Segurança

Veja como saber se você foi atingido pela recente falha de segurança do Facebook

No final de setembro, a equipe do Facebook divulgou a descoberta de uma falha de segurança que permitia a invasão de contas através de uma funcionalidade mal ajustada. Foram 50 milhões de usuários afetados, e outros 40 milhões que foram desconectados de suas contas por precaução. Até então, a ação da rede social tinha sido comunicar sobre o acontecido e obrigar 90 milhões a se reconectar.

Agora, uma página permite a você saber se sua conta foi ou não comprometida com esta falha de segurança.


A única coisa que é preciso fazer é se conectar à sua conta do Facebook pelo navegador (não pelo aplicativo) e depois acessar esta pagina aqui. Descendo um pouco, você deverá visualizar um aviso dizendo se você foi afetado ou não.

Facebook hack aviso

Até o momento em que este artigo foi escrito, a página ainda não tinha versão para português. Mas se você não foi impactado verá a frase “your Facebook account has not been impacted“.

Caso o aviso diga que você foi um dos impactados, não há o que fazer. É possível que algum hacker tenha tido acesso à sua conta, mas atualmente não tem mais, pelo menos não usando o mesmo método, visto que o FB revogou todos os tokens. As informações sensíveis que foram comprometidas são: nome de usuário, gênero, e-mail, telefone, local onde vive, estado civil, religião, data de aniversário, tipos de dispositivos que acessaram o Facebook, grau escolar, trabalho, os últimos 10 lugares em que fez check-in, pessoas e páginas que segue e as 15 últimas buscas feitas.

Alguém pode até dizer “não me importo com isso, não tenho nada a esconder“, mas já comentamos aqui como este tipo de dado serve para traçar o perfil psicológico de cidadãos e eleitores, para direcionar campanhas e discursos para determinados grupos afim de espalhar mais facilmente notícias e informações que nem sempre são verdadeiras (as chamadas fake news). Quando você recebe uma informação que reforça o que você pensa, você tende a compartilhá-la mais facilmente sem questioná-la ou averiguar a veracidade, o que ajuda a máquina ideológica e de notícias falsas. Grande parte da população é assim manipulada, sem nem perceber. E estamos vendo isso claramente acontecer atualmente durante o período eleitoral no Brasil, tanto na esquerda quanto na direita. Uma eleição em que o tempo de televisão não serviu para nada, e o que vale é o que é divulgado nas redes sociais.

Quanto menos você usar as redes sociais, menos você será manipulado.

Fonte
Facebook
Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Tiago Pimenta

    Não lembro exatamente a quantos dias atrás, mas eu recebi um e-mail muito, mas muito estranho, dizendo que um hacker tinha conseguido acesso à backup e ao meu smartphone (iPhone10)… Até ai, nada anormal dos outros emails que a gente recebe certo ? Mas nesse e-mail continha os 4 últimos dígitos do numero do meu celular, algo bem estranho… Algo que eu nunca tinha passado por isso !!! No mesmo e-mail, o “hacker” pedia um valor em bitcoin que não me recordo, até tentei procurar o e-mail, mas provavelmente ele estava na pasta “SPAM” e quando eu apaguei, não foi para a lixeira.

    Entrei no link da postagem e lá diz que eu também não fui afetado, mas acho estranho, pois essa invasão ao Facebook é a explicação mais coerente para alguém ter os 4 últimos digitos do meu celular, já que por eu ser chato, não cadastro meu celular em qualquer lugar, para não ficar recebendo SMS/Mensagens de SPAM, mas no Facebook, tem, e esse dado foi justamente um dos que o hacker que invadiu o Facebook conseguiu.

    Acredito que o Facebook irá abafar isso, mesmo você sendo afetado, eles irão dizer que não foi !!! Como provavelmente foi no meu caso.

    • Ber

      Dia 20 de setembro eu recebi um e-mail similar. Título: “I know about the secrecy you are keeping”. Ele também pedia um valor em bitcoin (“if you would like me to forget about this entire stuff, then the following is my btc wallet:”).

      Mas aqui eu não acredito que tenha sido por causa do facebook, mas sim da database de um outro jogo que vazou muito tempo atrás, porque o individuo aqui se referia a mim pelo meu nick do jogo (que era o que tinha na parte de “nome” também, pq eu coloquei o nick no lugar de colocar meu nome)

  • Fabrício

    Respeitosamente discordo da frase de encerramento desta publicação, ainda que excessos possam existir de todos os lados.
    Meios de comunicação tradicionais nos apresentavam a “verdade”? Lógico que não. Os editoriais seguem seu viés ideológico ou aquele que o anunciante almeja. Fake news sempre existiram. O que dizer daquele episódio em que uma escola foi destruída ao ser amplamente veiculado a ocorrência de casos de pedofilia? Levando, inclusive, à morte de seu proprietário por desonra.
    O que dizer então das pesquisas eleitorais? Antigamente elas tinham um poder muito grande de influenciar o voto da população. Não era difícil escutar …ah, não vou votar em A porque ele não tem chance. Particularmente, acredito que não deveria haver divulgação de tais números. Cada um deveria de acordo com suas convicções.
    Aí retorno para as redes sociais. Sem ela, muitos fatos simplesmente não seriam trazidos à tona e nem poderíamos ter acesso à diferentes linhas de pensamento. Memorável também a possibilidade de ter acesso ao retrospecto do fato.
    O 4º poder (midia) está ressentido, pois não é mais dono da “verdade” absoluta.
    Por fim, queria deixar claro que não quero atacar lado A ou B. Pesquisem, pesquisem e pesquisem. Em nenhum outro tempo a informação esteve tão acessível quanto nos tempos atuais.

    • Concordamos em vários pontos, Fabrício.
      Acho até que as fake news são uma consequência por termos tido uma mídia manipuladora por décadas, em que a comunicação era unilateral (em sentido único, sem podermos dar feedback), ao contrário da internet.

      Mas a frase destacada por você não está afirmando que a “mídia” (4º poder) está certa e a internet errada. Aliás, a internet é uma das coisas mais incríveis de comunicação humana que aconteceu nos últimos tempos. Porém, na minha opinião, nós não estamos preparados para ela. Por mais que eu e você concorde que é preciso “pesquisar, pesquisar e pesquisar” sempre, sabemos que não é o que acontece por parte da maioria, e este despreparo atualmente está permitindo que bolhas sejam criadas e a gente só receba notícias que são melhor digeridas pela gente, sem precisar de muita reflexão.

      O que a frase quer dizer é que, quanto menos você entrar no jogo das redes sociais (fornecendo seus dados pessoais e deixando adivinharem o que você pensa), menos material dará para ser manipulado. E não consigo ver onde esta frase pode estar incorreta.

      • Fabrício

        Quanto menos você usar as redes sociais, menos você será manipulado, sugere, na minha interpretação, que você se abstenha de utilizá-las. Porém, concordo sua resposta. Talvez se estivesse escrito assim: Quanto menos dados pessoais você fornecer, menos passível de indução/manipulação você estará, ficasse mais claro pra mim. De qualquer forma, parabéns pelo artigo.

  • Guilherme Buzatto

    Hoje aconteceu um bug bizarro, o celular mudou o fuso horário sozinho e adiantou 1 hora. Tanto no meu (i8 plus) quanto no da minha namorada (i7), ambos com iOS 12.0.1. Ela entrou uma hora adiantada no serviço por não percebermos o erro. O fuso horário mudou para etc/GMC+2. Estou tendo que usar o fuso horário manual.

  • Maikon Matos

    E este bug da Apple que fez com que os devices ajustasse o horário de verão para os usuários do Brasil na data errada, muitos reportes no Twitter e Facebook, galera se adiantou no 1 dia da semana. @blogdoiphone:disqus.