Curiosidades

“Dia Tim Cook”: equipe do Waze comemora todos os anos o fracasso do Apple Maps

Uma das maiores mancadas da Apple dos últimos anos foi, sem dúvida, o episódio dos Mapas. A lambança foi tanta, que Tim Cook veio a público pedir desculpas e sugerir alguns aplicativos alternativos para que os usuários não se perdessem pelo caminho.

Uma destas sugestões foi o Waze, que a partir daquele momento ganhou projeção mundial e cresceu tanto que foi adquirido pelo Google no ano seguinte. Graças àquela carta de desculpas, os funcionários do Waze comemoram até hoje o dia 28 de setembro como sendo o “Tim Cook day”, pois aquele dia se mostrou um verdadeiro divisor de águas para a empresa.





A curiosidade foi revelada em uma entrevista do CEO do Waze, Noam Bardin, para o Business Insider.

Apple Maps desastroso

A ideia até era interessante: criar um sistema próprio de mapas, para não ficar dependente do Google, em uma época que Steve Jobs tinha declarado uma “guerra termonuclear” (palavras dele) contra o gigante da internet.

Os aplicativos de mapas e do YouTube eram ainda os únicos remanescentes de apps nativos do iOS feitos pelo Google. Isso fazia, por exemplo, com que os mapas para Android fossem muito mais avançados e cheios de recursos que os do iPhone, de propósito. O Google boicotava o iOS, para criar vantagem competitiva em seu próprio sistema.

Claro que a situação ficou insustentável e era preciso uma alternativa urgente. Por isso, a ideia de criar seus próprios mapas, com mais recursos e melhorias, parecia excelente e deixaria a Apple independente do “inimigo”.

Para ajudar no projeto, a Apple contratou a base de dados de duas outras empresas já experientes nisso: TomTom e Waze. Isso tornou possível um rápido mapeamento de boa parte do planeta.

O problema todo foi a execução desta ideia. Montar e detalhar um sistema de mapeamento mundial não é uma coisa nada fácil. O Google se estabeleceu neste mercado depois de anos e anos, lutando com fortes concorrentes como Microsoft e Nokia. Querer implementar, do zero, novos mapas de um ano para outro parecia ser uma coisa fora da razão, até mesmo para a Apple. A chance de não dar certo parecia tão óbvia que nós mesmos comentamos aqui sobre isso uma semana antes da Apple apresentar a novidade.

O erro de Tim Cook e sua equipe foi fazer a transição de forma abrupta e agressiva. De um dia para o outro, os milhões de usuários de iPhone e iPad que tinham atualizado o sistema ficaram sem o Google Maps (que na época não tinha aplicativo separado), ficando como única opção um aplicativo com mapas novos e inacabados em diversas regiões. As autoridades da Austrália e Reino Unido chegaram a sugerir que os cidadãos não atualizassem para o iOS 6, pois os mapas estavam traçando rotas erradas.

Qual teria sido a maneira correta? Não eliminar de cara o aplicativo do Google e implementar aos poucos os novos mapas no iOS, deixando-os conviver por um determinado tempo e fazendo os usuários migrarem conforme fossem vendo que era melhor. E em alguns pontos, os Mapas da Apple eram sim melhores, principalmente no interior do Brasil (leia: Comparações entre mapas da Apple e do Google no interior do Brasil) e no fato de poder visualizar em modo off-line (algo inédito no iOS na época).

Impulso para o Waze

Até então, o Waze era um aplicativo simples, feito em Israel, que tinha a proposta exótica de compartilhar informações entre os usuários para determinar a intensidade do trânsito. Cada vez que alguém deixava aberto o aplicativo em seu celular, a geolocalização e a velocidade do carro eram enviadas para o servidor, que podia assim criar sua base de dados de ruas, rotas e tráfego.

Noam conta que, um dia antes do lançamento do iOS 6, ele deu uma entrevista em que dizia que os mapas da Apple ainda não estavam maduros para serem lançados como única alternativa do sistema.

No dia anterior, eu havia sido entrevistado […] e independente do que eu disse, o título estampava “Parceiro da Apple diz que os Mapas serão um desastre”.

Você pode imaginar a reação na Apple – eles obviamente não gostaram nada – mas enfim, já tinha sido dito. No dia seguinte, os Mapas foram lançados, e de repente eu fui de um extremo ao outro: de um aplicativo que poderia ser banido da App Store para “Eu vi o futuro” e “Eu sabia do que eu estava falando”. 

Tim Cook reagiu [à toda a polêmica] e emitiu uma carta em que ele pedia desculpas pelos Mapas. Ele acrescentou que até que as coisas melhorassem, os usuários podiam recorrer à Microsoft, Google e Waze. Foi o nosso grande momento nos Estados Unidos e, a partir daí, as coisas começaram a crescer e acelerar, levando à aquisição em 2013.

De fato, a partir da carta aberta de Tim Cook, muitos usuários conheceram o Waze, principalmente nos Estados Unidos, o que fez o aplicativo disparar em utilização. E todos os anos, neste mesmo dia (28 de setembro), alguns funcionários do Waze comemoram o que chamam de “Dia Tim Cook“, que mudou a historia da empresa.

O Waze foi depois vendido ao Google por 1 bilhão de dólares, mas Noam Bardin diz que deve seu sucesso muito mais à Apple do que qualquer outra coisa.

Fonte
Business Insider
Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Então vou fazer o “Waze days” pra lembrar das vezes em que ele me deixou na mão.

    • Mas lembre-se que a Google comprou a Waze e por isso que está deixando todos na mão. Mountain View só quer um app de mapas sendo usado.

    • K1by

      Não uso mais esse lixo, só maps

  • phil

    Eu prefiro o Gmaps, acho o design do waze horrivel, anos e anos e não mudam aquilo, pode ser conceito, mas design de app infantil pra mim parece os apps que vinha nos hiphones dos anos 2009 e me passa credibilidade zero, o Gmaps não me deixa na mão e tem um design bem mais maduro e limpo, apesar de ainda não achar o ideal.

    • phil

      o pior foi quando usei o app amigos pra achar uma festa que meu amigo estava, e tive que ver a rua e pesquisar no Gmaps pq o app força o apple maps e eu simplesmente não consegui andar 3 minutos pra ver que ele me mandou numa rota horrivel e não suportar aquela visão de mapa de topo.

    • McKoe

      Gmaps sempre sugere entrar em favelas, pior rota sempre

      • phil

        Eu nunca tive esse problema, minhas rotas sempre são boas, mas aqui em joinville não tem favela e as áreas mais perigosas são bem na periferia, então é mais difícil de acontecer.

        • Jef

          Joinville? Também sou “daqui”, e realmente, esse problema não nos atinge tanto, mas já fiz viagens para Florianópolis, São Paulo, Curitiba, onde vivenciei situações como essa, uma inclusive deixou eu e minha família numa tremenda confusão em São Paulo, mas, no fim terminou tudo bem.

          Por isso hoje em dia eu analiso as rotas antes de iniciar a viagem, apenas para conferir as regiões onde passarei.

          • phil

            sim, pra gente parar numa “favela” aqui, só se quisermos ir, ja que essas áreas ficam no limite da cidade, mas acho que é meio de praxe conferir as opções que o gps da (geralmente 3) sempre teve caso de gps fazer esses caminhos errados, que ja resultou até em morte, mas isso nenhum esta livre, muito menos da apple.

          • ijef already read

      • K1by

        waze faz isso, lixo de app

  • Estan Duarte

    Problema do gMaps nativo no iPhone era o proprio iOS, que so atualizava apps nativos com update global do iOS, algo que a Apple so ofereceu update individual de apps nativos a partir do iOS 11. A competitividade era justa, ja que o gMaps atualizava antes no Android…

    • Não, Estan, a história real não é bem essa.
      No artigo há um link para um artigo explicando como o Google se recusava (por conta própria) a implementar novidades no aplicativo do iOS.

      • Estan Duarte

        Obrigado, vou ver. 😉

  • Anderson Camões

    Uso o Google Maps até hoje. Eficiente, sempre funciona, controla o Apple Music pelo App, curva a curva bacana, os ônibus sempre funcionam certinho. Marca o estacionamento, postos de gasolina, restaurantes, etc.
    O dia em que a Apple liberar o curva a curva pode ser que um dia venha a olhar para aquele aplicativo Mapas.

  • Positronico

    Aqui em Vancouver o Apple Maps é melhor que Google e Waze. O Waze é lento, manda virar depois que já quase passou da rua. O Google é bom na hora de achar o local certo de parar/entrar (um shopping ou um parque muito grande), mas o da Apple é mais preciso nas indicações curva a curva, normalmente indica em que pista ficar pra vc não dar mole numa faixa que vai te obrigar a virar ou vice-versa (o Google só faz isso nas Highways).

    • Vinicius Jota

      Fora que se vc tem Carplay e um Apple Watch, ele indica antes da curva vibrando o Watch como se fosse uma seta, super legal…

  • KB

    Eu ainda acho que a Apple ‘mancou’ em não adquirir o Waze lá atrás quando ele ainda não era forte.

  • Celso

    Com isso a gente comprova que muitas vezes o gênio não é tão gênio assim né?. A Apple não comprar o Waze foi uma das coisas mais ridículas de falta de visão no futuro.

  • Leona Pet

    Por isso que sempre que redefino ou troco de iPhone, o Mapas vai lá pro fundão, numa pasta chamada “Nativos Não Utilizados”…

  • ?? Imperialista Brasileiro ??

    O pior mesmo foi nem foi o Apple Mapas. Mas sim o consequência direta disso: demissão do cara que imaginou o iOS e impressiona até o Jobs, Scott Forstall. Depois da saída dele nunca mais houve uma versão do iOS 100% livre de falhas bobas e irritantes. Sinto mais falta dele que do próprio Jobs.