Curiosidades

Algumas descobertas sobre o futuro reconhecimento facial do iPhone

O firmware interno do HomePod (um dispositivo que nem foi lançado ainda mas provavelmente já tem alguns funcionários testando em suas casas) acabou sendo liberado em um link público, o que fez alguns ávidos por códigos descobrirem diversos segredos do próximo iPhone (leia também este outro artigo). E é tanta coisa que ainda há códigos a serem descobertos.

Uma das novidades seria um tal de Pearl ID (nome possivelmente temporário), que seria um sensor de reconhecimento facial provavelmente presente no próximo iPhone. E o desenvolvedor brasileiro Guilherme Rambo descobriu mais alguns códigos que nos contam como este sensor irá funcionar.

O fato de ter códigos presentes no interior do sistema não é certeza de que eles apontam para um produto a curto prazo (há inclusive partes que citam baterias automotivas). Porém, o reconhecimento facial é algo que os rumores sugerem desde o início do ano, o que nos faz pensar que estes códigos podem ser já relacionados ao novo modelo que será apresentado no próximo mês (setembro).

O Pearl ID (ou como alguns estão chamando, Face ID) é uma forma de autenticação através do reconhecimento facial. Assim como o sensor de digitais, ele será capaz de reconhecer o rosto do dono (ou de quem estiver registrado) e automaticamente desbloquear o aparelho, sem precisar de senhas. E isso mesmo se o aparelho estiver apoiado sobre a mesa, teoricamente.

Como a Apple nunca citou algo do tipo, tudo o que se sabe é graças aos códigos encontrados no firmware do HomePod. E o Guilherme já chegou a algumas conclusões baseadas no que encontrou:

  1. O sistema irá aceitar o Pearl ID como autenticação de pagamentos, da mesma forma que faz hoje com o Touch ID;
  2. Aplicativos da App Store poderão usá-lo também para autenticação (diferentemente do Touch ID, que demorou um ano para ser liberado);
  3. Será possível adicionar mais de um rosto, como acontece também com o Touch ID (múltiplos dedos);
  4. As notificações do iPhone serão silenciadas quando for identificado que o usuário já está olhando para a tela;
  5. O sistema será capaz de reconhecer emoções, como rostos tristes, felizes, sérios…

No início do ano, comentamos aqui sobre a aquisição pela Apple de duas empresas: RealFace e Emotient. A primeira é especializada em reconhecimento facial e tinha um aplicativo na App Store que identificava as suas melhores fotos, entre muitas. Já a segunda desenvolveu Inteligência Artificial (AI) capaz de identificar sentimento nas fotos. Com isso, daria para criar automaticamente um álbum em que você aparece feliz, outro pensativo, etc. Tudo bate com os códigos encontrados.

A grande dúvida que fica: e o Touch ID? Depois de 4 anos de bons serviços, ele seria simplesmente eliminado por algo que nunca foi testado em larga escala? Ninguém ainda pode bater o martelo quanto a isso, pois depende se a Apple irá conseguir colocar o sensor de digitais escondido na tela OLED do novo aparelho (ou em outro lugar). O que Rambo também descobriu é a citação multibiometrics, sugerindo que o sistema irá suportar mais de um tipo de autenticação.

Claro que há diversas dúvidas ainda a respeito do novo sistema de reconhecimento facial, que será testado em grande escala pela primeira vez quando o novo iPhone for lançado. Sabemos que o pessoal é muito criativo em encontrar falhas em funcionalidades novas, o que faria com que a Apple corresse um grande risco se decidisse substituir totalmente o Touch ID pelo novo Pearl ID (ou seja lá como se chame). Mas todos esperamos que ela responda a todas estas dúvidas em setembro, quando apresentar o novo modelo.

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados