Notícias

Saiba como foi a experiência de comprar um iPhone 6 nos primeiros dias

Cobertura Bradesco

Existia um tempo em que ir acompanhar o lançamento de um novo modelo de iPhone era algo divertido e inusitado, com grandes oportunidades de se viver belas experiências e trocas com outros usuários. Este tempo, infelizmente, parece ter mudado bastante e em algumas cidades a busca por um iPhone no primeiro dia se tornou algo cansativo e bem confuso, pelo menos nas grandes cidades.

Na sexta, nós mostramos aqui como foi gigante a procura pelos novos aparelhos em diversos cantos do mundo. Era tanta gente, mas tanta gente, que ficou impossível comprar um iPhone nos primeiros dias sem enfrentar no mínimo algumas horas de fila.

Na verdade, a grande procura sempre existiu, mas a Apple sempre soube organizar impecavelmente as filas para que não houvesse muita confusão e que todos pudessem levar os seus exemplares para casa. Porém este ano, não foi isso que aconteceu nas lojas de Nova York.

O número de chineses na fila era assustador, principalmente pela situação precária que eles se dispuseram a passar durante alguns dias antes do lançamento. E não estamos falando de turistas da China em buscas dos novos iPhones; a impressão que dava era que se tratava de pessoas humildes, simples, que provavelmente nunca tinham mexido em um iPhone, mas que estavam ali para comprar os aparelhos para outras pessoas, com o objetivo de vender no mercado negro.

Um vídeo do jornal Washinton Post foi feito sobre este tráfico exploratório:

Na China, estes aparelhos são vendidos com um ágio de US$1.000 a US$1.500 cada unidade (ou seja, este valor sobre o preço pago por ele nos EUA), e pela enorme quantidade que foram comprados, estamos falando de um lucro de muitos milhares de dólares. Este sim é o iPhone mais caro do mundo.

Por um total despreparo da Apple, que desta vez não foi competente para coordenar e controlar a fila, o que se viu foi uma festa de humildes cidadãos chineses comprando aparelhos e voltando para o meio da fila, junto com outros conhecidos que deixavam furar sem que ninguém lhes impedissem. Quem estava no final da fila, simplesmente não andava e ficava por horas ali, sem água, comida ou direito a ir ao banheiro.

Cadê a fila

Nós mostramos aqui em um vídeo como foi a “fila”, que era formada não por uma pessoa atrás da outra, mas praticamente um amontoado de pessoas. Era uma fila que crescia mais para os lados do que para trás.

Muitos clientes autênticos que estavam ali para poderem usar realmente o iPhone, acabaram desistindo de esperar, saindo decepcionados com a Apple. Os mais insistentes chegaram a esperar mais de 11h na fila (!!!) para garantirem os seus iPhones. Quem ganha com este tipo de comércio? Será que a preocupação em só vender não pode destruir todo um trabalho de anos com seus fiéis clientes?


Sistema de pedido

Quando se chega próximo ao final da fila, funcionários da Apple abordam os presentes para saber qual aparelho eles desejam. Eles usam iPhones 5c para anotar o pedido, que não pode ser de mais de duas peças por pessoa.

Realizando o pedido

O pedido é adicionado ao sistema da Apple, que associa o cliente a um código de barras, para facilitar o processo no final da fila, quando ele for atendido. Este código de barra pode ser fornecido ao cliente através de um papel ou então por email/SMS, para adicionar ao Passbook.

 Pedido eletrônico Pedido eletrônico Pedido eletrônico

Uma vez chegando dentro da loja, o vendedor lê o código e já vai buscar os aparelhos relativos a ele.


Será assim nas próximas semanas?

É possível que a caçada dos chineses por mais e mais aparelhos continue alimentando filas, pelos menos nas principais cidades dos Estados Unidos. A Apple pretendia lançar o iPhone 6 no grande país asiático já no último dia 19, mas as autoridades acabaram não homologando o aparelho a tempo, o que atrasou o lançamento por lá. Por isso, o mercado negro está fortíssimo, incentivando este comércio paralelo que acaba atrapalhando os demais clientes que só querem comprar o aparelho.


Aparelhos desbloqueados

O esquema continua o mesmo do ano passado: ao comprar um iPhone na Apple Store com preço cheio (full price), ele já vem desbloqueado para ser usado no mundo inteiro, inclusive no Brasil. Tanto T-Mobile, quanto AT&T e Verizon são do mesmo modelo que provavelmente a Anatel irá homologar no Brasil (A1549 para o iPhone 6 e A1522 para o 6 Plus). Isto é importante para não ter problemas com a garantia em nosso país. Repetindo: todos estes vem desbloqueados se comprados com preço cheio na Apple Store. [mark]Se comprar em outras lojas, há o risco de ser bloqueado.[/mark] Veja mais sobre isso e compatibilidade com a rede 4G brasileira neste outro artigo.

Leia mais sobre:

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar