Notícias

Justiça dos EUA já tem mais 12 iPhones para serem desbloqueados pela Apple

Se você ainda acredita que a luta entre Apple e FBI seja relativa a apenas um único iPhone, talvez você deva observar melhor o que está acontecendo por lá.

Segundo um relatório publicado pelo Wall Street Journal, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ) está só esperando a resolução do impasse do iPhone de San Bernardino para obrigar o desbloqueio de cerca de 12 outros iPhones, também alvos de investigações criminais.

O jornal não dá detalhes sobre as investigações, porque elas não são públicas. Mas o que se sabe é que nenhuma delas envolve terrorismo.

Se a Apple for forçada judicialmente a fornecer acesso ao iPhone de San Bernardino, o DOJ poderá também forçar a Apple a fornecer dados sempre que quiser (e sempre vai querer). Ao contrário do que o diretor do FBI afirmou, a ferramenta que a Apple fizer não ficará nas mão de apenas uma equipe, mas passará para todos que conseguirem liminares judiciais, e aí se perderá totalmente o controle de onde cópias desta ferramenta podem parar. É este tipo de perigo que Tim Cook e a Apple enfatizam que pode acontecer caso o FBI consiga obrigar a Apple a fazer o que eles querem.

Em uma entrevista para o jornal o Financial Times, o fundador da Microsoft, Bill Gates, tomou posição na briga entre a Apple e o FBI e, infelizmente, disse que a maçã deveria fornecer o que o governo está pedindo. Apesar dele aparentemente defender que seja apenas neste caso de San Bernardino, ele parece ignorar as consequências provocadas pelo que comentamos nos parágrafos acima. (ATUALIZAÇÃO: Bill Gates deu outra entrevista, dizendo-se chateado por terem interpretado mal o que ele disse. Ele é a favor de uma maior discussão sobre o tema, que preserve a privacidade e ao mesmo tempo permita que as autoridades garantam nossa segurança).

Uma recente pesquisa mostrou que 51% dos americanos estaria do lado do FBI e não da Apple neste caso.

A tensão aumenta e o prazo para este impasse acabar parece estar ficando curto. Será que a Apple terá que “abrir” a segurança do iPhone? E como será se outros países, como Reino Unido, China, Rússia, decidirem fazer o mesmo?

Não perca os próximos capítulos desta novela.

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Rui Camargo

    preocupante…..
    a apple não pode se render

    • pense assim…. alguem matou seu filho, mãe ou pai… e pegam um
      iphone no local do crime que pode pertencer ao assassino… vc é contra,
      então, a desbloquear?

      • Rui Camargo

        sim
        existem outras tecnicas de investigação que não necessitam basicamente do desbloqueio do gadget

      • JunioR

        também sou contra, pelo que eu li em todas as matérias, a Apple não negou ajuda, o FBI quer muito mais do que um simples desbloqueio, ela quer uma brecha para poder acessar todos os iPhones, eu não duvido nada se isso acontecer, eles acessarem sem ordem judicial, qualquer iphone que quiserem.

      • Danilo, vontades individuais nunca podem se sobrepor aos interesses coletivos.

        Se eu te fizer a pergunta: “Se um bárbaro estupra a sua filha na sua frente, e depois a tortura até morrer, você acha que ele deva ser espancado até a morte, como punição?”. É muito provável que sua resposta seja sim (como a de qualquer outra vítima de barbaridades). Mas isso não significa que você estaria certo.

        Criar situações exageradas para justificar atrocidades é uma estratégia que o governo dos EUA costuma usar bastante.

        • pelo bem publico, tem que desbloquear ue… e se fizeram mal uso, devem responder por isso… simples assim!

          • JunioR

            @danilobandeira:disqus, sem dúvida, devem desbloquear sim, acho até que o @blogdoiphone:disqus concorde, porém, o iphone que solicitaram, e não abrir um brecha “portas dos fundos” em todos os iPhones.

            • Não, o iLex não concorda que se desbloqueie este iPhone.
              A razão está explicada no texto acima e em vários outros publicados neste blog: não tem como desbloquear apenas um aparelho sem comprometer todos os outros. Há bastante informação a respeito disso, temos que nos informar bastante antes de concretizarmos uma opinião.

            • Esdras Mix

              A questão é TÁCITA e não expressa. Fim.

          • Esdras Mix

            Até isso acontecer, os mesmos assassinos que mataram seu primeiro filho, já terá conseguido rastrear o seu segundo filho e fazer o mesmo. (hipoteticamente, entende a proporção?).

          • Anderson

            Não é simples assim.
            Não vou julgar o que você entende por “bem público”, mas vai muito além de uma necessidade pontual. Na minha opinião o “bem público” maior se daria pela manutenção da privacidade da maioria. É isto que a Apple, aparentemente, vem defendendo.

          • LessTech

            Seu CPF está na internet e é possível localizar até sua residência. Quem vazou os dados? Ninguém sabe. É fácil falar, difícil fazer.

            Se a ferramenta existir, cedo ou tarde alguém do lado negro da força vai encontrar uma forma de de explorar a falha.

          • Fabio Ricardo Bulgaron

            “Simples assim” kkkkkkkkkkkkk

          • Responder por isso? O governo? A polícia? Em que mundo você vive?

            (“Making a Murderer”, estou olhando pra você.)

        • Esdras Mix

          Antes da invenção do celular já se resolvia crimes. Em nem um momento a Apple se negou em ajudar o F.B.I, a questão vai muito além disso. Os USA não consegui digerir “It is not this way”.

        • Raphael Cavalcanti

          Estou com o Danilo nessa e falo, inclusive, na condição de membro do Ministério Público brasileiro. É justamente o interesse coletivo na investigação ótima de ilícitos penais que deve prevalecer sobre o interesse individual – importantíssimo, por sinal – relativo à privacidade. É a partir de mandados judiciais, sempre devidamente fundamentados, que flexibilizamos já de longa data direitos fundamentais de extrema relevância, como o da inviolabilidade de domicílio, de correspondência, o sigilo fiscal e bancário, dentre outros. A privacidade do iphone é apenas mais uma de milhares que são relativizadas.

          Vejam: não é apenas uma casa que é violada de forma coercitiva ou uma conta bancária ou dados fiscais de uma pessoa que são quebradas ou até mesmo escritos sigilosos de uma vida em uma agenda, mas várias – da mesmíssima forma serão os iphones; justamente porque quando sopesados esses direitos com o necessário desbravamento da autoria e materialidade de crimes, o interesse da sociedade é que deve prevalecer. E, vejam, esse conteúdo ficará restrito às autoridades competentes; são dados que permanecem em sigilo.

          Ao meu ver e não obrigo ninguém a pensar o mesmo, a Apple tem vultuosos lucros advindos dessa tecnologia e, assim, não tem muito interesse em resolver a questão. A lógica empresarial é de acúmulo de riquezas e não de altruísmo ou preocupação com o próximo, de modo que vocês podem estar certos que o foco principal da negativa da Apple é sim proteger seu patrimônio. Mas, mais uma vez, isso não pode se sobrepor a uma decisão judicial, sob pena de instalarmos um poder paralelo privado em face do interesse público no deslinde de ilícitos penais.

          Eu sou um consumidor Apple que aprecia seus produtos e realmente tenho carinho pela marca, mas não concordo com seu posicionamento nesse quesito.

          • Raphael Cavalcanti

            E quanto à questão de relativizar um, relativiza tudo, SINCERAMENTE, eu não acredito em obstáculos tecnológicos pra Apple, desde que haja interesse na resolução, que, ao meu ver, é o que está faltando.

      • Diego Azevedo

        Se isso significa que os dados todos os iphones do mundo, inclusive o meu, da minha empresa e do meu governo, estarão mais facilmente ao alcance de hackers, cybercriminosos, governos autoritários, sim, eu sou contra.

        O problema está justamente no fato de que não é possível desbloquear apenas um único iPhone. E criar um backdoor facilita muito a vida de cybercriminosos. Você escolheria desbloquear o iPhone do assassino do seu pai se soubesse que facilitaria a vida de um pedófilo saber qual a escola da sua filha, aonde vocês passeiam no final de semana…?

        • Alex iPilot

          Sim!!! Você compara um fato já acontecido, concreto, (o assassinato) com um hipotético futuro (o pedófilo), ainda sem levar em consideração que talvez o tal pedófilo seja mais facilmente capturado antes de cometer outros crimes, afinal, hipótese por hipótese… 😉

          • Diego Azevedo

            E você compara um fato irreversível (o assassinato) com o prevenível (o pedófilo). Sua opção é de ficar exposto a cybercriminosos na esperança de que o governo os prendam antes de te fazerem mal (e olha que eles vêm tentando muito antes de qualquer iPhone, sem grande sucesso).

            Hipótese por hipótese, você continua com um pai morto e todos os seus dados à disposição de quem quiser. Prendeu o primeiro pedófilo? Massa. E o próximo? E outro criminoso, de outra espécie? O governo vai sempre ser mais rápido? Os dados continuam disponíveis…

            • Alex iPilot

              Uma pergunta rápida: qual informação sua está no seu celular e não está em seu computador pessoal ou de trabalho, ou não foi alguma vez acessada através do seu computador, sem encriptação e conectado à internet? Acredita mesmo que seus dados somente estarão disponíveis a partir do momento que a Apple atender à tal solicitação?

            • Diego Azevedo

              Alex, você consegue argumentar melhor que isso, cara. Se você já vê que a situação atual não é favorecida, quem dirá depois que o governo dos EUA obrigar as empresas de TI a manterem backdoors em seus sistemas? O pouco que mantém os dados da maioria dos usuários seguros vai deixar de existir.

              Sua argumentação é de que já é fácil para cybercriminosos, então vamos deixar mais fácil ainda? Sério?

              Sobre sua pergunta, meu computador pessoal é encriptado (figura em anexo), bem como o meu pc do trabalho. Mas ainda assim meu celular tem diversos dados não acessíveis pelo meu computador pessoal (meus e-mails encriptados do trabalho, app do banco, conversas – incluindo conversas profissionais criptografadas, fotos (eu mantenho minhas fotos, músicas e vídeos em um HD externo, então raramente elas estão acessíveis pelo meu computador)…

            • Alex iPilot

              Você, Diego, é a “exceção que confirma a regra”, o “1 em 1.000.000”, com um computador em casa encriptado… Teu comportamento não é o padrão, por isso escrevi “nossos computadores, 90% rodando Windows, …” Veja, nem o backup dos nossos iPhones é encriptado, isso é opção do usuário… Mas você reconhece a base de minha argumentação: já é fácil e sempre foi, sem que esteja havendo o caos alardeado. O argumento de quem defende a Apple faz parecer que só nos tornaríamos vulneráveis caso a Apple atendesse… Não é verdade! Isso é fato, não é hipótese futura. Essa também foi a linha de argumentação do Bill Gates e ele se queixou que fora mal interpretado…

            • Diego Azevedo

              Sua argumentação de que é fácil e sempre foi está errada. As empresas de tecnologia (e não é só a Apple) vem aumentando a segurança de seus usuários gradativamente pelas últimas décadas. Está ideal? Não, mas é trabalhoso atualmente hackear um computador, mesmo rodando Windows.

              Criar um backdoor hoje em um celular significa abrir precedente para criar um backdoor amanhã no desktop. E esses backdoors vão ter que ser mantidos à disposição do governo para sempre.

              Hoje a situação não é um caos, mas você se garante pelas próximas décadas, com uma porta para qualquer um pegar seus dados? Acha que o FBI vai cooperar com a PF? O FBI acha que dá conta de proteger os EUA (e, devo dizer, está redondamente enganado), e está CAGANDO pro resto do mundo.

          • Ou seja, ~ libera informação de todo mundo que não vai dar problema nenhum ~

            • Alex iPilot

              Veja:
              1 – sigilos fiscal, bancário e telefônico são quebrados desde sempre, por qualquer governo ou autoridade com mandato judicial. Aliás, nem nossas ligações, nem as máquinas de cartão nas lojas são encriptadas, tudo corre aberto em milhões de eventos diários;
              2 – TUDO o que possuímos no smartphone está disponível abertamente, sem encriptação, em nossos computadores, 90% deles rodando Windows e ligados à internet sabe Deus por onde, isso desde sempre também…
              Pergunto, então;
              Meu pai foi assassinado? Meus filhos estuprados por pedófilos? Minha conta bancária foi limpa? Perdi minha privacidade? A sociedade virou um caos por ataques cibernéticos???

