Notícias

Os criadores da Siri querem lançar um assistente virtual ainda mais evoluído

Talvez nem todo mundo saiba que a assistente virtual Siri não é uma invenção da Apple. A função era um aplicativo da App Store capaz de entender o contexto do que o usuário ditava e interagir com ele, de forma inteligente. A empresa que o criou foi comprada pela Apple em 2010 e, um ano depois, a função foi parar no iOS 5.

Os fundadores da empresa, Dag Kittlaus e Adam Cheyer, ficaram um tempo trabalhando na Apple, mas depois pediram demissão para tocarem outros projetos próprios. Um deles veremos na semana que vem: a VIV, uma evolução da Siri.

Dag e Adam dizem que sempre imaginaram a Siri muito mais evoluída do que é hoje. A intenção sempre foi criar um sistema inteligente que pudesse fazer muito mais coisas e se tornasse cada vez mais inteligente com o tempo. Porém, quando a tecnologia foi comprada pela Apple, ela estacionou e acabou não evoluindo muito, o que fez os dois sairem da empresa e continuar seu projeto paralelamente.

E parece que evoluíram bastante. Eles dizem que será possível pedir para a assistente coisas do tipo: “Peça uma pizza em uma Pizza Hut perto daqui“. Eles fizeram esse teste em uma pequena conferência para a imprensa esta semana, e os repórteres ouviram a resposta da Viv: “Qual o sabor da pizza que você quer?“. Depois de ditarem os sabores, colocarem e retirarem ingredientes e informarem o tamanho, continuaram a conferência normalmente. Cerca de 40 minutos depois, a pizza chegou, sem eles terem precisado fazer nenhuma ligação telefônica ou instalado qualquer aplicativo. Só ficou a dúvida de como estas pizzas foram pagas.

Este tipo de interação é o que eles acreditam realmente mudar a vida dos usuários. Você conversa com o celular como se estivesse realmente falando com um assistente real que, depois de ouvir o que você quer, vai lá e faz. Quando imaginamos esta nova expansão da assistente vocal para necessidades como chamar um taxi, comprar um ingresso de cinema ou reservar uma mesa em um restaurante, nos damos conta que ela pode realmente influenciar no nosso cotidiano, facilitando-o.

No dia em que a Siri foi lançada pela Apple, nos foi vendida a ideia de que ela iria fazer isso, mas a prática nos mostrou que ela hoje é bem limitada. Se pedimos para ela comprar um ingresso de cinema, ela nos apresenta vários links da internet. Há a possibilidade de interação com aplicativos dedicados, mas você precisa ter o aplicativo instalado, com o seu registro já feito.

siri tickets

Os fundadores da Siri nunca a imaginaram assim tão limitada. Quando ainda era um app, eles tinham parceria com vários serviços, que permitiam obter informação diretamente deles. Porém, com a compra da Apple, todas estas parcerias foram canceladas. A ideia que Steve Jobs tinha para a Siri não era a mesma de Dag e Adam, o que fez os dois deixarem a empresa no ano seguinte. Eles dizem que a Viv é o que eles queriam que a Siri fosse desde o início.

Várias empresas estão interessadas na Viv, que até já recebeu ofertas de compra do Google e do Facebook. É provável que quem adquiri-la, apresente para os seus usuários uma assistente muito mais avançada e proativa que a que temos na atual Siri, e talvez a Apple não seja capaz de atingir o mesmo nível de qualidade em sua assistente. E isso é triste para nós, usuários da maçã.

fonte: The Washington Post — Foto da capa: Andrew Burton

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Lauro

    Outro dia pedi a Siri para ligar para minha esposa, por mais que eu tenha tentado falar claramente o nome dela, conforme está registrado na minha agenda de telefones, a Siri ligou para outra pessoa.
    Não sei se teria coragem de fazer o mesmo, seguindo o exemplo do pedido da pizza, e pedir para comprar algo e depois receber outra coisa diferente. Pode ser constrangedor.

    • Nunca usei a siri para nada, além de brincadeiras.

