Opinião

WhatsApp cria limitações pequenas que provavelmente não resolverão o problema das ‘fake news’

Paliativos não resolvem se os usuários não mudarem seus comportamentos

Na semana que passou, o WhatsApp implementou algumas limitações em seu aplicativo para tentar dificultar a difusão de boatos, notícias falsas e informações distorcidas. Porém, nada disso parece solucionar o real problema: a ignorância humana.


Desde que a internet ficou mais popular, é comum vermos pessoas “repassando” mensagens que recebem, sem nem verificarem (ou se preocuparem) se aquela informação é verdadeira ou não. Quem aqui nunca recebeu e-mails com textos do Luis Fernando Verissimo que não eram dele, ou textões supostamente assinados por alguém famoso, mas que não tinham nada a ver com o suposto autor.

Isso sempre existiu, mas com o crescimento das redes sociais, a coisa hoje se potencializou. Um número enorme de informações distorcidas são transmitidas em uma velocidade assustadora, tudo porque ninguém mais está preocupado em averiguar uma notícia ou história que recebe antes de repassar para os outros.

Este fenômeno está causando problemas inclusive de saúde pública no Brasil, depois que mensagens compartilhadas pelo WhatsApp afirmavam que vacinas fazem mais mal do que bem. As pessoas recebem a informação, consideram automaticamente como verdade e repassam para outros, que repetem todo o processo de forma mecânica.

Para dificultar isso, o WhatsApp recentemente adotou algumas medidas para que os compartilhamentos em massa sejam dificultados, no intuito de conter a onda de difusão de notícias falsas.

Por exemplo, agora, quando você repassa algo que recebeu de alguém, aparece no topo da mensagem a palavra “Encaminhada“, deixando claro que aquele texto não é seu.

Isso já alerta a quem ler que aquele conteúdo não está sendo criado pela pessoa que está enviando, e, na teoria, você deixa de dar a credibilidade que tem naquela pessoa à mensagem.

Outra limitação imposta pelo aplicativo é o número de contatos/grupos que você poderá encaminhar uma mensagem que recebeu. Ao incluir os contatos de um encaminhamento, o máximo aceito será de 20 pessoas/grupos por vez. Na Índia, que é “onde as pessoas encaminham mais mensagens, fotos e vídeos que qualquer outro país no mundo” (segundo o próprio serviço), este limite é reduzido para 5 contatos por vez.

Segundo os administradores do WhatsApp, isso servirá para reduzir as fake news difundidas no aplicativo. Porém, esta tentativa parece ser mais um discurso de marketing do que algo realmente efetivo.

Mesmo depois da aplicação das restrições, mais uma mulher foi linchada na Índia por causa de boatos viralizados pelo WhatsApp. No último sábado, uma mensagem acusando uma mulher de criminosa foi espalhada rapidamente, o que acarretou em linchamento e morte da mesma.

Esta limitação do envio simultâneo de mensagens não desencoraja efetivamente a difusão de mensagens e SPAMs. Primeiro porque quem quer mesmo espalhar qualquer notícia, pode repetir o processo várias vezes, mandando primeiro para 20 pessoas, depois para mais 20 e assim sucessivamente. E segundo porque considera grupos como contato único. Com isso, basta enviar para 20 grupos diferentes, cada um com mil integrantes, e você enviou de uma vez só a mensagem para 20 mil pessoas diferentes. E cada uma delas poderá fazer o mesmo.

A solução encontrada pelo WhatsApp não resolve nada e não passa de um marketing para tentar dizer que estaria fazendo algo para acabar com as fake news, quando na verdade não está.

Isso porque o problema das notícias falsas não está no instrumento usado, e sim na incapacidade das pessoas em usar o próprio cérebro para filtrar as informações que recebem. É injusto imputar ao WhatsApp a culpa pela disseminação das notícias falsas, porque se acabarmos com este aplicativo, outros virão para substituí-lo nisso. Enquanto as pessoas não mudarem seu próprio comportamento, as fake news continuarão a ser um problema para todos, influenciando opiniões, comportamentos e eleições.

Então, se você realmente quer acabar com as fake news, mude você. Pare de repassar informações que recebe, sem antes dar uma pesquisada se aquilo é real ou não. Por mais bobo que seja, por mais inocente que pareça ser. Principalmente em ano de eleição, em que deveremos ver muito as redes sociais servindo como instrumento desinformativo.

