Notícias

Como o Apple Watch está ajudando a salvar vidas

Ainda há gente que se pergunta sobre qual seria a utilidade de um Apple Watch. Um pequeno computador de pulso que serve apenas para ver as horas e ser alertado de mensagens? Quem não possui um pode não entender completamente o quanto ele influencia em nosso dia a dia.

Um americano acabou de descobrir, graças ao seu Apple Watch, que estava com embolia pulmonar.

Um dos maiores pontos positivos do relógio inteligente da Apple sem dúvida é seu aspecto de monitoramento de saúde. Com ele você pode medir sua frequência cardíaca, passos dados, calorias gastas e diversas outras coisas que a tecnologia atual permite.

James Green é um podcaster que mora no Brooklin e comprou o Watch assim que ele foi lançado, em 2015. Sempre o usou sem muitas pretensões, com o objetivo de registrar seus dados de saúde.

Um belo dia, em repouso, seu relógio notificou-o que seus batimentos cardíacos tinham aumentado do nada, sem razão aparente para isso. Preocupado, ele procurou um médico para averiguar isso e acabou descobrindo que estava sofrendo de embolia pulmonar, que é um bloqueio de uma ou mais artérias dos pulmões. Um dos sintomas é justamente o aumento da frequência cardíaca.

Graças ao Apple Watch, ele acabou detectando cedo a doença a tempo de tratá-la sem grandes consequências.

Nunca pensei que um estúpido computador de pulso que eu comprei há 2 anos poderia salvar a minha vida. Vi minha taxa cardíaca disparar, e no fim era uma embolia pulmonar.

Para ser alertado das anomalias cardíacas, James precisou usar o aplicativo HeartWatch, mas agora todo o Apple Watch (a partir do Series 1) possui nativamente esta função. Na mais recente atualização, o watchOS 4 reformulou o aplicativo Batimentos, que monitora melhor a frequência cardíaca e notifica caso seu coração passe dos 120 BPM (ou outro número da sua escolha) quando você estiver em repouso. Isso é um grande alerta de que algo pode não estar indo bem.

Para configurar a notificação no seu Apple Watch, siga os passos:

  1. Abra o app Apple Watch no iPhone.
  2. Toque na aba Meu Relógio e depois em Batimentos.
  3. Toque em “Batimentos Elevados” e escolha um BPM.

No Apple Watch de primeira geração não há acompanhamento de ritmo cardíaco em repouso (apesar da opção aparecer no aplicativo do iPhone). Por isso, usuários deste modelo terão que apelar para aplicativos de terceiros, como foi o caso do James.

Este não é o único caso de vidas salvas com a ajuda do Watch. A própria Apple divulgou um vídeo em setembro que reúne diversas cartas escritas por usuários reais do relógio, contando como ele foi importante em suas vidas. Inclusive um bailarino brasileiro que abre e encerra o vídeo, confira:

E você? Tem alguma história do Apple Watch para nos contar?

Via
Twitter
Leia mais sobre:

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar