Curiosidades

O vexame dos Mapas do iOS 6 fez a Apple ficar mais aberta

Todos concordam que, nos últimos anos, a Apple se mostrou mais aberta no sistema que faz funcionar o iPhone e o iPad. Vimos a introdução de extensões, integração entre apps e até mesmo a Siri irá começar a funcionar dentro de aplicativos normais da App Store. Também vimos algo que ela nunca tinha permitido: a possibilidade de usuários que não são desenvolvedores testarem antes do tempo versões betas do sistema. Isso começou no ano passado e segue até hoje, com o futuro iOS 10.

Segundo uma recente entrevista que o vice-presidente de Serviços e Internet da maçã, Eddy Cue, deu à revista Fast Company, toda a má repercussão dos Mapas da empresa, em 2012, foram o sinal de alerta de que a empresa precisava ser mais aberta a feedbacks dos usuários antes de lançar grandes novidades.

Para quem não se lembra, os Mapas da Apple foram uma enorme ruptura com o que havia antes. De fato, uma das características mais marcantes do primeiro iPhone (em 2007) era o fato de trazer os Mapas do Google para o bolso de todos, algo que antes era reservado apenas para telas de computadores. O novo dispositivo da maçã permitia algo incrível para a época: você tirar o aparelho do bolso e visualizar onde estava, em mapas coloridos e bem definidos. É claro que já existia na época dispositivos GPS, mas eles nunca foram tão democráticos e fáceis de usar como eram no iPhone.

A parceria com o Google durou anos, até que começou a se fragilizar por causa do Android, que segundo Steve Jobs era uma cópia sem escrúpulos do iOS. Com isso, a maçã passou a buscar alternativas de serviços para implementar no iOS, para que se usasse cada vez menos os apps da gigante das buscas. O problema é que no iOS 6 isso não foi de forma gradativa e sim brusca: além de retirar o aplicativo nativo do YouTube, a Apple tinha decidido montar um sistema de Mapas do zero e simplesmente eliminar a opção do concorrente no sistema.

É claro que não deu muito certo. As pessoas se viram, de um dia para o outro, sem os mapas que sempre usavam, e pior, com novos mapas que não funcionavam bem em todos os lugares. (leia: Trapalhadas dos mapas do iOS 6 no Brasil).

Hoje, os profissionais da Apple se dão conta de qual foi o erro. “Para nós que vivemos em Cupertino, os mapas eram ótimos. Mas nunca fizemos testes em larga escala e o problema não era óbvio para nós“, diz Eddy Cue, lembrando de como foi conturbada a transição. No início, autoridades de países como Inglaterra e Austrália sugeriam aos cidadãos não confiarem nos Mapas da Apple, para não se meterem em situações de perigo.

Eddy Cue

O acontecido foi uma prova de ferro para a Apple, tanto que ocasionou a saída do “pai do iOS“, Scott Forstall, que se negou a assumir a culpa de toda a lambança. A partir daí, eles tomaram a decisão de começar a deixar usuários “comuns” também testarem o iOS antes de lançado, para que aumentasse o número de feedbacks ao redor do mundo. A Apple então implementou o programa de beta público em seus mais significativos projetos de software, algo que Jobs nunca gostou de fazer. Em 2014, a empresa pediu aos usuários para testarem o OS X Yosemite e no ano passado, foi introduzido o teste do beta do iOS, que é o sistema operacional mais importante da companhia.

A razão dos nossos usuários poderem hoje testar o iOS foi graças aos Mapas.

Com um número muito maior de usuários no mundo inteiro testando o sistema antes de ser lançado, a Apple pode identificar com mais rapidez problemas, com tempo suficiente para serem trabalhados até a versão final. Inclusive os próprios Mapas, que hoje recebem um feedback enorme de milhões de usuários, todos os dias.

A entrevista toda é bem interessante e ajuda a entender como é a atual filosofia da Apple nos tempos de Tim Cook. Para quem tem facilidade com o idioma inglês, vale a pena dar uma conferida.

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Vinicius Diagonel

    Vai ser o primeiro App nativo que vou excluir quando sair o iOS 10

    • Danilo

      A apple não permite que use outros aplicativos como padrão para certas ações ( Ex. Abrir mapas)
      Será que vão deixar apagar o app Nativo? o Whatsapp por exemplo,na opção de enviar localização ele usa o mapas nativo

  • Geraldo Dal Berto Jr.

    Na minha cidade (interior do RS) há vários lugares na localização errada. Estou reportando conforme aparecem (e alguns já foram corrigidos). Mas sem instruções por voz fica complicado usar. Espero que liberem isso, mas não levo fé.

  • iLex Idiota

    iLex, o verbo “fazer” do titulo, tem que concordar com a palavra “vexame”, seu idiota.

    Nao me bloqueia, se nao crio outro email, soh vai dar mais trabalho _)_

    • Tiago Lima

      Nem vou rir;
      Vai que é doença…

  • Gaius Baltar

    Moro em Portugal e aqui os Mapas da Apple funcionam bem. A vantagem de ser o app nativo são um diferencial importante. É muito prático dizer apenas: “Siri, trace a rota para tal lugar” e o aplicativo funciona sem necessidade de toques adicionais. O fato de apresentar detalhes mesmo com a tela bloqueada é outro diferencial. Enfim, depois das trapalhadas iniciais os mapas de Cupertino funcionam perfeitamente.

  • Diego de Lima

    O verbo no título está conjugado errado.
    Correto: O vexame … FEZ

    • Corrigido. A equipe BDI agradece.

      • Henrique A.

        Scott? kkk

      • Kleyson Klesller

        kkkkkkkk

      • Dalbert Batista

        Scott, e ainda e estagiário boa gostei….

      • 9L

        Kkkkk

  • Willian Mazzardo

    Só falta a navegação curva-a-curva

  • 9L

    Gostaria de saber como notificar a Apple da abertura de estradas nos mapas. Não sei porque, mas uma auto-estrada que abriu aqui perto de casa ainda não é possível ver no Apple Maps. Tudo bem que no Waze podemos editar os mapas e tal, mas já apareceu no mesmo dia.