Notícias

Apple explica a eliminação de mais de 5.000 aplicativos “sensuais” da App Store

A App Store ficou com menos títulos na semana passada, desde que a Apple resolveu retirar todo e qualquer aplicativo que explorasse de alguma forma a sensualidade no iPhone ou iPod touch, causando uma enorme polêmica em todo o mundo. Ontem, o vice-presidente de Marketing, Phil Schiller, pronunciou-se em defesa da sua companhia, tentando explicar as razões da atitude.

A Apple sempre se preocupou com a moral e bons costumes americanos. Tanto que uma das primeiras coisas que Steve Jobs disse ao apresentar o SDK (kit de desenvolvimento de aplicativos) em 2008 foi que não seriam aceitos aplicativos de pornografia. A preocupação é que tanto o iPhone quanto o iPod touch possuem uma grande penetração no público jovem; a intenção seria protegê-los de conteúdos adultos. O iPad também poderá ser muito difundido em escolas, o que pode também ter contribuído para o controle maior nesse sentido.

Mas qual seria a definição de “pornografia”? É justamente aí que reside a polêmica.
Segundo Schiller, a Apple vem recebendo diversas reclamações de pais descontentes com o número crescente de programas que exploram a sensualidade feminina, classificadas como conteúdo “degradante e questionável“.

Para evitar erros de interpretação, ela resolveu tirar tudo o que pode ser considerado como “sexualmente excitante”, como mulheres em biquini ou fotos sensuais. Nisso, mais de 5.000 aplicativos foram eliminados da App Store na semana passada, como mostra este gráfico do site AppShopper:

Aplicativos eliminados

Mas como sempre, as políticas restritivas da Apple sempre geram controvérsias. Os aplicativos Your face in PenthousePlayboy, por exemplo, continuam disponíveis na loja, mesmo que o conteúdo seja declaradamente sensual. Qual peso e qual medida a Apple usa?

Um exemplo de aplicativo brasileiro que corre o risco de também ser eliminado é o Garota Skol, que mostra mulheres vestidas de acordo com a temperatura do dia: quanto mais quente, menos roupa.

Será que fomos finalmente beneficiados com o descaso histórico que a Apple tem pelo Brasil?

via

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Misantropus

    Titio Jobs continua se achando o Big Brother…

  • Maurício™

    Ah, quer pornografia vai no extrapost.

    iPhone é pra coisas úteis e legais.

    Concordo com o Tio Jobs.

  • Marcos Vendramini

    É, “penetrar” pornográfia nos jovens realmente é preocupante!boa atitude do Tio.

  • Hermann

    Isso que dá ter o monopólio do mercado e apps para smartphones. Atitudes ditatoriais como esta mostra o quão hipócrita é o ser humano.

    So falta me dizer agora que a história do Lobo Mal é pedofilia infantil e apologia ao estupro.

  • Rodrigo

    Coitada da pirralhada… já é tão dificl achar pr0n na internet e agora essa.

    por via das duvidas vou baixar a garota do tempo Skol…

  • O pessoal nem lê a matéria.
    O que causa tristeza é que desde que se tenha grana e história, pode. Vide Penthouse e Playboy.

    • Hermann

      O “pessoal” deve ter bola de cristal 😉

  • Concordo que não deveria existir esse tipo de aplicativo na App Store, mas não pode haver exceção como nesse caso.

  • GRM177

    Complexo, por um lado há pornografia demais no mundo e para haver isso há consequentemente exploração de seres humanos como objetos (ainda que estes concordem, por motivos que vão desde prazer até necessidade). De outro, há a liberdade de que se está em um PC, ou mesmo na TV, se vê o que bem entende, desde que queira, ou seja, livre arbítrio, escolha pessoal de cada um, então a Apple fazendo interfere nessa esfera de escolha individual. Todo caso, num primeiro momento eu não tomo por censura, de fato a store parece mais séria sem lixo porn, e a atitude pode ser mais filosofia da empresa do que censura propriamente dita – não tenho muita certeza, mas acho que aprovo.

    • Hermann Schuenemann

      Não precisava proibir, bastava ter controle parental de aplicativos.

      A apple perdeu a chance de mostrar uma solução prática e simples.

  • Infelizmente o Brasil não foi esquecido.
    Vale comentar que embora o Garota do Tempo tenha se mantido disponível, um outro ótimo aplicativo brasileiro foi censurado.
    O Bella Club (http://www.mobilepedia.com.br/cases/aplicativo-do-site-bella-da-semana-mobile-marketing , http://www.praesto.com.br/aplicativo-iphone-bella-club-no-ar/) não está mais disponível na App Store.
    Uma pena pelo tempo e dinheiro investidos. Bola fora da Apple

  • Frederico

    Evidentemente que a Apple prioriza as vendas.

    Um produto livre de pornografia é, com certeza, escolha certa de pais que querem presentear os filhos com um produto que eles sabem que é seguro.

    A Apple aposta no “politicamente correto”, porque ela dita as regras que quer e para se beneficiar desse mercado tão atrativo que é o iPhone, os interessados tem que se “adequar”.

    Traduzindo: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”.

    E eu concordo com a Apple.

  • bruno

    so entrar em blogs pornograficos pelo safari no iphone
    canso de fazer isso no banheiro :DDDDD

  • Eu… concordo, hunf