História

[História] O dia que a Microsoft fez um funeral para o iPhone

O histórico de declarações e atitudes vergonhosas da Microsoft é longo, principalmente nos tempos em que ela era comandada pelo lunático Steve Ballmer.

E um dos mais marcantes foi um verdadeiro funeral que a empresa organizou no lançamento do Windows Phone, marcando o que seria a morte do iPhone.

E se analisamos hoje a situação dos dois celulares, tudo fica ainda mais patético.

Acomode-se bem para ler um pouco sobre um dos maiores momentos “vergonha alheia” que a Microsoft passou na sua história.

Anúncios



Windows Phone 7

O ano era 2010 e a Microsoft estava se preparando para lançar o seu novo sistema para smartphones.

A pressão sobre a empresa era enorme. O iPhone havia revolucionado a noção de “smartphone” e os celulares com o Windows CE estavam perdendo mercado de forma vertiginosa. Algo precisava mudar essa situação.

Relembre a história:
ARQUIVO BDI: Como o iPhone está matando o mercado do Windows Mobile

O Windows Phone 7 era a esperança de retomar o domínio do mercado.

Então alguém dentro da empresa achou uma boa ideia promover um funeral fake nas ruas de Redmond (EUA), para celebrar a suposta “morte do iPhone” que aconteceria após o lançamento do novo sistema.

A mensagem era que, com o lançamento do Windows Phone 7, as pessoas poderiam se desfazer dos outros celulares, pois o novo sistema da Microsoft veio para “enterrar” os smartphones da concorrência.


O funeral

O evento teve direito até a um rabecão, com as pessoas de preto segurando um caixão feito de papelão. Dentro dele, estaria o iPhone.

Funeral iPhone

“Enterrando a concorrência”. A-hã…

O desfile contou inclusive com uma dancinha de Thriller, de Michael Jackson, coreografado pelos funcionários.


O que deu errado

Apesar de toda essa pompa no lançamento, as coisas não andaram como a Microsoft imaginou.

O Windows Phone até teve um certo sucesso nos primeiros anos, mas nunca chegou nem perto de arranhar a popularidade do smartphone da Apple.

A interface gráfica do sistema buscava se diferenciar do estilo tradicional de ícones utilizado por celulares Android e iOS.

Ela se baseava em uma navegação por grupos de grandes blocos coloridos , com informações em tempo real sobre os respectivos conteúdos.

Alguns achavam isso revolucionário, mas a maioria dos usuários a considerava confusa e pouco intuitiva.

Além disso, o celular não contava com uma grande variedade e atualização de aplicativos e muitos apps populares ficaram de fora do celular.

O Google deixou de dar suporte aos apps do Gmail e YouTube, o que fazia os usuários desses serviços terem problemas ao acessá-los. Quem tentava mandar e-mails pelo sistema tinha as mensagens truncadas e cheia de códigos inúteis.

A resposta da Microsoft para este problema? Eles diziam que o Gmail não era um produto deles e que o usuário é quem deveria configurar direito os ajustes. O engraçado é que na mesma época o iOS não apresentava este problema, integrando o Gmail perfeitamente ao sistema sem necessidade de grandes configurações.

E imaginar que, um dia, Steve Ballmer disse que o iPhone “não era muito bom para e-mails”…

Ballmer ri do iPhone

Além disso, a empresa deixou os usuários na mão quando lançou o Windows Phone 8, que não era nada compatível com as versões anteriores. Quem tinha comprado celular antes disso, ficou preso no sistema velho, sem suporte algum.



Completo fracasso

Isso e muito mais coisas resultaram no gigantesco fracasso do Windows Phone, que permaneceu como um zumbi moribundo (lembra da dancinha do Thriller?) durante alguns anos, até ser oficialmente encerrado em 2020.

E o engraçado é que a Microsoft não fez um funeral para o Windows Phone quando encerrou o projeto.

Aliás, ninguém fez. De tão insignificante que o sistema se tornou.

Eu dou a culpa à soberba de quem comandava a Microsoft na época. Steve Ballmer acreditava que o Windows a tornou a maior empresa tecnológica dos anos 90/00 e por isso achava que o mesmo sistema continuaria mantendo a empresa no topo por décadas.

Faltou visão.

Por exemplo, Steve Jobs tinha certeza que o iPhone seria uma revolução no mercado de telefonia e deixou isso claro na apresentação de janeiro de 2007. Mesmo assim, usou como argumento o próprio aparelho, sem falácias ou demonstrações de superioridade.

Imagine se a Apple faria um evento de funeral esculachando os concorrentes. Não tem nem como imaginar algo do tipo.

Isso só poderia acontecer em uma empresa comandada por Steve Ballmer.


Google News

Ale Salvatori

Applemaníaco desde 1995, quando precisou aprender a usar um Mac em uma semana para conseguir um emprego em uma agência de publicidade. Acha que a Apple não é mais a mesma depois da saída do Gil Amelio.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo