Curiosidades

Apple aprova aplicativo sobre Hitler, mas o veta na Itália, Alemanha e Áustria

Esta é uma notícia bem curiosa, que nos faz querer entender como funciona o sistema de aprovação da Apple. Surge o segundo caso de censura regional na App Store, depois do aplicativo de Dalai Lama. Uma obra sobre o líder nazista está disponível no mundo inteiro, menos na Itália, Áustria e Alemanha.

O desenvolvedor italiano Luigi Marino já se tornou bem polêmico no país da bota por ter lançado aplicativos sobre a biografia de líderes controversos, como iMussolini, iStalin e iSilvio. No caso do primeiro, vários grupos de direitos humanos na Itália tentaram em vão tirá-lo da loja.

Como o gênero se mostrou um filão de ouro para Luigi (toda a polêmica o fez vender muito), ele tentou lançar um outro aplicativo do gênero, chamado iHitler, mas desta vez, a Apple barrou.

O desenvolvedor não desistiu e tentou algumas mudanças. Primeiro, tirou a letra I do nome, para evitar a semelhança com a famosa saudação nazista. Mudou também o ícone e alguns detalhes e mesmo assim, o app foi vetado mais uma vez.

Porém ontem, sem nenhuma explicação, o aplicativo foi finalmente liberado pela Apple, mas não nos países europeus que faziam parte do “Eixo” na Segunda Guerra, Itália e Alemanha, nem na terra natal de Hitler, a Áustria.

Uma das coisas que a Apple não permite em suas regras é a contextualização política nos aplicativos. Teria sido este o motivo para este ato de censura regional?

Ninguém sabe a razão que levou a comissão de aprovação de apps a tomar tal atitude. O aplicativo não pretende fazer nenhuma apologia ao sanguinário e louco líder alemão, apenas mostrar fatos históricos de sua vida. Se é bem verdade que para alguns alemães este seja um passado que se queira esquecer, pergunta-se se outros países que também sofreram os horrores da guerra, como o norte da França e todo o leste europeu, não poderão ficar ofendidos em encontrar tal aplicativo em suas App Stores.

Qual afinal foi o critério da Apple? Mais uma vez, ficamos sem saber.

via

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Apple e suas lógicas.

    • DVC

      Se é um app histórico, não vejo razão para ser diferente.
      Afinal, ninguém vetou os filmes que falavam da vida de hitler, os documentários… pq deveria ser diferente em um APP que visa mostrar a história do ditador?
      A Apple só foi esperta de tirar dos países onde a inclusão poderia ser mal-vista. E nem lá acho que deveria ser diferente. Todo alemão, austríaco, italiano, etc sabe bem da história de Hitler. Não seria um app que causaria comoção.
      Mais uma vez a Apple censurando o que não devia.

  • Diego

    Na alemanha, se não me engano é proibido fazer menções ao nazismo.
    Olhem as modificações que fizeram no Wolfenstein
    http://www.schnittberichte.com/schnittbericht.php?ID=5982811

    Talvez na Itália e Áustria tenham leis semelhantes.

  • Edu

    Alemanha e Austria foram motivos legais. Não sei quanto a Italia.

  • RMF

    Para mim poderia continuar fora da AppStore para todo o sempre, decepção muito grande com a Apple nesse momento sinceramente.

    • MKT

      Não vejo o pq.
      Seria como a Apple barrar um app que contasse a história da ditadura no Brasil.
      Esconder o que o Hitler fez não faz bem nenhum para a humanidade. Temos que conhecer os erros das gerações anteriores para não cometê-los no futuro.
      O App não faz alusão ao Hitler ou à ditadura, só conta fatos históricos de sua vida.

  • mlaor

    São os países da Tríplice Aliança! (com exeção da Áustria, que na época era o Império Austro-Hungaro).

    • Também conhecidos como “Países do Eixo”, no qual Japão fazia parte. Por isso a referência ao europeus no texto.

  • Vamos aguardar o iLula e o iDilma…

    • Há. Não dúvido nada que saia algo parecido 😀

  • JanjaBoy

    Sou contra qualquer tipo de censura.
    Compra o app quem quer.

  • AndreSS

    Para quem gosta do assunto, vale à pena.

  • Marcelo Carvalho

    Só não vale a pena porque é em italiano.. 🙁

  • john

    Se não faz apologia ao Nazismo acredito correto a aprovação, é um livro histórico. Nada melhor que conhecermos nossos erros para não repeti-los.