Rumores

Pistas sugerem que o próximo iPhone poderá trazer 4GB de memória RAM

O aplicativo Geekbench é um velho conhecido nosso, por ser capaz de mesurar a performance dos dispositivos Apple. É com ele que geralmente sabemos o quanto um novo modelo é mais ou menos rápido que outro, ou quando a performance do hardware é reduzida quando a bateria fica velha.

Ele tem uma característica: sempre quando alguém mede a performance do seu aparelho, os resultados são enviados de forma anônima para o servidor do aplicativo, para que as estatísticas ajudem a comunidade a entender o que é rápido e o que não é. Isto significa que você pode assim saber se o resultado do seu iPhone 8, por exemplo, está parecido com os outros iPhones 8 do planeta. Uma referência importante em um aplicativo de benchmark.

Aparentemente, alguém em Cupertino está já testando o próximo modelo de iPhone (a ser lançado em setembro de 2018) e resolveu ver o quão mais rápido era o aparelho em relação aos outros modelos. E isso, claro, acabou ficando registrado no servidor, para todos nós vermos.


O tal iPhone11,2 é um modelo que ainda não existe (o iPhone 8 é o 10,1 e o X é o 10,3), mas já está aparecendo nos registros do aplicativo. Ele mostra um dispositivo com 4GB de RAM, algo inédito até hoje em um celular da maçã.

Quanto à performance do processador, a diferença não é tão grande em relação ao atual iPhone X, com uma leve melhora.

Como o aplicativo ainda não foi adaptado para o novo processador, ele ainda não sabe indicar qual o nome dele, que provavelmente será algo como A12. Também há a possibilidade deste ser apenas uma variação do atual A11 Bionic, que equipará um modelo menos caro. Há rumores que afirmam que este ano a Apple pode lançar 3 modelos, todos parecidos com o iPhone X, mas com tamanhos diferentes. Um deles traria tela LCD e um preço menor. É possível que neste caso, a performance seria similar ao do atual iPhone X, o que explicaria os números acima.

Por enquanto são apenas especulações. Os números realmente apareceram, indicando que alguém testou um aparelho de um modelo que ainda não foi lançado. Se será ou não o que veremos em setembro, aí só saberemos quando ele chegar ao mercado, neste segundo semestre.

Fonte
ConsomacGeekbench
Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Desnecessário ter 4GB de RAM. Quando começa a “androidizar” as coisas é mau sinal.

    • Luciano Assunção

      E qual é o problema de haver mais memória? Não entendi. E outra, 4GB pode não se justificar nos aparelhos atuais, mas talvez seja necessário para funções que estão por vir 🙂

      • Tiago Pimenta

        Eu entendi o que ele quis dizer… Celulares para rodar Android, tem que ter um hardware parecido com PC/Notebook, visto o mal gerenciamento de memória que o Android tem, por isso que cada vez mais, celulares para rodar os novos Android, precisam ter muito hardware.

        Já o iOS, se destaca justamente pelo execelente gerenciamento de memória !!!

        • Vinícius Guerra

          Eu também penso assim, não vejo a necessidade de se aumentar a RAM, tanto que no Android já existem aparelhos com 8 GB de RAM, só serve mesmo para aumentar o preço. Como a Apple lida melhor com o gerenciamento de memória que o Android, 2 GB de RAM, são até mais do que suficientes, mas as pessoas de um modo geral, gostam de especificações bem robustas.

          Minha crítica a Apple se remete a bateria, já passou da hora dela fixar no mínimo 2500 mAh, seria muito melhor. Apenas os modelos da linha Plus tem bateria maior, sendo que atualmente, é a maior necessidade das pessoas.

      • Não há problema, desde que seja justificável, como na hipótese que vc levantou. Acho plausível o upgrade na RAM levando em conta as tecnologias vindouras. Citei a tal da “androidização” pelo fato do sistema Android exigir um hardware parrudo para rodar com fluidez. E em virtude disso, os usuários adquiriram uma certa fixação em specs exageradas de hardware, o que talvez tenha feito a Apple seguir tal tendência, tendo em vista o declínio de marketshare do iOS em algumas regiões.

    • Kevin

      Com a ram não fiquei tão surpreso quanto fiquei com a quantidade de cachê L1 de 32 para 128KB!

  • BS

    O estagiário deu as caras novamente! 🙂

  • Arley Martins

    Aumentou a RAM, mais a pergunta que nunca se acaba, e a bateria? Vai continuar pífia como sempre!??! Aumentem em 5 milímetros a espessura e coloca uma bateria descente e uma câmera dupla realmente TOP com fotos noturnas muito boas, pq cada vez mais querem fazer o aparelho mais fino e fino e vai sacrificando sempre bateria.

    • Jorge Junior

      Cara, eu concordo muito com você. Não adianta um celular fino com bateria ruim. Não precisa ser trambolho, mas um pouco mais grosso com uma bateria que justifique, todo mundo irá ficar feliz (e um iOS que saiba gerenciar bem essa carga também).