Notícias

Livro “Como Steve Jobs virou Steve Jobs” chega ao Brasil no dia 11 de agosto

A mais recente biografia sobre a vida de Steve Jobs finalmente está chegando em sua versão em português. Ela será lançada no dia 11 de agosto, pela Editora Intrínseca.

Nós já falamos dele aqui, quando a versão original foi lançada em março com o nome “Becoming Steve Jobs“. Agora em português, o livro é um apanhado de entrevistas com diversos amigos e parentes de Jobs, como Tim Cook, Jony Ive, Eddy Cue, Ed Catmull, John Lasseter (Pixar), Robert Iger (Disney) e também a viúva Laurene Jobs, além de entrevistas com próprio Jobs, quando vivo.

Há diversas histórias não contadas antes, como a tentativa de Tim Cook em doar parte de seu fígado ao amigo, além de muitas outras.

O livro já está em pré-venda na iBooks Store, com um preço menor que a versão em inglês. Quem compra em pré-venda, terá o livro baixado automaticamente no aparelho assim que ele for lançado.

becoming Steve Jobs

A editora liberou um trecho do livro, confira:

Depois da morte de Steve, seguiram-se resmas de tratados sobre ele: matérias, livros, filmes e programas de TV. Com frequência, tais peças ressuscitavam velhos mitos a seu respeito, utilizando estereótipos criados na década de 1980, quando a imprensa descobriu o prodígio de Cupertino. Naqueles primeiros anos, Steve era suscetível à bajulação da imprensa e abriu a si mesmo, e a sua empresa, aos repórteres. Estava em sua fase mais indisciplinada e destemperada. Por mais que se mostrasse um gênio para imaginar produtos inovadores, também era capaz de demonstrar uma mesquinhez e indiferença perturbadoras para com seus funcionários e amigos. Então, quando começou a limitar o acesso e a cooperar com a imprensa apenas quando precisava promover seus produtos, as histórias desses primeiros tempos na Apple se tornaram o senso comum sobre sua personalidade e sua maneira de pensar. Talvez por isso a cobertura póstuma tenha refletido tais estereótipos: Steve era um gênio com uma queda pelo design, um xamã cujo poder de contar histórias era capaz de gerar algo mágico e maléfico chamado “campo de distorção da realidade”; era um idiota pomposo que desconsiderava a todos em sua busca obstinada pela perfeição; achava que era mais esperto do que todo mundo, nunca ouvia conselhos e era meio gênio e meio babaca de nascença.

Nada disso se compara à minha experiência com Steve, que sempre me pareceu mais complexo, mais humano, mais sentimental e ainda mais inteligente do que o homem a respeito de quem li em outros lugares. Poucos meses depois de sua morte, comecei a vasculhar antigas anotações, fitas e arquivos das matérias que fiz a seu respeito. Havia muitas coisas que eu esquecera: notas improvisadas que eu escrevera sobre ele, histórias que ele me contara durante as entrevistas mas que eu não poderia usar no momento por uma razão ou por outra, antigas trocas de e-mails, até algumas fitas que eu nunca transcrevera. Encontrei uma fita cassete que ele gravara para mim e era uma cópia da fita que lhe fora dada pela viúva de John Lennon, Yoko Ono, com todas as várias versões de “Strawberry Fields Forever” gravadas durante o longo processo de composição. Tudo isso estava guardado em minha garagem, e desenterrar esse material desencadeou várias lembranças ao longo dos anos. Após remexer tais relíquias pessoais por semanas, decidi que não bastava apenas reclamar dos mitos unidimensionais sobre Steve que estavam se calcificando na mente do público. Eu queria oferecer uma imagem mais completa e um entendimento mais profundo do homem que eu cobrira de forma tão intensa, de um modo que não fora possível quando ele estava vivo. Cobrir Steve fora fascinante e dramático. Sua história era verdadeiramente shakespeariana, repleta de arrogância, intriga e orgulho, de conhecidos vilões e tolos desastrados, de sorte ultrajante, boas intenções e consequências inimagináveis. Havia tantos altos e baixos em tão pouco tempo que fora impossível traçar a ampla trajetória de seu sucesso enquanto ele estava vivo. Naquele momento, eu queria dar uma visão de longo prazo do homem que eu cobrira por tantos anos, o homem que se dizia meu amigo.

Você pode também baixar uma amostra gratuita com as primeiras páginas do livro. A leitura vale muito a pena.

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Roney Cezário

    Estava aguardando, que ótima notícia.

  • Rudimar Serves

    Comprei!

  • Elton Fabricio

    Ué, e versão impressa? Não vai ter? 🙁

  • Alexandre Marcello de Figueire

    Acabei de ler recentemente.