      Esse negócio de usar a voz (sem ser no carro) é embaraçosso. Aposto num futuro com aqueles teclados projetados em realidade aumentada, que a Samsunga patenteou.

      As assistentes não fazem nenhuma tarefa melhor do que nossas próprias mãos podem fazer, infelizmente. E vendo a história desses dois inventores, sabemos porque (Dona Apple está fechada a se arriscar, mesmo muito rica).

    • Celso Pimentel

      Se no registro cadastral de telefone consta “esposa” não precisa dizer o nome, apenas:
      – Siri, ligue para minha esposa.

      • Lauro

        Não fui claro, eu disse o nome que está no cadastro, apenas não quis escrever aqui o nome dela.

        • PoderosoCastig4

          então, mas tenta falar “liga pra minha esposa” (literalmente)… caso a Siri ainda não souber quem é a sua esposa, ela vai perguntar, aí sim você diz o nome dela (e confere pra ver se a Siri entendeu direito), nunca tive problema (mas também nunca tive uma esposa kkkk)

  • Thiago Moraes

    Infelizmente a Apple tem se preocupado mais com os lucros astronômicos do que com a inovação e melhoria.

    • Minha teoria é que estão se preparando pros anos obscuros (igual quando Jobs deixou a empresa).

      Sendo muito rica, ela poderá sustentar-se e não falir como da primeira vez, hehe.

      • Mas assim perde mercado. A grana não substitui a mente do Jobs.

  • Elcin

    Tomara que ninguém compre e eles lancem um app próprio, daí vai ser só dizer: “E aí Siri, a Viv está, gostaria de falar com ela.”

  • “Ordene uma pizza” (acredito que do inglês “Order a pizza”) não seria “Peça uma pizza”? 😉

    P.S: Eu sei, estagiários! ?

  • Por enquanto. A comunicação ainda é muito “robótica”. A medida que a tecnologia evoluir e as assistentes ficarem mais naturais, cada vez mais pessoas vão usar e deixará de ser “embaraçoso”. Acredito que essa tecnologia ainda tem muito chão pela frente e ainda vai ser parte constante em nossas vidas. Hoje a gente se contenta em ver a crustácea fazendo beat box! 🙂

    • Leandro Dantas

      Hoje tem várias pessoas acostumadas a andar pelas ruas falando com o celular (Snapchat). Acredito que isso seja uma estrada para reduzir essa “vergonha por utilizar serviço de voz”.

  • Alex iPilot

    Vivi uma época em que embaraçoso era andar na rua ouvindo música com fones no ouvido, ninguém sabia o que era o “Sony Walkman”… Depois disso embaraçoso foi usar o celular na rua, rsrsrs… Ficando velho…
    Tenho usado bastante a Siri depois do Watch! É muito mais fácil usá-la para criar alarmes, fazer ligações, escolher musicas, … Sem precisar pegar o iPhone.

  • Alexandre

    Recebeu ofertas de compra do Google e Facebook.. Nada impede que a própria Apple compre a empresa. Lógico que também estão de olho

    • Gustavo Andrade

      Resta saber se irão querer vender novamente para a Apple e ter os mesmos problemas que já tiveram.

  • Bernardo

    Não apoio totalmente esse tipo de coisa… Essa crescente robotização das coisas ainda vai gerar muito desemprego no futuro, podem ter certeza… Além de ser menos interessante falar com não-humanos, ainda tira o emprego de pessoas menos qualificadas… Acho bem complexo, acho que devemos impor um limite na desumanização das coisas.

  • Adnu Baus

    O que não gosto na Siri é que às vezes fica mais “burra”. É instável! Às vezes falo: “diga para minha namorada que estou chegando” e a Siri envia um SMS, certinho. Como deveria! Mas às vezes eu falo a mesma coisa e ela tenta escrever um e-mail, ou me diz que não há número cadastrado. Sem contar as dezenas de vezes em que fica indisponível.

    Algumas orientações básicas ela podia ter disponível no próprio aparelho para não depender do servidor. Me parece que o algorítimo de aperfeiçoamento constante dela aprende algumas coisas que não deveria e acaba interferindo negativamente naquela que ela já “sabia”.