Vivemos em uma época em que podemos ter toda a informação da humanidade na palma da nossa mão (literalmente). Então use isso da forma positiva, se educando e buscando aprender cada vez mais. Porque ser preguiçoso e deixar o aplicativo pensar por você não levará ninguém a lugar nenhum.

Tags
Mostrar mais

Ale Salvatori

Applemaníaco desde 1995, quando precisou aprender a usar um Mac em uma semana para conseguir um emprego em uma agência de publicidade. Acha que a Apple não é mais a mesma depois da saída do Gil Amelio.

Artigos Relacionados

  • Kareka_almeida

    Tinham que implementar uma ferramenta de reporte de spam. O cara que for spamer fica sem whatsapp.

    • Gabriel Evangelista

      Como faz pra que os desenvolvedores do WhatsApp veja, isso?? Com certeza iria minimizar MUITO a Fake News.

    • hecnpo

      Já existe a opção “Bloquear e Denunciar spam” quando recebemos mensagem de alguém que não está nos contatos.

      • Kareka_almeida

        Eu sei. Mas tinha que ter uma que funcionasse em grupos. E sei também que certamente seria mal usada por pessoas de má fé. =(

        • Daniel Barretog

          O problema é que mesmo que derrubemos um número, nada impede essa pessoa de repassar essas notícias de outro

          • Kareka_almeida

            Ahhhh, mas no segundo/terceiro número perdido o cara pensaria pelo menos um pouco no “trampo” que dá ficar trocando de número toda hora… =)

  • Jeff

    Excelente post, um verdadeiro serviço para a comunidade. Parabéns ao Bdi

  • Filipe Lázaro

    Esse “Encaminhada” é um pé no saco.

    • Vinícius Viegas

      Qual o problema?

    • Leonardo VimpriO

      WhatsApp é uma ferramenta de grande importância no comercio amigo, vendedores de carro, corretores de venda e aluguel, autônomos e milhões mais usam para trabalhar diariamente. Por mais impressionante que pareça não é só pra bom dia, boa tarde e nudes.

  • Esse encaminhada é uma melvis qdo vc manda a mesma coisa pra duas ao mesmo tempo hahaha

  • Ultimamente vocês andam transmitindo opinões através de uma linguagem bem negativa, uma boa matéria mantém a neutralidade para que o leitor tire suas próprias conclusões, mas claro, é uma ideia, o site é de vocês e podem fazer como preferirem, “os incomodados que se mudem”, maaaaas propor mudanças de comportamento utilizando frases como “incapacidade das pessoas em usar o próprio cérebro” não torna quem escreveu mais instruído do que quem cria essas fake news, só acho

    • Vinícius Viegas

      Não existe neutralidade. Todo texto de uma maneira ou outra mostra o ponto de vista de quem o escreveu.
      Além disso, quem repassa fake news efetivamente está deixando que outra pessoa pense por si, logo, não está usando o cérebro.
      Só acho…

      • Não existe neutralidade? Pensar assim é se conter com o “não consigo, logo não existe”. E concordo com seu ponto de vista sobre quem repassa fake news, mas mantenho o meu sobre escrever um artigo de forma negativa hehehe.
        Obrigado pelo debate

        • Me parece que você basicamente está dizendo que este site não tem direito de dar opinião (que aliás é a tag do post). Aí eu me pergunto: por que você não quer que outras pessoas exprimam sua opinião?

          Se você acha que repassar uma informação que se recebe sem antes averiguar se há algo de verdade naquilo seja um ato de inteligência e que é preciso usar o cérebro para isso, por favor, argumente, mostre em qual ponto esta parte do texto está incorreta. Estamos todos aqui para aprender e adoraríamos ter esta oportunidade com você. Mas se sua intenção é apenas menosprezar o texto porque talvez você tenha se sentido agredido com ele (sei lá, talvez você seja um que goste de encaminhar coisas que recebe), então aí é algo que você terá que refletir consigo mesmo. Porque discordar do texto só porque não gostou do que leu não faz você ter razão.

          • Sobre expor opiniões, tenho nada contra, só procurei pontuar como está sendo feito.. Digo, é diferente a forma de debater (como estamos fazendo), eu poderia ter atacado o autor, procurado ser neutro ou dito coisas como “adorei o que você disse, mas…” (forma positiva), entende!?
            Reconheço que vocês são um blog e acompanho vocês há anos, mas venho percebendo isso mesmo sabe.. Valorizo as relações humanas e é por isso que escrevi esse comentário. Obrigado pelo retorno 😀

            • Vinícius Viegas

              Eduardo, não existe neutralidade mesmo o jornal que tu consideram aos neutro, ainda defende o ponto de vista da diretoria. O próprio ato de escolher a notícia A para publicar e não a B (até mesmo por não uma er espaço para as duas) é um ato não neutro.

            • Repetindo: não to desconsiderando opiniões, só a forma como ela é feita, até porque estou dando uma através do meu ponto de vista 😉

        • KGB07

          Vc acha mesmo que existe neutralidade em qualquer ação humana?

          • Sim uai.
            Se negativa haverá conflito,
            Se neutra todas as partes absorvem conhecimento,
            Se positiva favorece uma opinião.
            Já fui de crer que as pessoas “não tem jeito” mas não é verdade, uma das provas é essa situação aqui, as pessoas que responderam o que eu disse não me atacaram, apenas mostraram seus lados, assim como eu também fiz >.<

            • KGB07

              Essa sua resposta já carece de neutralidade. Neutralidade absoluta NÃO existe. Qualquer ação humana estará baseada em uma série de fatores que vc pode chamar de subjetividade, história de vida, inconsciente ou seja lá o que for. Eu sou psicólogo e vou puxar essa discussão pro lado teórico, mas o que eu vou falar aqui não pretendo, de maneira nenhuma, que vc entenda como uma falácia de apelo à autoridade. Max weber, considerado um dos pais da sociologia, dizia que a realidade é muito ampla, muito grande. Então ninguém conseguiria dar conta de toda a realidade. Dessa forma qualquer pessoa que pretendesse falar, aprender ou entender determinada coisa precisaria fazer um recorte dessa realidade, reduzindo, de forma que aquilo pudesse ser capturado. O simples fato de se fazer esse recorte já implica na impossibilidade de haver neutralidade. Não existe opinião neutra, bem como penso que não existe qualquer ação humana neutra.

            • Muito interessante, adorei sua explicação. O que entendi foi que a partir do momento que há uma expressão, obrigatoriamente houve uma fragmentação da realidade que foi interpretada considerando as vivências da pessoa, é por ai!? Bacana meu 😀
              Só o que eu disse mesmo, quando li “não sabem usar o cérebro” pensei “osh meu, pra que escrever assim?” entende!? haha. Obrigado pelo retorno

    • Vinicius Alves

      O nome disso é artigo de opinião cara. Reflete a opinião do redator, e não do público do site (apesar de concordar plenamente com tudo o que está escrito ali). Todo jornal desde 1800 e bolinha tem isso pelo menos uma vez na semana. 😉

      • hahahaha eu entendo, agora to aqui pensando “nossa quem lê meus comentários pensa que eu me doí e to atacando” kkkkkkkkk

  • Vinícius Viegas

    É possível ter mil pessoas em um grupo?

    • hecnpo

      Não, no WhatsApp o limite é de 256 membros.

      • willianfrancas

        Acabei de sair de um grupo no qual se iniciou com mais de 300.

        • hecnpo

          Eu sou ADM de 4 grupos de WhatsApp, amigo. O limite é de 256 membros. Se duvida de mim consulte o próprio Q&A no site do WhatsApp.

          • KGB07

            Teoricamente o limite é 256. Porém, por alguma falha, se a pessoa tentar entrar em algum grupo através do link de convite o whatsapp acaba “aceitando” grupos com bem mais de 256. Posso mostrar vários aqui que participo e que os 256 foram ultrapassados.

          • willianfrancas

            Em momento algum eu disse duvidar de você.
            Parabéns pelo cargo de ADM.
            Não precisarei realizar a consulta ao “Q&A” pois pelo comentário do @KGB07:disqus logo abaixo, já fica comprovado!

            • hecnpo

              comprovado kkkkkkk

  • Duxiaoan

    Muito obrigado por este texto!
    Há tempos eu esperava uma matéria tão bem feita como essa sobre o assunto.
    Eu sigo o BDI desde que comprei meu iPhone 3G, eu entro no blog “todo dia”. Eu já devo ter lido pelo menos 80% do que já foi publicado.
    Este é um dos melhores posts do blog ever!
    Parabéns iLex pelo bom senso que vc tem, eu concordo com cada letra desde texto.

    Muito obrigado por sempre nos dar conteúdo de qualidade para ler sobre tecnologia!

  • macjulius

    Pior de fake news, só as mensagens de bom dia com gatinhos e glitter kkkk (brincadeira)

    • KGB07

      Pô velho! Com certeza. kkkkkk eu consigo ser mais tolerante com as fake news do q com os gatinhos e glitter

    • Alexandre Pinho

      Eu concordo demais! Kkkkkkkkk

  • Milton

    Diria Einstein: “Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana.”

    Não tenho esperança que isso vá mudar… as pessoas são incapazes de fazer uma simples busca no Google (que em geral está na primeira página) para ver se aquilo é verdade ou da autoria correta, etc.

    • Vinicius Alves

      Paradoxal isso. 🤔 (eu entendi a ironia)
      Só pra deixar claro, Einstein não acreditava que o universo era infinito, apesar de ter criado a constante cosmológica que dizia que sim, e acabou que até essa constante dele estava certa também, sem nem ele acreditar nela.

  • Paulo Roberto

    [Por exemplo, agora, quando você repassa algo que recebeu de alguém, aparece no topo da mensagem a palavra “Encaminhada“, deixando claro que aquele texto não é seu.] Esse texto pode ser meu sim. Escrevo em um grupo ou privado e encaminho para outros, quando faço isso aparece na conversa “Encaminhada” mesmo sendo eu que tenha escrito.

  • Vinicius Alves

    Culpar os mensageiros pelo envio de fake news faz tanto sentido quanto culpar o correios norte americano por ter enviado cartas contendo bactérias do Antraz em 2001. Não tem cabimento nenhum.
    Parabéns iLex, pela matéria. Gosto muito dos artigos de opinião do blog.

    • Marcio Rodrigues

      Concordo plenamente, inclusive é o mesmo que dizer que as armas matam.

  • Matheus Kautzmann

    Não acho que essa feature do WhatsApp tenha a ver com fake news. Acho que “venderam” isso errado. É um simples indicador de encaminhamento de mensagem. No entanto, posso questionar: O desenvolvedor de aplicativos deveria mesmo tentar resolver o problema de fake news? Estando no lugar do Facebook, eu iria preferir não me intrometer nesse tipo de situação. Deixaria isso claro nos termos de uso. Tentar regular isso através de algoritmos só cria novos problemas.

  • Richard

    podiam implementar é a opção de deixar o WhatsApp offline pra mensagens ! aí ia ficar maravilhoso.

  • ricardopilatti

    Não é o aplicativo que precisa mudar e implementar esse tipo de função. São as pessoas que precisam aprender a ter noção e bom senso das coisas!

  • Chico Stopassola

    Parabéns pelo excelente texto!!!! Como sempre, o Blog do iPhone ajudando a sociedade, porém, imagino que as mesmas pessoas que “não usam o cérebro” acabam por não compartilhar ou entender esta ideia… pra estas pessoas não existe Fake news!!!

  • Jhow NM

    Eu acredito que de uma maneira simples o Whatsapp conseguiria fazer muito mais nesse sentido. Por exemplo por dar autoridade pra Adms de grupos apagarem msgs para todos naquele grupo. Quando por exemplo alguem manda coisas impropias num grupo de familia ou espalha fake news o adm pode apagar a msg e não depender somente da pessoa. E outra coisa seria poder marcar msgs específicas como spam e não um contato. O único problema nesse último é que seria necessario autorizar o Whatsapp a ler a msg o que num é legal e bem seguro…Mas o bom mesmo seria o ser humano ter pelo menos um certo grau de discernimento e inteligência…

  • Leonardo VimpriO

    Nova atualização do WhatsApp com a integração da Siri iLex, vai ter post?

  • Marcio Rodrigues

    Excelente publicação. Bom, a julgar pelo meu pai, ele é um espalhador de fake news do cara*ho, e ele não é bem um ignorante, conhece muito bem sobre leis, o grande problema é que ele de fato acredita nas porcarias que ele recebe através de uns grupos que ele participa. Por acreditar piamente, ele sequer se dá ao trabalho de consultar as fontes, e olha que já tentei ensina-lo diversas vezes. No fim das contas, de tanto eu desmentir os compartilhamentos dele, hoje não conversamos mais nada sobre política e religião.
    Isso que o WhatsApp fez realmente não tem a menor probabilidade de ser útil contra as notícias falsas, até porque muitas dessas notícias vem escrito “repassando…” ou “repasse para seus amigos, não podemos deixar que isso aconteça…”.

    Na minha época de adolescente essas farsas eram chamadas de HOAX.