Notícias

Preço do iPhone 6 aumenta ainda mais no Brasil nesta virada de ano

O iPhone mais caro do mundo ficou ainda mais caro. Por incrível que pareça, os preços da Apple aumentaram ainda mais no país e agora o iPhone 6 básico, que já era caríssimo, está custando R$3.499. O que está acontecendo?

Com os novos reajustes, o preço do modelo mais caro, o iPhone 6 Plus de 128GB, sai por insanos R$ 4.699. Confira a tabela completa de preços:

ANTES

AGORA

iPhone 6 16GB

R$ 3.199,00

R$ 3.499,00

iPhone 6 64GB

R$ 3.599,00

R$ 3.899,00

iPhone 6 128GB

R$ 3.999,00

R$ 4.299,00

iPhone 6 Plus 16GB

R$ 3.599,00

R$ 3.899,00

iPhone 6 Plus 64GB

R$ 3.999,00

R$ 4.299,00

iPhone 6 Plus 128GB

R$ 4.399,00

R$ 4.699,00

.

O valor do modelo anterior, o iPhone 5s, também aumentou, passando de R$ 2.199 para R$ 2.499 o aparelho de 16GB, e de R$ 2.599 para R$ 2.899 o de 32GB. O preço do novo iPad Air 2, que é fabricado no Brasil, não sofreu alteração de preços.

Os preços do iPhone 6 aumentaram, em média, 8%, enquanto que o dólar, desde a época do lançamento, aumentou 10,51%. Note que não estamos querendo defender este aumento, apenas queremos tentar entender a razão dele.

Aumento do dólar
Fonte: aplicativo Bolsa do iOS

Ou seja, a Apple pode estar fazendo o que recentemente fez na Rússia, ajustando seus preços de acordo com a brusca variação do dólar dos últimos meses. Mesmo assim, ela arrisca espantar clientes brasileiros ao assumir um patamar de preços que não condiz com grande parte da população consumidora do país. Enquanto isso, muitos concorrentes estão sacrificando suas margens de lucro, para conquistarem cada vez mais o mercado e tentarem fazer o consumidor tirar a Apple da cabeça.

A discussão é complicada e muito mais profunda do que simplesmente dizer que “a Apple está se aproveitando do povo brasileiro“, frase muito comum nas redes sociais difundidas por pessoas que não conhecem realmente como funcionam os bastidores do mercado. Como destacamos na edição de novembro da Revista iThing, a Apple não abre muito a mão de sua margem de lucro mundial, nem mesmo em grandes mercados como a China e, por isso, não faria muito sentido nós querermos que ela abrisse mão das mesmas margens de lucro aqui. Além disso, as cargas de impostos são tão altas no Brasil (nós esclarecemos cada um deles na revista) que mesmo que a Apple abrisse mão de seus lucros no iPhone, o preço para o consumidor seria ainda alto para o patamar econômico do brasileiro, não criando um aumento significativo nas vendas. Ou seja, por que ela baixaria sua margem de lucro de não fosse para refletir nas vendas?

A concorrência, por sua vez, precisa ser muito mais agressiva para conquistar mercado, nem que para isso precise reduzir e muito suas margens de lucro. Além disso, o fato do Android ser desenvolvido por um terceiro (o Google) faz com que os fabricantes gastem muito menos em desenvolvimento de software, reduzindo os custos. E como para o Google, quanto mais usuários de Android existirem, mais dados de usuários eles possuirão para o mercado de publicidade, ele cria grandes incentivos para que a plataforma se desenvolva o máximo possível no Brasil.

Nós aqui não temos a mínima dúvida de que os produtos da Apple continuam sendo os de melhor qualidade do mercado, porém infelizmente os preços astronômicos (por culpa seja lá de quem for) estão fazendo com que fique cada vez mais difícil ser um usuário de seus produtos aqui no Brasil. Infelizmente.

Dica do Luiz Fernando Paes e do Ronaldo Fonseca

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados