Opinião

[opinião] Steve Jobs não queria uma stylus, mas isso não tem nada a ver com o Apple Pencil

Artigo originalmente publicado na edição 20 da Revista iThing. Texto de Marcus Mendes

Como todos vocês sabem, a Apple apresentou esta semana o novo iPad Pro, e com ele um novo lápis digital (o Apple Pencil) que servirá para desenhar e rabiscar na tela do novo aparelho, sem necessariamente ter que usar o dedo.

Não demorou muito para o Esquadrão da Memória Seletiva aparecer por aí relembrando uma frase dita por Steve Jobs durante o evento D8 da AllThingsD, em 2010: “Se você precisa de uma stylus, você já começou errado”. Mas o que ficou de fora, pra variar, foi o contexto.

Esta frase foi pinçada do meio de uma resposta a respeito da estratégia que a Microsoft vinha empregando nos últimos 10 anos com seus tablets. O contraponto ali era muito claro: uma tela sensível ao toque humano é muito mais prática de se operar do que uma interface que você só consegue mexer com a ajuda de uma stylus.

E hoje sem dúvida isso segue como uma verdade absoluta. Imagine só se o iPad fosse operado só por meio de uma stylus, sem qualquer recurso de toque. Eu estaria escrevendo este texto de forma cursiva, e torcendo para o software interpretar cada palavra corretamente, em um processo que levaria muito mais tempo. Coisa de maluco.

Esta não foi a primeira vez que Jobs falou mal das canetinhas. No início de 2007 ele disse:

Quem quer uma stylus? Você tem que pegar, depois guardar, elas somem… Eca. Ninguém quer uma stylus.

Jobs Stylus

Novamente, contexto: vamos voltar no tempo, para o dia em que o iPhone foi apresentado. Até o início daquela manhã, a ideia de um telefone remotamente parecido com o iPhone era tema de filmes e livros de ficção. O mundo estava acostumado com os smartphones da época, com teclados físicos e stylus para tocar diretamente na tela. E pouco a pouco, camada por camada, Jobs foi apresentando o iPhone e mostrando como era revolucionário. Primeiro, o telefone não tinha um teclado físico. Segundo, a tela era sensível ao toque. Terceiro, não seria operada por uma stylus, mas sim com os dedos.

Jobs promovia ali a solução da tela sensível ao toque como uma maneira muito mais prática e menos trabalhosa de interagir com um telefone do que com uma stylus. Simples assim. E o que ele disse era tão verdade, que virou padrão no mercado inteiro.

Apple Pencil

Agora vamos responder à pergunta de Steve Jobs. Quem quer uma stylus? A resposta é simples: muita gente! Milhões de desenhistas, diretores de arte, engenheiros e arquitetos (para nomear algumas profissões) utilizam uma stylus diariamente ao redor do mundo.

Antes de tablet ser sinônimo de iPad, esta palavra era usada para designar as famosas mesas digitalizadoras de marcas como a Wacom, em que uma caneta faz o papel de mouse, permitindo muito mais controle e abrindo infinitamente o leque de possibilidades de interação. Existem algumas que além de identificarem a pressão do toque, também identificam inclinação, direção, etc. Tudo isso para ajudar artistas e profissionais a conseguirem reproduzir exatamente o que fariam com canetas e pincéis reais.

Esta é uma categoria de produtos feita para todos? É claro que não. É algo bastante específico, para uso sobretudo profissional. No entanto, com a chegada de apps de desenho na App Store, era só uma questão de tempo até que canetas digitais compatíveis com eles chegassem ao mercado. O caso mais famoso é o do app Paper, da empresa FiftyThree, que vende uma stylus chamada Pencil, feita especificamente para seu app.

E o que isso tudo tem a ver com a Apple? É simples: o iPad Pro é voltado para estes profissionais que encontraram no tablet da Apple uma nova forma de trabalhar. À medida que apps de desenho, de arquitetura, de engenharia proporcionam aos profissionais de suas áreas uma nova forma de realizar suas criações, eles adotam estas novas ferramentas e abraçam suas inovações. Por que deixar de investir nisso, só porque Steve Jobs disse há quase 10 anos que achava canetas digitais pouco práticas?

A stylus é apenas um de infinitos exemplos de frases antigas de Steve Jobs sendo usadas para tirar sarro de decisões atuais da Apple.Quando o primeiro iPod compatível com vídeo foi lançado, o Esquadrão da Memória Seletiva não mediu esforços para desenterrar um episódio em que Steve Jobs havia defendido que a tela do iPod era muito pequena para rodar vídeos. E enquanto esse pessoal ria da contradição sem ganhar nada com isso, a Apple ganhava rios de dinheiro com aluguel de filmes e séries na iTunes Store.

Mudança faz parte da maturação no ciclo de vida de qualquer produto, pois os próprios usuários mudam a forma como eles interagem com o produto. Arrisco dizer que sem o iPod e o iPod Vídeo, dificilmente teríamos iPhones e iPads hoje em dia. E tenho absoluta certeza de que todo o conhecimento adquirido com os anos que a Apple passou vendendo iPods com telas pequenas está sendo aplicado hoje em dia no Apple Watch.

Quer mais uma contradição? Lá vai: Steve Jobs achava terrível a ideia de um iPad pequeno. Em incontáveis oportunidades ele afirmou que eles eram um erro, e cada uma delas foi relembrada (mais uma vez!) pelo Esquadrão da Memória Seletiva quando a Apple anunciou o iPad mini. E sabe o que aconteceu? Existiu um momento em que o iPad mini vendeu mais do que o iPad normal. Novamente, na época de lançamento do primeiro iPad, não fazia sentido um iPad pequeno. Ninguém nem sabia se o próprio iPad fazia sentido! Mas conforme os hábitos de uso foram se estabelecendo, a situação mudou, e novamente a Apple soube corrigir o curso para não deixar dinheiro na mesa (ou no bolso dos concorrentes).

É impossível viver com regras imutáveis. Nós não ouvimos as mesmas músicas que ouvíamos há 10, 20, 30 anos. Não vemos os mesmos programas de TV, não gostamos dos mesmos tipos de filmes, e não consumimos os mesmos produtos que consumíamos antes. Quando o assunto é hábito de consumo, é burrice utilizar um discurso do passado para insinuar uma contradição do presente. Aliás, esta é uma boa lição para tudo.

É burrice utilizar um discurso do passado para insinuar uma contradição do presente.Quem conhece a historia de Steve Jobs, sabe que ele mudava de ideia diariamente. Se ele achava uma coisa em um dia, ele achava outra coisa no outro. Ideias que ele achava ruins passavam a ser geniais sem motivo aparente. Coisas que ele dizia serem ultrapassadas passavam a ganhar seu foco da noite para o dia. E esta mudança constante de opinião foi tão determinante quanto o pulso firme na hora de tomar uma decisão sem medo ou vergonha de cair em contradição.

Muito antes de iPhones e iPads, antes mesmo da Apple ser fundada, existia um cara que costumava dizer que era preferível reavaliar seus conceitos para se adequar às mudanças do mundo do que passar toda a sua existência com as mesmas opiniões engessadas e inevitavelmente ultrapassadas. E todos os críticos da Apple poderiam beber um pouco da fonte dessa Metamorfose Ambulante que se mostra, repetidas vezes, a melhor estratégia para dar certo nos negócios.

E na vida.

Tags
Mostrar mais

Revista iThing

Artigo originalmente publicado pela Revista iThing e gentilmente disponibilizado para os leitores do Blog do iPhone.

Artigos Relacionados

  • Jayme Prado

    Quem vem com mimimi agora por causa do que o Jobs disse em 2007 ou só quer encher o saco e ter do que reclamar ou realmente não para pra pensar qual o propósito de cada coisa. É fácil discernir: em 2007, quando ele falou mal das stylus era no sentido de como elas eram usadas, como principal meio de interação com o sistema. O novo Apple Pencil é um acessório para usos profissionais e/ou específicos, é um acessório extra, algo pra acrescentar, e não mudar o que já está perfeito ou se contradizer.

    • Gabriel

      O contexto de quando ele disse isso (2007) era que os poucos aparelhos “touchscreen” eram os Palms, e ele precisava da stylus para você interagir com o aparelho.
      Eu lembro que o meu pai tinha um, que você precisava desenhar cada letra individualmente com a stylus numa parte abaixo da tela (na época era incrível) e não reconhecia o dedo.
      Mas quando saiu o iPhone sem a necessidade da stylus foi uma grande revolução.
      Hoje, o propósito do Pencil é outro – focado na criação de conteúdo, e não no consumo deste.

      “The times they are a-changin’.”

    • Jonathan J.

      concordo. Ninguém vai ser obrigado a trocar o dedo pela caneta. Usa a caneta quem achar necessário, os profissionais… e acredito que muita gente aguarda ansioso por ela.

    • Não esquecendo que em 2007, os celulares não tinham tela capacitiva… Eu tive um Samsung Jet que não utilizava stylus e não era capacitivo. A “caneta” naquela hora fazia muita falta pois era difícil digitar, passar páginas e fotos com o dedo fazendo uma enorme pressão por cima da tela. Hoje, com as telas capacitivas, não vejo a necessidade do uso de uma caneta, exceção feita pelo uso profissional desta no qual a precisão e a diferenciação de pressão de toque e inclinação fazem toda a diferença.

  • Gabriel Amaral

    Pergunta: será possível usar a stylus em outros aparelhos das Apple? Tipo o iPhone 5 ou o iPod Touch?

    • Não. Por enquanto, somente o iPad Pro é compatível.

      • Alcides Rogério de Brito

        Em 2016, no iPad Air 3; em 2017, no iPad mini 6.

        • Somos 2 🙁

          Quase comprei a creative 2, mas não achei ponta no Brasil

      • Penso que a caneta deve ser compatível com outros aparelhos, já que utiliza bateria. Se fosse destinada apenas ao Pro, a tecnologia dele não torna necessária a bateria na caneta! Falo isso porque a caneta da Cintiq não utiliza bateria e minha Wacom Creative Stylus 2, sim.

        • Vinicius Alves

          Torna necessário sim, pois quem diz a inclinação e a pressão aplicada é a caneta, e não o iPad.

          • As canetas da Wacom funcionam com indução de energia. Assim elas não precisam de bateria e continuam conseguindo fornecer para o tablet a pressão e inclinação da caneta.

            @bcayres:disqus, eu acho que o lance aqui é que o iPad Pro precisa de algumas diferenças no hardware para fazer a caneta funcionar. Por exemplo, ele sabe quando você está usando o dedo ou a caneta, e consegue escanear a tela até 2 vezes mais rápido ao usar a caneta, para melhorar a precisão do desenho. Isso é imprescindível, e os outros aparelhos ainda não são capazes disso.

            É claro que é uma estratégia da Apple. Acho que eles poderiam ter lançado uma nova versão do iPad Air para ser compatível com a caneta. De qualquer forma, considerando que o foco é uso profissional, faz muito mais sentido usar a nova ferramenta em uma tela maior.

      • Gabriel Amaral

        Será que o “reconhecimento” dele se dá no próprio aparelho ou pelo iOS? Se for pelo iOS pode ser que nunca futuro haja a possibilidade ne?

      • lfdorileo

        n seria só com 3d touch

  • Melissa Cortez

    Excelente texto!

  • Ricardo Leme

    Muito bom o texto. Pra quem trabalha com design, esse ipad pro com a caneta é praticamente um sonho.

  • Hugo Borges Schunke

    Parabéns!!! Que bom que tem pessoas que não pensam com maldade sobre a Apple sou fã da marca e já tive a época que ódiava a mesma. Com o tempo aprendemos a corrigir erros e acerta-los hoje sou fã da mesma e possuo quase todos os produtos que estão à venda. Corrigir um erro mudar de opinião é questão de evolução.

    • Arlindo Neto

      Como sinto raiva de meu passado falando mal da Apple, só quem nunca teve o prazer de ter produtos e usar o ecossistema da Apple fala mal. Mas a culpa é dos blogs de tecnologia em geral que adora publicar que o iPhone tem um hardware 5x mais fraco que os do concorrente, a ama achar algo para falar mal da Apple.

      • Thiago Martins

        Acho que o maior problema aqui é o preço, pois é associado e realmente consumido como STATUS. Em outros países, os preços dela são bem coerentes e competem diretamente com as outras marcas, eliminando um pouco essa parte do status… acho que isso torna mais fácil a aceitação, até por que, sempre tem um invejoso que fala mal só por que não pode comprar (por ser caro).

      • Analogia idiota mas vai bem em comparação: não adianta ter um instrumento grande e usar mal!

        O que importa é a experiência rs ):)

  • Victor Alves

    Uau, que texto! Muito bom mesmo, tudo tem o seu momento, tudo tem a sua hora. Hoje uso roupas que nunca usaria 10 anos atrás, hoje ouço músicas que nunca ouviria 10 anos atrás e por aí vai… E estou contigo Marcus, eu também “prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.”

  • Carlos

    Meus parabéns pelo texto. Ultimamente falar sobre tecnologia (e principalmente Apple) na internet tem sido impossível. Pessoas cegas e convictas das suas próprias verdades como se fossem universais procuram todo e qualquer

  • Ale Campos

    Belo texto!!! Acho essencial para alguns profissionais o uso da caneta…sem falar que seria para realizar trabalhos específicos e não pra uso geral…Não adianta argumentar com quem não vê além do umbigo.

  • Walter Júnior

    Não preciso nem comentar o teor do artigo. Apenas parabenizar pelo excelente texto!

    Muito difícil nos dias de hoje ler um artigo com tanto capricho no uso gramatical!

    Parabéns.

  • Pergunta: Já tem outro edição da revista?

    • Curioso com o teaser da capa, né? 🙂
      Sairá nos próximos dias, só estamos atualizando com as novas informações divulgadas ontem.

  • Juliana Rosolem de Sousa

    O que eu vejo é que mais uma necessidade foi criada, espertamente. Quem acha o ipad limitado pra certas atividades, não vai mais achar… e nisso a apple continua a frente, quem mais faz um tablet parecido?

    • Cowboy Up

      Microsoft com o Surface a mais de 3 anos…

      • Estanislaw Duarte

        kkkkkkkkkkkkkk Muita explicação pra um acessório que foi lançado como um “diferencial”, e na verdade não é.

      • Gustavo Rezende

        Sobre o Surface, falando com um colega após a Keynote eu perguntei se ele conhecia, ele disse q não, expliquei o q era e ele disse “ué, mas é igual ao iPad Pro”, então eu disse q o conjunto tablet + caneta podia lembrar, mas q a experiência do usuário era completamente diferente.

        E aí, você conhece o Surface? Já pegou em um? Conhece alguém que tem?

        E o iPad, quantos já viu ou sabe quem tem?

        Aquela velha estória, outros fabricantes lançam um produto que não te dá muita vontade de comprar, então não emplacam, daí vem a Apple reinventa este produto e o faz “direito”, o promove como ninguém, cria uma necessidade que o consumidor nem sabia que “tinha” e o produto vira um sucesso de vendas.

  • Anderson Campos

    Só uma perguntinha: alguém sabe que app é aquele da apresentação do iPad Pro que fala dos planetas????

  • CHC

    Parabéns pelo excelente texto!
    Agora uma curiosidade, gostaria de saber se lá em 2007 quando Jobs apresentou ao mundo o revolucionário telefone celular, havia especulações antes da famosa apresentação do tal iPhone ou tudo foi uma tremenda surpresa.

    • Desde a segunda metade de 2006 se falava muito em um possível telefone da Apple. Não se sabia o nome ainda, principalmente porque a marca “iPhone” (nome lógico depois do iMac) já era patenteada pela Cisco.

      Taí um bom artigo para a iThing. 😉

  • Cassio Delmanto

    eu entendo todos os lados… desde o lado da evolução da própria Apple e de seus produtos, como daqueles que estão dando risada agora… afinal, o Steve Jobs sempre gostou de jogar suas opiniões fortes na cara dos outros… hahaha… mas o site esta certíssimo em apontar o contexto das coisas… e outra, o Steve Jobs morreu… hahaha… ele não administra a empresa mais, e assim, seus posicionamentos fortes contrários a várias coisas inevitavelmente ficaram para trás… a Apple já superou isso, os fanboys da marca já superaram isso, só falta os haters…

  • George Soares

    Eu vou até um pouco mais longe … Antes de tudo quero dizer que sou um Apple maníaco , pra não me entenderem mal .
    A Apple não é uma empresa que inventa produtos . A Apple é uma empresa que “reinventa” produtos ! Ela não inventou um celular , ela não inventou um player de música , ela não inventou um tablet , nem TV nem um relógio . Ela é expert em vender experiência incríveis ! A Apple não vende produtos , vende uma nova experiência no qual a gente nunca mais queira olhar pra trás . As concorrentes da Apple vendem produtos , a Apple vende uma nova experiência em usar um produto . Essa é a grande diferença da Apple para as demais empresas .

  • Paulo Fontana

    Contexto é tudo, meu!

  • Paulo Fontana

    Só pra ilustrar como Steve Jobs costumava rever seus conceitos: antes de chegar ao mercado, ele chegou a rejeitar o nome iPod para os players da maçã. O nome criado por um publicitário ficou na pilha de rejeitados por um bom tempo… Mas depois de alguns dias amadurecendo a ideia… Bom, você já sabe.

  • Pedro Henrique

    Concordo. O contexto mudou e o Jobs morreu. O passado não pode se sobrepor ao presente e futuro.

  • Produto feito para pessoas que gostam de desenhar como eu. Pelo visto as atualizações do iPad serão diferentes do iPhone: iPad Air 2 – 2014 > iPad Pro 2015 > iPad Air 3 2016 > iPad Pro 2016 e por aí vai. Quem já tem um iPad e não se interessa nas áreas de desenho, arquitetura e similares nem tem muito porque trocar por este novo. Eu me sinto obrigado a fazê-lo depois de ter experimentado dezenas de Stylus no mercado. Assim que tiver o meu iPad Pro, farei o tão prometido vídeo falando sobre cada um dos principais apps de desenho com seus prós, contras e como interagir com os menus. Será bom pra testar o desempenho da Apple Pencil em cada programa. Ah sim, senti falta dos dois botões de undo/redo que estou acostumado a usar, talvez num futuro modelo. Quem sabe vira outra matéria como fiz aqui no passado para o bdi! 😛

    A imagem em anexo foi feito no iPad Air 2 pra testar os limites que ele aguentaria em Vetores, acredite tem centenas e centenas em gotas. Pesou mas o aparelho aguentou.

    • Estamos com saudades dos seus artigos. 🙂

      • Quando tiver tanto o Pro quanto o Pencil faço uma matéria com o desempenho e o tal vídeo. De bônus farei fogueira com a Intuos Creative Stylus 2 da Wacom e as demais que me irritaram.

        • Alcides Rogério de Brito

          Posso mandar as minhas canetas para se juntarem às suas na fogueira?

          • Haha! Eu esperava há muito por um anúncio de uma caneta da própria Apple, quando vi gente criticando o anúncio me deu certa indignação. Farei fogueira nem que seja digital mas estará no vídeo rsrs!

    • Rob Simões 

      Qual app e qual stylus usou para fazer esse desenho? Ficou muito bom. Foi o iPad Air 2 mesmo?

      • Muito obrigado, usei o iDraw que é específico para vetores. Esse em particular deu muito, mas muito trabalho para concluir, por pouco não desisti (veja logo abaixo a versão “wire frame” dele. Nesse caso a Stylus é irrelevante pois não há sensibilidade de pressão para o desenho. De qualquer forma usei a Intuos Creative Stylus 1 velha de guerra que tenho mas poderia ser qualquer dumb stylus para vetores.

        • Rob Simões 

          Nossa. Parabéns mesmo. Que trabalheira. Tenho um iPad Air 2, tenho o iDraw e vários apps de desenho, tenho várias Styli, mas não tenho o principal, que é esse talento que você tem.

          Imagino que com o iPad Pro e o Apple Pencil você vai ARREBENTAR! Podia fazer um site com uma galeria com seus desenhos.

          • Obrigado meu caro! Você tem a faca e o queijo na mão, sugiro que se gosta não pare de desenhar. Na verdade todos tem o dom do desenho mas todos param na infância por falta de apoio seja dos professores ou dos pais. Como dizem, se você desenhar uma casa com árvore e montanha ao fundo verá que é seu traço de infância “congelado” no tempo. Se treinasse desde aquele tempo estaria bem melhor hoje. Como já tem o iPad, a Stylus e o App, faça rabiscos nem que seja de vez em quando. 😉

            • Rob Simões 

              Muito obrigado. Realmente na infância eu desenhava bastante, mas com o tempo parei. Vou aproveitar o meu iPad para adquirir esse hábito novamente, mesmo que só na brincadeira.

      • E ai? Vamos de 6S? Rsrs

        • Rob Simões 

          6s Plus de 128 GB não sai por menos de 6 mil. Vamos aguardar os preços pra ver.

          • Olha amigo… a crise tá braba. Mas… eu aposto em R$ 4.299,00 ( A vista) para o 6S Plus de 128GB. Apostinha? kkkk

            • Rob Simões 

              Se for isso já está comprado. Mas creio que virá por 5.999 a prazo e 5.399 à vista.

            • Acho que não hein… mesmo com essa crise louca! Final de ano… acho que tá quase certo vir por R$ 4,2k a vista, o modelo de 128GB.

            • Rob Simões 

              Tomara. Mas não acredito. Ano passado o dólar estava bem mais baixo e à vista o 6 Plus sais por 3.960. Vamos aguardar pra ver.

              Vai querer qual cor esse ano?

            • Ah amigo, quase certeza que irei de Ouro Rosé, de… 128GB hehehe! Você tem whatsapp?

            • Rob Simões 

              Ano passado comprei o Space Gray. Esse ano, se for comprável, pegarei o dourado ou o ouro rosé. Estou decidindo ainda.

              Tenho WhatsApp sim, mas prefiro o Telegram. Inclusive participo de um grupo de tecnologia focado em Apple lá. Se quiser me adicionar no Telegram, meu usuário é @robmsimoes.

            • Eu fazia parte de um no Telegram, também. Mas sai. Eu vendi o meu Gold de 128GB… quero tentar pegar o rosé. Agora eu tô usando um 3GS e pra ele o Telegram não é compatível… :/

            • Rob Simões 

              Nossa, sair de um 6 Plus para um 3GS deve ser muito complicado hein. Não teria coragem.

            • Pois é… Ele vem quebrando meu galho desde o iPhone 5. Sempre que vendo um pra pegar outro, ele que quebra o galho… O ruim é que, muitos aplicativos que eu uso já não funcionam mais nele… Mercado Livre é um deles. :/

            • Pois é… :/

    • Clístenis Canuto

      Show a sua arte viu!? parabéns mesmo.

      • Muito obrigado!! 🙂

  • Sergio Ito

    Apenas passando para parabenizar o excelente artigo.

  • Joel Lopes

    Acredito que Steve Jobs sempre se referiu ao fato de ninguém querer ser obrigado a usar uma Stylus como ferramenta única para utilizar uma tela de toque. À época, todas telas resistivas utilizavam uma Stylus obrigatoriamente para funcionar de forma satisfatória. Ele apresentou uma nova tecnologia que não necessitava de Stylus, mas não tirou o mérito de quem a necessitava de forma secundaria. Hoje, o iPad funciona muito bem com os dedos, mas possui uma bela “Stylus” para quem precisa. Mas ninguém é obrigado a usá-la.

  • Alex

    Volto a perguntar. Alguma alma boa pode me informar o nome daquele software de edição de textos e imagens usado na apresentação do iPad Pro?

    • Joel Lopes

      Não ouvi o nome, mas acho que ainda não está disponível. Ou talvez seja Adobe Comp. Ele faz mais ou menos aquilo. Tente ele.

      • Alex

        Era ele mesmo. Já baixei e estou testando. Valeu!

  • Enzo Lorenzon Tosi

    Na minha opinião, o lançamento de ontem mais importante foi o iPad Pro. Ele é o maior passo dado até o momento para realizar o desejo do Jobs de migrar o uso do computador pessoal em qualquer nível para o conceito do iOS. Hoje muita gente ainda é obrigada a ter um Mac ou PC pois o iPad fica sendo limitado para muitas coisas, como por exemplo, onde se precisa manipular muitos arquivos (como programar). Ao integrar conceitos para uso profissional no iPad Pro, com tela de tamanho de MacBook, teclado físico descente e o lápis, a próxima coisa que falta para aposentar os Macs é mesclar num futuro iOS essas liberdades que temos nos computadores ou mesmo de liberar um novo OS X para iPad Pro. Com isso, imagino que as vendas dos iPads Pro futuros retornariam a melhores patamares, “roubando” o lugar de outros Macs e PCs. Com isso, todos poderiam usar iDevices para qualquer tipo de uso. Essa tendência pode ser notada nas tentativas da Microsoft com os novos Windows (embora não tenha contato com essas novas versões para comparar, elogiar ou criticar).

    Vida longa para a Apple com seu princípio de fazer direito!

  • Felipe

    Mas o preço da canetinha….

  • Gustavo Guiscem Soares

    Só não levar tudo a sério. Piadinha de vez em quando não faz mal. Stylus na tela de 3.5″ no iphone original realmente não faz sentido. Mas o sucesso da linha Note da Samsung tá aí pra provar que muita gente gosta desse tipo de interação.

