Notícias

Amazon, Google e Kobo reforçam de vez o mercado de livros digitais no Brasil

O dia de hoje (6 de dezembro de 2012) está sendo considerado pelo mercado editorial brasileiro como um marco para a explosão do livro digital no país. Depois da grande chegada da iBookstore em outubro, chegou a vez de Amazon, Google e Kobo também firmarem suas lojas virtuais no país, todas no mesmo dia.

Por incrível que pareça, a Kobo foi a que mais chamou a atenção no seu lançamento (com um grande evento ontem), enquanto as gigantes Amazon e Google foram mais discretas.

Mas apesar da Apple ter começado na frente, já leva um grande tapa na cara das suas concorrentes: preços em Real. Amazon e Google já abriram a loja com seus livros em moeda nacional, o que é um importantíssimo diferencial de marketing, visto que muitos ainda tem medo de preços em dólar, ou simplesmente não possuem cartões internacionais. Além disso, os preços são competitivos.

Por exemplo, o best seller Cinquenta Tons de Cinza, custa na iBookstore o equivalente a R$28,73 (considerado o IOF de compras em dólar no cartão). No Google Play, o mesmo livro sai por R$24,90 enquanto a Amazon está já com um desconto, vendendo por R$21,90.

Já o ótimo livro de Luis Fernando Verissimo, Diálogos Impossíveis, custa o equivalente a R$26,52 na loja da Apple. O Google o vende por R$ 22,90 e a Amazon, R$21,76. Durante o período que escrevíamos este artigo, o Google já baixou seu preço para o mesmo que o da Amazon.

Ou seja, esta fortíssima concorrência deverá ser decisiva em duas coisas: queda dos preços e difusão do livro digital no Brasil. Agora é esperar a Apple conseguir adotar os preços em reais para entrar nesta briga.

Para ler livros das diferentes lojas, há aplicativos específicos compatíveis com iPhone, iPod touch e iPad. Se você já está acostumado com o iBooks, não poderá ler os livros comprados na Amazon ou no Google Play nele, infelizmente. Também não terá a integração com o iCloud, como acontece com os livros da iBookstore. Outro ponto interessante é que nenhuma das outras lojas oferece a facilidade de comprar os livros diretamente no aplicativo de leitura, como acontece com o iBooks; todas obrigam o leitor a sair do aplicativo e comprar no site, para depois importar. Nisto a Apple dá aula em experiência para o usuário, só precisa mesmo de preços mais alinhados com a concorrência.

A certeza de tudo isso é que nós, consumidores brasileiros, estamos ganhando com as várias opções de livros digitais em língua portuguesa, que rechearão nossos iPads e iPhones daqui para frente. Que as 4 gigantes briguem muito entre elas e desenvolvam ainda mais este mercado em nosso país. A gente merece. 🙂

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Senri

    E viva a era digital!
    Amo ler no iPad!

  • Tiago Corrêa

    Tomara que relancem digitalmente livros antigos que só se encontram em sebos 🙂

  • Beto

    Bom vamos ler… Mas detalhe a grande massa brazuka lê???

    • Senri

      Lê e muito! Só o fato de “50 tons de cinza” ou “Jogos Vorazes” (antes de ter um filme adaptado) serem um sucesso no país, já comprova isto!
      Livrarias como Saraiva, LaSelva ou Cultura sempre estão fervilhando de gente nos shoppings em que frequento.

      • Marcus Malacarne

        Eu acho que existem algumas poucas pessoas que leem muito, enquanto a maioria não lê praticamente nada. Uma vez vi um comparativo entre as médias de quantidade de livros lidos por país, e o Brasil estava muito feio na colocação. Quem sabe com as facilidades do mercado digital de livros, e o fator “novidade” não consigamos reverter isso.

        Eu sou uma verdadeira vergonha quando se trata desse assunto, nem lembro qual foi o ultimo livro que eu li (tirando os que usei como consulta no meu TCC). Tem vários livros que eu gostaria de ler, porém não crio coragem de começar.

        • Valter

          Ler é um hábito que se aprende lendo até gibi.
          Você pode ir num sebo que tem livros de 1 real. Então não é desculpa, é falta de vontade de aprender.

          • Marcus Malacarne

            Tenho vários livros em casa e não crio coragem de sequer começar a ler eles, a falta de material não é uma desculpa. Tenho plena convicção que o problema sou eu. Eu leio muita coisa na internet, acompanho vários sites e blogs dos mais diversos assuntos, porém quando se trata de livro… sou um zero a esquerda.

            O único livro que eu me lembro de ter lido com gosto foi Fortaleza Digital, do Dan Brown. Os poucos outros que li foi me obrigando, mas não vendo a hora de acabar.

            Ontem a comprei a famosa “trilogia de cinco livros” (O Guia dos Mochileiros das Galaxias), penso em ler esse livro a muuuito tempo, vamos ver se agora vai.

      • Henrique Praxedes

        Me desculpe …. mas somente pela fato de:” Livrarias como Saraiva, LaSelva ou Cultura sempre estão fervilhando de gente nos shoppings” …..
        Isso prova somente que é uma MINORIA.

        A grande massa brasileira …. não frequenta shoppings ….. mal tem saneamento básico …. só pq estamos acostumados a viver bem … . ter coisas caras … e vermos que os lugares que frequentamos estao cheios e etc não significa que a grande massa tem este mesmo acesso.

        • Paulo Cotta

          Que lugar do Brasil você está se referindo? Sertão nordestino? Porque para quem vive em grandes cidades eu diria que mais de 90% da população frequenta estabelecimentos comerciais.
          Não é porque a pessoa não tem dinheiro que fará com que esta deixe de frequentar um Shopping Center.

          • Latw

            Paulo Cotta, você conhece o Brasil? Nao parece. Lamento. Não somos um pais de 3o mundo sem motivos.

            Ipads, iphones, gadgets, etc, são mimos para uma minoria. Sim, somos minoria. Claro que esta havendo uma popularização decorrente da melhoria no quadro econômico geral mas, seguimos tendo problemas graves.

        • Monkey King

          Totalmente inadequada a sua colocação! Amigo, quem não tem saneamento básico, educação e afins, provavelmente não sabe ler, mas principalmente: esta pessoa nao tem dispositivo eletrônico para efetuar leitura de livros online, que é o foco desta matéria! Temos um país com um índice baixo de leitura porque a mesma não é incentivada! Somos um país populoso, porém um país populoso de pessoas pobres, em sua grande parte! Fora as pessoas que tem preguiça, como é o caso do nosso amigo ali no post de cima. MUITAS e MUITAS pessoas leem! Caso contrário, não teríamos grandes editoras de livros, grandes livrarias ou grandes sucessos de vendas títulos de livros no país! Não apenas livros, digo revistas, mangás, gibis, culinária e etc. Engraçado é ver as pessoas que nem sequer praticam a leitura virem cobrando que a Apple e outras empresas olhem mais para o Brasil. Façam por onde! Cultura nunca é demais, por mais aue você leia um livro de ficção, mas pelo menos você estará convivendo com seu idioma e aprendendo palavras novas. Não foi feliz a sua colocação!

  • Jordany Arcanjo

    Que venha o fácil acesso a livros e uma democratização dos livros digitais para todos!

  • Lucas

    Gostaria de saber, se eu comprar um livro por exemplo no Kindle, eu irei ler ele pelo iBooks ? Se não, por onde?

    • Victor Rosa

      Só ler a matéria….

      “Para ler livros das diferentes lojas, há aplicativos específicos compatíveis com iPhone, iPod touch e iPad. Se você já está acostumado com o iBooks, não poderá ler os livros comprados na Amazon ou no Google Play nele, infelizmente.”

    • Daniel

      Não, se vc comprar um livro na Amazon vc vai ter que usar o aplicativo do kindle pra ler no ipad ou iphone, ou então no próprio kindle.

    • Daniel

      Fiquei feliz com a notícia e tomara que os livros digitais cresçam no Brasil.
      Só acho que os livros digitais poderiam ser mais baratos, em relação ao preço do livro impresso. Os custos de produção e distribuição, a meu ver, são bem menores pros livros digitais.

    • Renato

      Poderá sim, desde que vc use um conversor para o formato ibook, por exemplo o programinha sensacional chamado calibre, uso ele sempre que compro meu livros na saraiva e destravo-os e converto-os para o ibook!

      • Saint-Clair Stockler

        Como se destrava um ebook?

        • Renato

          Procure aqui mesmo no blog, que tem um tutorial feito pelo iLex, usando o pragrama calibre para realizar tal procedimento! Lembrando que o intuito não é a pirataria! Abraço

      • Ciro Espítama

        Há diferenças entre retirar o DRM a um livro (ePub geralmente) e conseguir ler um livro no formato Kindle no iBooks. Não são livros com proteção, são outros formatos de arquivos. Até onde sei o iBooks não lê o formato Kindle ou Kobo.

  • Fernando!

    Certo! legal! vários livros em um único lugar…………

    Mas o triste é o livro impresso custar R$29,90 (Cinquenta Tons de Cinza).

    Poderia ser uns 10 reais mais barato no mínimo na minha opinião!!!

    Acho explorador uma vez que se economiza em impressão e transporte e por ai vai…….

    Abraços!

  • iron

    Excelente notícia!
    Todos os livros que eu vi na Amazon, estão mais baratos que na ibookstore.

  • Luiz

    Viva a concorrência

  • Hansi

    Amazon, Kobo e Google Play não deixam comprar livros pelos próprios aplicativos por decisão da própria Apple que obriga todas as compras serem in-app (parte do preço do livro iria para a Apple).

    Elas não quiserem dividir os lucros e por isso só se pode comprar livros pelo site. Acho injusto dizer que a Apple é melhor por uma imposição dela própria.

    • Eu não quis defender a Apple, eu falei de um FATO. Você pode arranjar a desculpa que quiser, mas o FATO é um só: para usuários de iPhone e iPad, é muito mais fácil comprar livros direto no aplicativo que nas outras livrarias. PONTO.

      Assim como podemos arranjar a desculpa que quisermos para os livros da iBookstore serem mais caros: preço em dólar, IOF, etc, mas o FATO é que os preços são menores na Amazon. Seu comentário, para mim, é tão deslocado quanto eu vir dizer que “é injusto o artigo dizer que a iBookstore é mais cara, pois o governo dificulta para ela a adoção dos preços em reais na loja de aplicativos”. O FATO é que os preços são mais caros e para o consumidor, é isso que importa para ele.

      • Erick Sasse

        Se não me engano, os outros aplicativos não permitem compra direto no app pois teriam que pagar o percentual da Apple sobre os livros. O Kindle tinha loja quando foi lançado e depois removeram.

        • Dimitri

          É, iLex. Você não desmentiu o fato de parte do preço da venda “in-app” ir para o bolso da Apple. Esse fato também é verdadeiro. Se eu fosse dono do Kindle, também não permitiria.

      • Tiago

        iLex, concordo com tudo que você disse, porém o aplicativo do Kindle no passado possuía essa funcionalidade, então não é questão da Apple dar aula em experiência ao usuário, ela apenas se aproveita do fato de ser dona da plataforma.

        Agora quando pensamos que um livro comprado nas outras lojas podem ser lidos em qualquer plataforma, me parece que são elas que estão dando aula de experiência ao usuário, enquanto a Apple não fornece um aplicativo para ler meus livros comprados na IBookStore fora do ambiente IOS.

        • Não, Tiago. Apesar de alguns aqui alimentarem o mito de que é a Apple que obriga os outros a ser como são, o Kindle faz isso desde que foi lançado, em 2009 (bem antes das regras das assinaturas externas, que mudaram recentemente). Confira no artigo que fizemos na época:
          http://blogdoiphone.com/2009/12/amazon-libera-aplicativo-kindle-for-iphone-para-o-publico-brasileiro/#more-18566

        • Dimitri

          Verdade, Tiago.
          Apesar de o App Kindle não ter integração com o iCloud, ele tem a função de sincronização, não só no iOS, mas também entre outras plataformas: Android, PC, MAC, Surface (Win8). Você pode continuar a leitura do ponto em que parou, em qualquer desses ambientes.
          Esta é a descrição da função no site da Amazon: “Com a tecnologia Whispersync da Amazon, você sincroniza automaticamente seus livros entre vários dispositivos incluindo os mais populares smartphones, tablets e computadores. Desse modo é possível continuar a leitura em um dispositivo diferente de onde você parou”.

      • Jean Lavallé

        “Nisso a Apple dá aula de experiência ao usuário”. Se isso não é defender a Apple eu não sei o que é. Pelo menos é o que dá a entender, certo?

        • SamuEX

          Caras, ultimamente temos percebido que a Apple não dá mais aula de nada… mas este é um Blog pró-Apple. Natural que os posts aqui enalteçam-na. Bobeira querer ler algo diferente disto.
          Eu sinceramente acho até muito ver posts que tocam feridas da Apple, escritos de forma sagaz pelo iLex.
          Então devemos nos sentir satisfeitos.

    • Luís M.

      Cara, você tem razão

    • Hansi

      Não estou entrando no mérito dos preços, mas sim na afirmação no artigo de que a Apple dá aula de usabilidade por poder comprar livros in-app.