            • LessTech

              1) Ligações = metadados que mostram para quem você ligou e quando, não o conteúdo da conversa. Para saber o conteúdo é necessário de autorização judicial. E se a ligação for feita via satélite (ou via voip sob uma VPN decente) ponto-a-ponto, não é “grampeável” (Claro, não estou considerando um MIM)

              Máquinas de cartão se utilizam de chaves de validação. É um processo diferente. Mas o chip do cartão possui seus dados criptografados.

              2) TUDO não está disponível abertamente e sem encriptação. Há encriptação sim e os dados que você disponibiliza para uso das empresas está na EULA (aquele contrato enorme que a maioria das pessoas não lê quando se cadastra em um serviço ou instala um software), logo se alguém tem acesso às suas informações, é porque você, em sua liberdade de escolha individual, aceitou que isso ocorresse.

              Respondendo às suas perguntas: Não sei. Não sei. Sim (mas você aceitou a EULA). A “sociedade” no contexto de pessoas comuns sendo afetadas em larga ainda não (apesar de alguns hospitais e usinas de enriquecimento de urânio, dentre outros, já terem sido sabotados), mas no contexto de segredos industriais e estratégicos de empresas e governos sim (tanto que US, EU e RU estão investindo pesado em renovação tecnológica).

            • Alex iPilot

              Sim, refiro-me ao conteúdo das ligações, às conversas… Sempre foram facilmente acessíveis (por mandado judicial) ou pelo simples “grampo de poste”… Nossos arquivos NÃO ficam encriptados nos computadores! Aliás, qual informação temos “protegida” no iPhone que já não esteja “aberta” em nossos computadores? Até o backup do iOS salvo em HD é sem encriptação, por padrão…

            • LessTech

              Eu nunca critiquei o acesso à informação, mas a forma que ela é feita. Uma coisa é você acessar uma informação de forma individual, outra é criar uma fraqueza no sistema para tal.

              Coloque-se na seguinte posição: Você gostaria que a PF, pudesse ter acesso aos seus dados a qualquer momento, mesmo sem um indício de irregularidade, apenas uma suspeita baseada no fato de você ter feito uma ligação para um investigado?Ou melhor, você gostaria que a PM do RJ fizesse isso? Acho que não…

              Os arquivos ficam encriptados nos computadores sim. Depende apenas do SO que você escolher (ou do software de criptografia que você usar). A maior parte das pessoas não liga, mas você tem o direito (em minha opinião o dever) de proteger seus dados. Assim, o que você colocar fica protegido (ou ao menos mais protegido).

          • LessTech

            Queria saber se você manteria essa opinião depois de sua conta bancária ser limpa e esposa ou filha /filho serem sequestrados, abusados e mortos.

            Mesmo que o FBI tenha acesso ao conteúdo do celular, não acharão nenhum conteúdo relevante, pois é um celular profissional. O que havia de relevante estava no célular pessoal, que o terrorista teve o cuidado de destruir antes dos ataques. O que o FBI quer é uma ferramenta e um precedente.

            Tenha em mente que o FBI não é uma organização tão seria quanto se vende. Mesmo ele já se envolveu em casos horríveis de sequestro e tortura (principalmente durante a guerra fria). E inocentes pagaram um alto preço.

            • Alex iPilot

              Entendo teu argumento pois estou, exatamente, na situação oposta e se você estivesse no meu lugar eu também gostaria de saber tua opinião. Eu não discuto terrorismo sentado num sofá a milhares de km, pois por força de trabalho eu preciso de escolta armada para fugir de piratas, terroristas e sequestradores do Boko Haram e do Estado Islâmico… E se não bastasse ainda moro no Rio, meu carro resiste a tiros de fuzil (com a devida autorização do Exército)… Então se você quiser sentar e conversar sobre análise de risco e segurança pessoal será um prazer, rsrsrs…

            • LessTech

              Poderia sentar e falar horas sobre isso com você. Também possuo meu background.

              O precedente de quebra da segurança do aparelho não vai garantir maior para segurança para você no RJ ou para os americanos na grindolândia.

              O World Trade Center foi derrubado sem uso de criptografia ou SmartPhone. Os terroristas simplesmente conversavam de forma codificada. Usaram o Hotmail, trocaram o termo “WTC” por “Faculdade de Comércio” e a operação por “prova” e ocorreu o até então inimaginável.

              Esses atentados (assim como outros) poderiam ter sido evitados se os países colaborassem mais entre si.

              Observe também que o aparelho que eles têm em mãos é profissional, pertence à empresa dele. E nos USA as empresas podem monitorar o uso e a comunicação feita por aparelho que lhe pertence. Há precedente jurídico para isso por lá. A empresa também poderia disponibilizar acesso ao backup no iCloud. O aparelho que ele usou para qualquer contato externo foi o pessoal, que ele destruiu junto com a vida digital para apagar os rastros (cá entre nós, você realmente acha que alguém tão preocupado em apagar rastros deixaria um aparelho com dados relevantes de sopa, dando mole?).

              Mesmo assim, tudo o que se faz na internet não se apaga imediatamente. Os “rastros” são armazenados em backups de servidores e por mais que você apagasse hoje todos os seu registros, e-mails, rede social, etc., eles estariam disponíveis por algumas semanas nos servidores.

              A NSA também possui condições de acessar o conteúdo do iPhone se tiverem acesso físico a ele (e a própria NSA é contra a fragilização da criptografia). Só que a NSA está em um patamar acima do FBI e responde para estruturas diferentes. O que o FBI quer é poder acessar informação, sem depender da NSA, para suas investigações corriqueiras. E para isso eles precisam de um precedente jurídico.

              A quebra de um aparelho só vai fomentar grupos mal intencionados e capitalizados a desenvolverem suas próprias soluções. Atentados continuarão ocorrendo e o cidadão comum estará mais vulnerável do que nunca.

      • Leandro Dantas

        Sim.

      • Francion Justino de Pádua

        Não gostaria JAMAIS de comentar sobre essa situação especificamente, mas concordo com o Rui.
        Agora,
        é querer demais que os cúmplices desse atentado ainda estejam nos EUA.
        Penso que em quem o FBI botou a mão pode “ser convencido” fornecer as
        provas faltantes.

      • Yan Barbosa

        O governo do EUA fez a cagada de impossibilitar “outras maneiras” de desbloquear. E não é apenas uma questão de ser a favor ou contra, vai além disso. Agora pensa de outra maneira, se você tivesse um software que privilegiasse a segurança de todos seus clientes e fosse obrigado a quebrar essa segurança sabendo que logo mais teria que quebrar outras inúmeras vezes, você desbloquearia? E todo o esforço feito para mantê-los seguros?

      • Alexander

        Danilo, o único precedente para desbloquear o iphone seria se eles tivessem feito algum mal a você. Nesse caso, seria premente o desbloqueio e as subsequentes homenagens inversamente proporcionais ao malefício infligido

      • LessTech

        A NSA já consegue quebrar a criptografia do iPhone. Só que as agências não conversam entre si por questões óbvias.

        O que o FBI não fala é que eles ferraram com o backup do icloud. Se estivesse no icloud a Apple poderia dar os dados sem comprometer a segurança do aparelho.

      • FábioSilva Oficial

        A questão é o precedente diante isso e se essa é a Política da Apple penso que se deve ser mantido pois não ficará somente sob “uso” das autoridades vejo como uma invasão em massa caso haja a disponibilidade do backdoor e não só das autoridades.

      • Claro. Se ele conseguiu sem, imagina com as informações pessoais. Aí nessa vai no combo especial mais três parentes juntos.

  • Ficou sério agora! ?

  • JunioR

    só acho que essa pesquisa esta errada, a pesquisa não deveria ser (51% dos americanos estão do lado do FBI) a pesquisa deveria ser com os clientes da Apple, sem dúvida essa porcentagem iria mudar para o lado da Apple.

