenas uma forma de aparecer, ou descontar uma raiva que não se sabe de onde vem.

    • gugacorrea

      Depois do post do iLex, nem mais!

      Se o cara reclama tanto, porque não faz melhor?! Se você acha que o aplicativo, como FoodBrasil (que eu acho excelente) é ruim, fácil faça algo melhor!

      Abraço

      E Felipe, parabéns pelo app. 🙂

      • Peraí. Tecnicamente falando, programação, etc, o aplicativo Food Brasil é EXCELENTE, interface bela, rápido, completo, altíssimo nível, um dos melhores feitos no país. Acho que isso é óbvio, não?

        Sem querer dar ou tirar a razão de ninguém que comentou, me PARECE que as críticas maiores foram às estratégias comerciais e/ou de upgrade. O modelo “quero tudo” que, às vezes, atrapalha o sucesso de nossos excelentes programadores. Um pensar grande que às vezes parece pensar pequeno.

        Ontem mesmo eu conversava com um desenvolvedor de iPhone sobre isso. O produto dele vende bastante, mas ele pena para convencer à empresa que o contrata que, às vezes, querer tudo é querer pouco, cobrar demais nem sempre significa ganhar demais ou para sempre. Mas aí acho que já é outra discussão, para post próprio.

        Sou otimista, acho que os desenvolvedores brasileiros – empresas investidoras, contratados como meu amigo ou independentes – tem melhorado bastante. Mas há muito a aprender. E aí entra o outro problema do brasileiro, que (às vezes) vê a crítica pública na net (naturalmente injusta, em alguns casos, mas mesmo assim didática) como uma espécie de flame ou ofensa pessoal. No resto do mundo, é comum ler com outros olhos as críticas e ataques, exatamente porque se pensa mais como um produto. Aqui, naturalmente, temos um certo senso de “esse é do Brasil”, o que é bacana como proteção, mas que por outro lado pressupõe que sejamos coitadinhos, menores, como se conseguissemos “apesar” de sermos potencialmente café-com-leite, e, portanto, imunes às críticas, especialmetne as mais injustas.

        Sei de caso de restaurantes que processaram clientes por terem denunciado maus serviços em comunidades do Orkut. É um absurdo sem tamanho. Concordo que às vezes os clientes e críticos exageram, mas isso não significa que os proprietários dos produtos e serviços tenham que descer até o nível deles. Ouçam, peguem o que for bom, descartem o que for ruim (mas sem exageros para não cair em auto-complacência) e aos poucos procurem incorporar o que as críticas pedem, ou o que os concorrentes ensinam. Inclusive os concorrentes internacionais.

        Imparcialmente,
        Láz

  • Paulo Napa

    Deixando as brigas de lado acho mto bom o aplicativo mas com um preço bastante salgado tendo em vista os vários guias gratuitos disponíveis.

  • Gabriel Pelegrini

    Quais sao as 17 cidades?

  • Víctor D’Oliveira

    Quais sao as 17 cidades? (2)

    • gugacorrea

      As cidades são:

      Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Gramado (RS), Maceió (AL), Manaus (AM), Natal (RN), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Paulo (SP) e Vitória (ES).

  • Parabéns ao Feilpe!!! Maravilha ver desenvolvedores brazucas com projetos bem feitos!!! Aos manés de plantão que só sabem criticar e não dar sugestões construtivas fica a dica… vai estudar a façaalgo melhor!!!

  • Rodrigo

    mundo capitalista é assim mesmo, primeiro eles te dão o gostinho, vc quer mais ? Tem q pagar .
    quer informação? vai ter q pagar de alguma forma e ponto final ! Até o Google vai ter q começar a pagar oq ele esta indexando de outros meios de informação.
    Nao sei para q tanto papo furado e choradeira.
    Quer informação sem pagar ? vai ler jornal no lixo

  • Víctor D’Oliveira

    gugacorrea: Obrigado!

  • Hemerson

    Olá pessoal, é o seguinte.
    Ninguém pode chegar criticando os desenvolvedores do FoodBrasil por terem tomado esta atitude.
    Na minha opinião deveriam agradecer por disponibilizar uma versão gratuita munida de muitos benefícios.
    Eu mesmo já utilizei o aplicativo aqui em Belo Horizonte várias vezes e sempre me deu ótimas dicas e sugestões para escolher um estabelecimento (minha mulher que o diga!).

    A questão das propagandas que todo mundo anda reclamando realmente pode ser uma coisa não muito legal. Mas tentem entender o outro lado.

    O cara e/ou equipe investem bastante pra poder disponibilizar um programa bem feito (leve, robusto, preciso e direto) gratuitamente pra todo mundo que queira. Quando ele lucra com isto? Nunca!
    O que, na minha concepção, eles fizeram foi juntar o útil ao agradável. Juntaram um programa gratuito, de qualidade, com uma maneira de receber por isto! A maneira que eles encontraram foi adicionar links patrocinados para que isto possa sustentar toda a arquitetura do programa.

    Me desculpem a expressão, mas é uma P*%@ duma sacanagem chegar e criticar sem saber o porquê. Ainda mais quando o suporte para o programa (vulgo Felipe) dá toda a atenção pra todos.

    Pensem um pouco antes de criticar.

    Na minha opinião: Quem usa a versão free e acha bacana, compra a paga pra ajudar os desenvolvedores brasileiros.

    Eu fiz a mesma coisa com o app Orkup. Comprei e indiquei para amigos. Um ótimo app feito por brasileiros e muito útil.

    Abraço