      É muito fácil dar uma aula quando os outros professores da universidade da Maçã tiveram seus diplomas caçados… 😉

      • Thiago

        Hansi, não sabia disso. Realmente, se for isso mesmo, a Apple só da aula de usabilidade pois é a única que pode fazer isso. haha. Belo comentário.

  • João Vítor Passos

    Hahahahahha… A Apple vai ter que se virar nos 30 depois nesse “tapa na cara”….

  • Adahilton

    Ilex, será que a impossibilidade de compra direto do aplicativo, seria por se tratar de uma in app purchase e isso daria 30% a apple, tornando impossivel concorrer?

  • Lucas Araújo

    Os livros kindle no aplicativo do iPad, tem o efeito de folhear as páginas?

    • Hansi

      Não. No app do Kindle as páginas simplesmente deslizam conforme são passadas. Entretanto você pode mudar a fonte, aumentar tamanho, escolher entre fundo branco, sépia e preto, entre outras coisas.

      • Muniza

        Estranho não ter essa opção no app para Ipad, porque no app para Iphone tem. Está em configurações, na opção “animação de virada de pg”.

        • Hansi

          Desculpe, refaço minha afirmação.

          Entrei no app aqui agora e vi que tem sim. Eu que sempre nunca me importei de procurar nas novas versões por essa função, pois meu iPad é o 1 e quanto menos animação melhor, pelo bem do desempenho dele. 🙂

      • Felipebr

        Tem a opção sim. Basta ativar ela clicando no ícone Settings no Kindle. Por padrão veio desativado o meu.

  • DMML

    Na amazon tem algo que queria muito.
    A biografia do Jobs em inglês.

  • Diogenes

    caracas… eu ñ estou conseguindo utilizar nem um dos aplicativos….

    O Kindle, quando digito o meu email e senha, e clico em Cadastrar esse Kindle, aparece a msgm: “Falha no cadastro, Combinação de senha/e-mail incorreta”. Já tentei inúmeros tipos de senha… nem uma ele aceita, e ñ encontrei o site dele para tentar me cadastrar pelo site…

    O Kobo, eu entrei no site http://www.kobobooks.com e me cadastrei, mas quando entro no aplicativo do iPad e tento efetuar o login, aparece: “Não reconhecemos o endereço de e-mail ou a senha digitados. Verifique se estão corretos e tente novamente.” Sendo que pelo site eu consigo me logar e visualizar tudo por la…

    O Google Play Books, eu me loguei com meu email google, e só aparece 3 livros para download! Não ha onde buscar mais livros…

    Alguem pode dar uma mão?!?

    • Synnx

      O site do Kindle é o Amazon.com.br, amigo 😉

      • Diógenes

        haha
        Vlw mano! N tinha caído minha fixa…

    • Thiago Sousa

      Se vc tivesse lido o post inteiro teria visto que para comprar livros deve ir aos sites antes, não dá pra comprar diretamente do aplicativo como no iBooks.

      No Amazon basta fazer um cadastro no site. Pode ser no http://www.amazon.com mesmo, pq tinha feito meu cadastro lá antes e funcionou perfeitamente. Para comprar livros, porém, realmente é no http://www.amazon.com.br.

      No Google Play basta ir no site play.google.com/store.

      O Kobo eu ainda não tentei usar.

  • adla

    iLex tenho uma dúvida, estou aqui querendo usar o Photo Stream, no iPod touch de 4g, mais não consigo, vi em um post seu que você colocou que era suportado no de 4g, me explique ai como colocar.

  • SamuEX

    Opa, numa enxurada de “Não no Brasil”, agora temos um bom:
    SIM NO BRASIL!

    😀

  • J3ff

    Ficou mais acentuado ainda o porque da Apple manter seus preços em dólar e não em reais.

  • Feitosa

    Não acho interessante ter 4 apps (contando com o nativo) para fazer a mesma coisa…

    Olhei no site do Google play e, se não entendi errado, temos a opção de baixar em ePub ou pdf.

    Ainda temos o “Calibre” para converter livros e um ótimo post do iLex (só olhar nos tutoriais) falando sobre o seu uso e como remover o DRM ,apenas para uso próprio 😉 .

    • João Pedro Vianini de Paula

      IBooks não é nativo.

  • Daniel Belo

    Oi iLex. Li na matéria que os livros comprados em outras lojas devem ser lidos nos respectivos aplicativos. Mas… Realmente não há como quebrar o DRM e fazê-lo rodá-lo no iBooks, fazendo a mesma coisa que foi ensinado na epoca do lançamento do biografia do Steve Jobs?

    • Renato

      Sim Daniel, eu uso um programinha chamado calibre tanto pc quanto mac, que quebra essa proteção e converte para o ibook ou qualquer outro, faço isso, pois, compro livros digitais na saraiva e o app deles é um lixo!

  • Synnx

    É interessante frizar também que o Kindle Touch, da Amazon, tá sendo vendido por R$ 299,00. Um preço muito bom para quem, assim como eu, tá atrás de um leitor dedicado, ao invés do iPad. Só queria que os preços dos livros digitais não fossem tão próximos dos livros físicos. Isso desestimula demais de fazer qualquer compra, já que sabemos que a grande parte dos custos do livro físico (impressão, armazenamento e transporte) está sendo eliminada na venda da cópia digital. 🙁

    • Diógenes

      Eu nunca entendi a real cobrança dos preços que as editoras cobram pelos livros digitais…
      Como exemplo, pegamos qualquer produto que compramos pela internet, praticamente todos os produtos (eu uso o buscape) sempre Ta em torno 20% mais barto que nas lojas disponíveis na minha cidade, sem dizer q parcelam em 12x enquanto na loja física é 3x…
      Isto sem falar que o custo de prosução digital despenca relativamente comparado com o custo de produção de um livro impresso….

      Os livros digitais deveriam ter obrigação de custarem de 30 a 40% mais baratos que o impresso! MAS… As empresas só querem saber de seus lucros… E quem sai perdendo somos nos consumidores…
      Acredito, que assim que os livros digitais se popularizarem mais, os preços tendam a cair até atingir essa proporção q citei acima…

      • J3ff

        Um dos motivos.. …Editoras protegendo as suas “parceiras”, ou seja, as Livrarias.
        Veja o que a ANL (Assossiação Nacional das Livrarias) está propondo:
        “…livros digitais só poderão ser vendidos 120 dias após o lançamento do livro impresso; editoras precisam praticar o mesmo desconto de revenda de e-books para todas as livrarias; não poderá haver mais que 30% de diferença nos preços entre livros impressos e digitais; e os e-books não poderão ter mais que 5% de desconto.”
        Acho que é isso !!!

        • Diógenes

          Tentando limitar a tecnologia e a informação…
          Vamos ver por quanto tempo vão conseguir…
          (espero q n muito rsrs)

  • Thiago

    Só o ibooks vende direto pelo aplcativo pois ele é a única que pode fazer isso. A Apple proibe qualquer app de vender que não seja pela itunes e sua margem de lucro…

  • Vinícius

    iLex, vc vai falar da compra e alugueis de filmes também? Pois o Google por exemplo já começou com esse serviço… E como está esse lance do Google TV? É melhor que a Apple TV?

  • Iago

    Acho muito legal a entrada da Amazon no Brasil. Acredito que ela, com seu atendimento de primeiro mundo e sua política de descontos agressivos, pode mudar muita coisa no e-commerce nacional.
    Quanto aos livros digitais, será uma ótima iniciativa que já devia ter chegado com mais intensidade aqui há muito tempo. É muito mais conveniente possuir sua biblioteca inteira na nuvem enquanto você pode fazer a leitura a qualquer hora no seu iDevice.
    Continuarei dando preferência à iBookstore para a compra de livros pela sua integração com o iCloud e para manter minha biblioteca digital em um só lugar.

    Só espero que a Saraiva não detenha a exclusividade da venda digital de seus livros, pois dependo muito dela para livros da área jurídica. E, sinceramente, o app da editora para leitura está longe de ser, ao menos, aceitável.

    • Bruno

      Compre os livros pelo site, baixe no PC e siga o tutorial do BDI para conversão de livros para o iBooks. Talvez consiga liberar-se do aplicativo da saraiva.

  • Tiago Ribas

    Semana passada eu baixei o Kindle para o iPad e fiquei Maluco pelo de eu não poder comprar o livro dentro do aplicativo. Eu achava tao normal comprar os livros direto do iBooks.

  • Alessandra

    Eu fiquei muito feliz com a novidade pois adoro ler.
    Que ta um post fazendo comparação entre aplicativos para leitura? Recentemente comprei um livro no site “gato sabido” que requer o Bluefire, achei o app uma porcaria! Não compro mais livros no site por causa do aplicativo.

  • Guilherme Primo

    Gostaria de saber se estes novos e-readers necessitam de algum software de transferência…???? como o ipad necessita da Itunes…seria muito melhor se não fosse preciso