AplicativosResenhas

Testamos o aplicativo FabFocus, que adiciona profundidade de campo em suas fotos

Na semana passada, falamos aqui de um aplicativo que prometia trazer o mesmo efeito da função modo Retrato, exclusiva do novo iPhone 7 Plus. Esta função é capaz de identificar pessoas (ou objetos) em uma foto e então embaçar o fundo, dando a impressão de profundidade de campo. Como isso depende da câmera fotográfica dupla, outros dispositivos não possuem o modo Retrato.

Foi por isso que a notícia de que um novo aplicativo poderia fazer isso em todos os aparelhos chamou tanto a atenção. Os desenvolvedores do FabFocus fizeram um grande alarde antes mesmo do aplicativo chegar à App Store, criando uma grande expectativa. Porém, essa estratégia de marketing pode se transformar em um tiro no pé quando você não tem um produto que corresponda ao que os usuários esperam.

Segundo as palavras dos próprios desenvolvedores, o FabFocus usa o reconhecimento facial para aplicar efeitos de profundidade de campo como nas câmeras DSLR, em qualquer iPhone. Eles usam uma “avançada inteligência artificial para detectar pessoas e automaticamente desfocar todo o fundo“.

“É fácil assim tirar um sensacional retrato com um efeito profissional de profundidade de campo.”

Só que a realidade não é tão maravilhosa assim.

Como o app funciona

O aplicativo tem uma interface bem simples e não muito complicada para iniciantes. O usuário pode tirar uma nova foto diretamente no app ou então escolher uma feita anteriormente na biblioteca de fotos, o que por si só já é uma vantagem em relação ao modo Retrato original do iPhone 7 Plus.

fabfocus2

Depois da foto tirada (ou escolhida), você dá início ao processo e o aplicativo procura identificar as pessoas presentes na foto, para destacá-las do fundo. Ele então aplica automaticamente o embaçamento em tudo que não é identificado como rosto, dando a impressão de desfoque. Você ainda pode ajustar manualmente o que quer ou não que fique embaçado, mas aí o processo é bem mais complicado e pouco intuitivo.

fabfocus5

Para definir manualmente o que você quer que fique embaçado ou não, você desenha com o dedo uma máscara verde, para indicar o que será preservado. É preciso dedicação e tempo para preencher o objeto desejado nos mínimos detalhes.

A realidade do dia-a-dia

Em nossos testes, a tal “avançada inteligência artificial” não foi muito eficaz em detectar todos os rostos. Em casos de fotos com mais pessoas, foi muito comum o aplicativo identificar apenas um rosto, deixando um efeito bizarro na imagem. Há também casos em que ele não identifica rosto nenhum.

fabfocus3fabfocus4

Aliás, a maioria das fotos que fizemos, não ficaram suficientemente boas de primeira, e precisaram receber alguns retoques manuais para chegarem a um resultado mais próximo do razoável. Mesmo assim, a imagem fica bem amadora, e é visível que foi aplicado um efeito tosco para desfocar o fundo artificialmente.

fabfocus1

Claro que para muitas pessoas, este tipo de efeito será o suficiente para agradar, mas basta ter o olho um pouco mais apurado para ver o quão grosseira foi a aplicação do efeito.

O grande problema é que o app se vende como uma ferramenta intuitiva e automática, induzindo os menos experientes a comprá-lo para criar imagens maravilhosas de forma fácil. Mas na realidade, o resultado automático é de qualidade questionável, precisando de reparos manuais complicados e trabalhosos para se chegar a uma melhoria aceitável.

O FabFocus custa $1,99, mas não aconselhamos a sua compra. A falha detecção de rostos e a aplicação precária do efeito automático força na maioria das vezes o usuário corrigir a imagem de forma manual, com uma ferramenta difícil de usar. Neste caso, vale muito mais a pena investir em outros aplicativos que também permitem a aplicação de embaçamento de fundo, mas de uma maneira bem melhor, como é o caso do Tadaa SLR ($3,99),  cuja a aplicação do efeito é toda manual, mas os resultados são muito melhores. Também há uma versão gratuita dele, chamada TADAA – HD Pro Camera, que possui vários outros efeitos inclusos.

Tags
Mostrar mais

Ale Salvatori

Applemaníaco desde 1995, quando precisou aprender a usar um Mac em uma semana para conseguir um emprego em uma agência de publicidade. Acha que a Apple não é mais a mesma depois da saída do Gil Amelio.

Artigos Relacionados