    • Gaius Baltar

      Claro, façamos uma pesquisa entre os pedófilos e eles acharão que deve ser permitido o “amor livre entre crianças e adultos” ? Se apenas os clientes da Apple fossem afetados pelo desenrolar desse caso faria sentido essa sua proposta, mas como toda a população americana (e até mundial) terá consequências em suas vidas, então é óbvio que o universo a ser pesquisado deve ser o mais amplo possivel.

      • JunioR

        Porém o que eles querem ira afetar apenas os usuários de iPhone, criar uma porta dos fundos, nada haver o que você falou, pelo visto não tem lido a respeito dessa notícia.
        Sou a favor do desbloqueio do iphone em questão, porém sou contra qualquer abertura para acesso de todos os iphones.

        • Errado.
          A questão aqui não é apenas usuários de iPhone.

          A Apple foi a primeira a brigar pela criptografia nas mensagens. Foi ela quem levantou a bandeira e encriptou o iMessage de ponta a ponta, recebendo durar críticas das autoridades. Só depois disso que Google e outras empresas começaram a seguir os passos, para não ficarem como “empresas chapa branca” que não se preocupam com seus usuários.

          A Apple perder essa guerra significa que a única que está liderando este movimento perderá força, e todas as outras empresas (Google, Microsoft, etc) irão se render ao que os governos querem. E o usuário que se dane.

        • Gaius Baltar

          Não meu caro, esse desbloqueio irá afetar toda e qualquer pessoa que use smartphones criptografados (iOS, Android, Windows Phone, BlackBerry, Tizen, etc.), pois criará um precedente que irá ser usado em qualquer caso. Só no mundo dos inocentes é que esse iOS especial seria usado apenas para esse caso, aliás é exatamente sobre isso que discorre o artigo acima. Pelos vistos não sou eu quem não tem lido as notícias…
          PS: O correto é “nada a ver”

        • Ikari Gendo

          Meu caro, leia a primeira publicação do Blog do Iphone sobre esse evento. E se não ficar satisfeito, acesse Meio Bit, Giz Modo, Exame Info. Todos estão falando a mesma coisa, “O FBI exige que a Apple crie uma brecha no IOS para que eles possam acessar Idevices bloqueados.

  • Luan Nogueira

    Na boa, libera logo isso

  • Alex iPilot

    Acredito haver muitos mais do que apenas esses elencados na pesquisa… O caso San Bernardino é apenas o ponto de decisão, o campo onde a batalha está sendo travada. Na minha opinião, que hajam milhões de iPhones, o que se espera são os pressupostos legais para qualquer ação contra eles! Aliás, toda a discussão se baseia na (des)confiança da Lei, dos Governos, dos seus agentes… Se discordamos da Lei ou dos governos, que estes sejam mudados, jamais descumpridos, senão é o caos! Exagerando um pouco: “Não concordo com os impostos que nos cobram! Não vamos pagar! Poderá ser desviado para o bolso de políticos corruptos, ladrões!” Neste ponto a Apple está correta, chama à discussão pública, mas enquanto for Lei, fazer o quê além de obedecer? Talvez o chamado à discussão tenha sido muito tarde! Agora, depois que todos (ou alguns, ok) tem “toda a vida” num smartphone vulnerável, pode ser um pouco tarde…

    • Não existe lei pra isso. Foi uma ordem judicial.

      • Alex iPilot

        Toda ordem judicial é fundamentada, amparada em lei, que eu saiba…

  • Diego Azevedo

    Pessoas que acham que o problema está nos nudes, cresçam. Segredos industriais, de estado, informações bancárias,infos pessoais da sua família… tudo isso em poder de cybercriminosos. As fotos que você tirou dos seus filhos para pedófilos decidirem em um catálogo quais eles querem, junto com a localização (sim, fotos tem localização aproximada embutida) e os locais que passeiam com a família…

    E não só dos seus iPhones. Uma vez que a Apple for obrigada a diminuir a segurança em iPhones, o mesmo acontecerá em Androids, indo rapidamente para computadores pessoais, Windows e Mac OS.

    Esses são apenas uma parte dos efeitos colaterais que uma decisão dessas pode vir a ter. Se o FBI quer mesmo os dados desse iPhone, remova o disco e faça ataques de força bruta nele, e não exponha todas as pessoas no mundo à perda de privacidade.

    • Rui Camargo

      ????????????????
      corretissimo

  • Vinicius Alves

    Kkkkkkk. Gostei do final com aquele clima de novela de época. ?

  • Tiago Ferreira Taino

    Eu não entendo como realmente alguém acreditava que era apenas para esse caso que eles queriam o desbloqueio. Essa matéria falou em 12 outros iPhones, o Cult of Mac já entrevistou o district attorney de Manhattan e ele falou em mais 175 dispositivos dos quais o departamento dele tem posse e que ele espera que sejam desbloqueados também (http://www.cultofmac.com/413789/manhattan-d-a-cant-wait-for-apple-to-lose-encryption-case/ ). Isso não vai parar. E daí até a justiça daqui (a que derruba o acesso a serviços com decisões judiciais), sabendo que é possível pedir o mesmo, assim todos os outros países, governos ditatoriais e tiranos, todos terem isso em mãos, vai ser um pulo, é claro! Claro também que a partir daí nenhum iPhone mais estará seguro.

    Depois que toda a espionagem praticada pelo governo dos EUA foi revelada, já era impossível acreditar que era somente sobre esse caso. Feio mesmo é usar um caso como esse, que envolve temas tão sensíveis, além da vida dessas pessoas, como muleta pra conseguir algo que eles nunca aceitaram ficar sem, toda a vigilância que tiveram um dia e que não foi usada somente para evitar ameaças terroristas, como já se sabe.

    E mesmo com tudo o que a Apple descreve nesse documento: https://www.apple.com/business/docs/iOS_Security_Guide.pdf que deve ser bem caro de se desenvolver, ainda é possível obter muitas informações dependendo de onde passarem nossos dados quando acessamos sites, trocamos mensagens, etc. Exigir algo como o que estão pedindo, é pedir muito além do que se deveria confiar no governo dos EUA.

  • Vinicius Cabrera

    A Apple pegar o aparelho e entregar somente os dados para o FBI não resolve a situação? Sei que a brecha ainda assim seria criada, mas estaria na mãos do dono do sistema operacional e não nas mãos dos maiores interessados.
    Já que o assunto gira sempre em torno de conseguir a informação contida no celular… Sou basicamente leigo em programação, criação de sistemas e camadas de encriptação de dados, gostaria de saber o porquê da discussão não ter tomado esse lado.

    • Diego Azevedo

      No momento que a Apple for forçada pelo governo a criar e manter brechas de segurança em seus dispositivos para uso das autoridades, o mesmo pode se aplicado a qualquer empresa de tecnologia. O problema, na verdade é que a história desse iPhone não está no vácuo, e as decisões que forem tomadas por conta disso vão repercutir na vida de todos do mundo por anos.

      Então a discussão tomou o rumo: O governo americano pode exigir que empresas de TI tenham backdoors em seus sistemas? E se alguma dessas ferramentas cair em mãos erradas? Nem o FBI, nem a Apple, nem outras empresas de tecnologia são formadas somente por pessoas idôneas e incorruptíveis. Nem são 100% imunes à ataques cibernéticos.

      Existe um número imenso de interessados que essa ordem seja aprovada, e não tenha dúvida que as empresas de TI vão ser extensamente atacadas em busca destas ferramentas, e diversos governos vão exigir que a Apple desbloqueie diversos telefones, não necessariamente de terroristas.

      • Vinicius Cabrera

        Obrigado Diego!