  • Clístenis Canuto

    Imaginando o uso do iDraw com essa caneta…

  • Luiz Eduardo Braga

    Incrível! Ótimo artigo, Blog do iPhone sempre me surpreendendo mais e mais com essa qualidade, sou muito fã do trabalho de vocês, desejo muito sucesso sempre e que a revista de vocês cresça cada vez mais!

  • Andre Souza

    Uma coisa nada a ver com o tema:

  • Mosaniel

    À Apple acabou de liberar o beta público do iOS 9.1

  • Wallace Belo

    Sensacional o Apple Pencil!! Lembro-me de ter visto a algum tempo atrás uma patente do que seria hoje o Pencil da Apple. Pena que ele só funcione com o iPad Pro!!

  • Eu também pensei no Jobs quando o Apple Pencil foi anunciado, mais o pessoal saiu criticante sem nem mesmo ter acabado a apresentação, assim como Cook demonstrou em vídeo, o iPad Pro é mais para o mercado Corporativo, foi aí que o Pencil surgiu, para facilitar a vida de ”criadores/desenvolvedores” etc. Aliás, eu não pagaria 1029$ em um iPad só para ver vídeo no YouTube e fazer coisas que faço no iPad de baixo custo.

  • Antonio Frederico

    Uma coisa é você poder lançar mão de uma caneta pra desenhar no iPad, outra coisa é você depender dela pra tudo. A caneta nunca foi um problema pro Jobs, o problema era que as pessoas dependiam da caneta no cenário em que Jobs a criticou e isso ia contra o fato de que tocar com o dedo na tela era bem mais prático.

  • iLuk

    Será que um dia eles vao lançar uma caneta para o ipad com tela menor, pode ser até eficiente para o novo iPad Pro, mas tambem para que usa Stilus para iPad com tela de 9.7″ tambem é indispensavel, pois muitos ainda procuram versoes alternativas que executem essas funçoes..

    Fica a esperança que lançaram uma caneta com aplicabilidades nativas para iPads menores 😉

  • Sou fã da Apple, mas esse AppleSurface Pro foi, na minha opinião, o produto mais sem inspiração que a Apple lançou nos últimos anos. Pode ser que ele consiga entrar no mainstream do mercado corporativo, porém, ainda acho que um tablet com teclado continua sendo um
    Notebook capado de funções.

  • Gabriel Guimarães

    tem gente que até hoje não aceita que o jobs morreu… e não vai voltar!

  • Jefferson Soares

    A verdade é, Steve Jobs era um visionário, não vidente.

    • Gustavo Rezende

      Disse tudo!

  • JanjaBoy

    Eu continuo ouvindo as mesmas músicas que ouvia há 10, 20, 30 anos e, as mais novas também. 😛

  • Alex iPilot

    Penso ser absolutamente saudável, louvável, reconhecer o erro e mudar de opinião… Mas o que eu acho curioso e engraçado em alguns textos de fãs é dizer que a primeira opinião estava certíssima e que a segunda, oposta, está “mais certíssima” ainda, rsrsrsrs…

  • Walter Viana

    SEMPRE mude de idéia, quando a nova for melhor! Simples assim.

  • KB

    Excelente texto. O fato de ter um lápis digital é para atender a necessidade de um nicho que precisa de ‘algo mais’ para tornar o seu iPad mais produtivo em sua área. Este iPad como o nome diz, é focado aos Pros. Quem tem o Air, ou Mini e não precisa deste tipo de uso para design, desenho, etc, não tem necessidade de comprar este iPad.
    E além do mais, em nenhum momento o Apple Pencil substituiu o dedo, apenas agregou funcionalidade.

  • Marcelove

    “Quando o primeiro iPod compatível com vídeo foi lançado, o Esquadrão da Memória Seletiva não mediu esforços para desenterrar um episódio em que Steve Jobs havia defendido que a tela do iPod era muito pequena para rodar vídeos. E enquanto esse pessoal ria da contradição sem ganhar nada com isso, a Apple ganhava rios de dinheiro com aluguel de filmes e séries na iTunes Store.

    Nossa. O site conseguiu se superar com este post/opinião.Keep calm Marcus Mendes e…….

  • Jean Lavallé

    Bonito artigo. Pena que tentou distorcer o fato de que: várias vezes a Apple levantou bandeiras dizendo NUNCA SERÃO! (Tropa de Elite), e depois diz “pensando bem…”. Jobs infelizmente na área de marketing não era o seu forte. Ah, ele se adaptou. Então não diga nunca, pois estará sendo desleal com seus clientes.