  • Sergio Sevilhano Junior

    Esse FBI ta fraquinho velho demais cade os caras do CSI os forenses, aqui nos camelos ja tem cara que ta tirando as senhas e o FBI nada! Não se fazem mais policia investigativa como antigamente

    • Alexander

      É que são duas situações diferentes: retirar a senha de um aparelho e torná-lo apto a receber um novo usuário icloud não é inviável nem impossível (note que isso apagará o aparelho totalmente). O fbi, no caso em questão, quer *acessar* os dados do telefone

      • André Pelegrini

        Mas isso não foi bloqueado com o iOS 7 (Bloqueio de ativação)? Pelo que eu sabia até agora é que era impossível habilitar um igadget sem a inserção das chaves do iCloud. Nem em modo DFU pelo que lembro…

  • Arley Martins

    Temos que olhar a segurança global. Isso gera uma bela dor de cabeça pra todos que tem iphone. Resumindo, em coisa de 1 semana, iria começar sair vírus explorando a backdoor, aumentaria os roubos do aparelho, pois seria muito fácil desbloquear e fazer o que quiser com o aparelho e vou mais alem, o pessoal dos aparelhos chinguilingue iria pegar o IOS, instalar nas copias de Iphone e vender como iphone em grande escala, consequentemente iria enganar muita gente desapercebida.

  • Jonas

    Resumindo: o governo quer autorização , de algo que eles fazem sem autorização.

  • Rafael Dantas

    “The latest national survey by Pew Research Center, conducted Feb. 18-21 among 1,002 adults, finds that almost identical shares of Republicans (56%) and Democrats (55%) say that Apple should unlock the San Bernardino suspect’s iPhone to aid the FBI’s ongoing investigation.”

    Considerar que 51% da população DOS ESTADOS UNIDOS está a favor do desbloqueio, apenas com uma amostragem estatística auferida por entrevista de 1.002 pessoas, é ridículo. Apresentação tendenciosa…

    • Alex iPilot

      Mas essa é a beleza da ciência Estatística! Apurar a amostra de tal forma que se consiga um erro mínimo num universo bem pequeno… Veja por exemplo eleições presidenciais: em 100 milhões de eleitores se consegue tirar uma amostra de poucas centenas de pessoas com erros de apenas 2% !

    • LessTech

      Estatística tem dessas, se você fizer a pesquisa sem a distribuição de coleta de dados de forma consistente, ela pode ser tendenciosa. Mas pessoalmente não duvido que a Pew esteja consistente.

      Os americanos são traumatizados e a cabeça americana não ajuda nada. Apesar de grande exemplos de sucesso e inteligência, não se engane, o americano médio é um cordeiro facilmente manipulável, assim como o brasileiro. Os discursos para com cada povo muda, mas o efeito é o mesmo.

  • Leandro Moreira

    E se a Apple disser que nenhum de seus funcionários é capaz de criar um backdoor para desbloquear os dados do iPhone, ela poderia ser condenada por não ser capaz de fazer algo?
    Por exemplo, se alguém cria uma função criptográfica (estilo md5) que passa a ser amplamente utilizada, e a mesma dificulta o acesso do governo a certos dados por ele não ser capaz de descriptografar os dados, o governo poderia ameaçar o criador com sanções caso ele não conseguisse criar uma função inversa capaz de descriptografar os dados?

  • Tomara que a Apple consiga manter sua posição, nós entendemos bem o que é o governo abusando de seu poder. Discutir o porquê das armas serem liberadas lá ninguém quer, querem é o inocente acesso a todos os iPhones

  • Danilo

    Povo americano é extremamente bitolado com relação a segurança do país,e lá o governo sabe muito bem como aguçar este sentido nas pessoas.
    Podem ter certeza que na Briga : Apple x Tio Sam a apple não tem a mínima chance.

  • Jefferson Soares

    Em um lugar onde Donald Trump possui muitos eleitores eu não duvido de nada. Estou com medo do que esses 51% podem fazer com nossa privacidade. #NãoDesbloqueiemJamais

  • Leticia Barreto

    Eu espero que Apple ganhe essa causa , é minha privacidade que está em xeque e de todos !

  • Wede

    Isso vai virar bagunça, e a Apple será a mais prejudicada, seus clientes usuários futuramente por qualquer motivo serão vigiados e copiados sem nem saberem, não se esqueçam do caso snowden, segurança é quando só você tem a chave de seu cofre, apartir do momento que qualquer um pode abrir, acabou-se o conceito de segurança e entra o de bagunça.