Apple

Apple divulga vídeos internos mostrando um Steve Jobs divertido

Todos sabemos que Steve Jobs nunca foi um santo. Houve momentos de nervosismo, de atitudes enérgicas e até de atos desonestos, quando ele fez Steve Wozniak criar em 4 dias o jogo Breakout para a Atari, mas pagou a ele apenas uma pequena parte do que recebeu. Pessoas não são perfeitas, nem mesmo você que está lendo este texto agora.

Os que possuem personalidade forte geralmente não são muito fáceis de lidar no âmbito pessoal. E basta um ato ruim para que a imagem publica da pessoa fique suja, independente de quantos atos legais ela tenha feito. É assim que funciona a humanidade, tragédias chamam muito mais atenção em manchetes de jornais do que coisas boas.

No caso do Jobs, muita gente gosta de reforçar que ele era tirano, dando o exemplo do funcionário que foi despedido no elevador. A gente não sabe o quão competente (ou não) era esse funcionário, e como ele realmente trabalhava. Mas a história que ficou foi a forma como ele foi despedido. Afinal, se descobríssemos que ele tinha feito uma grande burrada que ocasionou sua demissão, a história perderia a graça. Aliás, histórias de chefes tiranos é o que mais tem, e é muito provável que você já tenha tido um em sua vida profissional.

Jobs teve momentos que, se forem isolados do contexto, o farão parecer a pior pessoa do mundo. Repito, todos nós temos momentos assim. E alguns filmes atualmente estão explorando somente este lado, que é o que chama mais atenção. Foi o caso do documentário britânico “The Man on the Machine” e do filme que irá estrear esta semana, chamado de “Steve Jobs|“.

A Apple quer mostrar que este não era o único lado do seu fundador, divulgando vídeos internos em que ele era dócil e divertido com seus funcionários.

Quem publicou os vídeos foi a ABC News, no popular programa Good Morning America, mostrando Steve em reuniões com a diretoria da Apple. Ele sorri, faz piadas e se mostra até carinhoso com os empregados. Confira o vídeo (em inglês):

A viúva de Jobs é a que mais contesta os atuais filmes e até a biografia autorizada, dizendo que mostra somente um lado que não dá a ideia real de como Steve era no dia-a-dia. A Apple também quer quebrar um pouco esta má imagem, mostrando também que ele era, como todos nós, humano.

Para nós, que não convivíamos pessoalmente com Steve Jobs, o que deve interessar é o que ele fez e o que nos proporcionou, o que ele mudou em nossa vida digital, sem torná-lo um mártir ou um demônio. Pois sua vida pessoal não diminui em nada o resultado do seu trabalho.

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Felipe

    É difícil julgar alguém que nunca se conheceu. Mas você pode ter 10 anos de carreira impecável, cometa um erro, e será lembrado pelo erro pelos próximos 20 anos. Ou até mais. Quer um exemplo básico? Debate do Lula contra o Collor na Globo, até hoje falam mal da rede de TV por esse caso como se tivesse sido semana passada, não importam quantas desculpas forem pedidas, ou então o simples fato que o Collor provavelmente ganharia com ou sem o debate manipulado (por favor, levem isso com um exemplo. É algo mais próximo de nós, não comecem a discutir política aqui). Ele com certeza era alegre e honesto, mas também era irritado, e desonesto. Enfim, como foi dito, nós -meros mortais consumidores- devemos lembrá-lo pela mudança em nossas vidas. Obrigado, Jobs.

  • belas palavras Felipe, penso da mesma forma.

  • Nathália Ribeiro

    sabias e ótimas palavras !!! concordo com tudo e eu gosto muito dele

  • Rob Simões 

    Curti a comparação que ele fez com os Beatles no vídeo. Legal saber que a banda favorita dele era a minha também.

    • Fábio Laurindo

      Era porque não curte mais???

      • Rob Simões 

        Ainda é. Me expressei mal.

  • Estanislaw Duarte

    Nossa quanta defesa… Pessoas exigentes e detalhistas sempre passarão por chatas. Defender alguém ou acusar é meramente pontual, somos formados e apresentamos histórias boas e ruins, a verdade não tem apenas um lado.

  • JanjaBoy
  • JanjaBoy

    Na foto: tenho saudades do cara do meio.

    • João Vianini

      Polêmico… Mas acho que concordo com você. Ele comandava a equipe do iOS com mãos de ferro, mas durante todo o tempo que ele ficou lá, o iOS era bem melhor que a concorrência. Sem contar que, depois do Steve (claro), ele era o melhor nas keynotes. Acho que o Maps não foi o único motivo da saída dele e que essa história é muito mal explicada. Mas, quem vai saber?

      • Estanislaw Duarte

        Impossível! Que erro de Maps? Olha hoje, continua a mesma porcaria derretida que no iOS 6. Tenho 5S e usei para explorar no iOS 9, e para a minha surpresa nada mudou. Hoje estou no 8.4.1, ‘infelizmente’ kkkk.

        Os mapas continuam derretidos e porcos, e olha que a minha tela é pequena.
        Desculpa da Apple: Seu aparelho precisa ser atualizado para um modelo mais atual… Se o 5S com desempenho 25% menor que i6 e 75% menor que 6S não conseguir renderizar os Mapas, quem vai conseguir? kkkkkkkkkkkkk

    • Estanislaw Duarte

      Pura inveja, olha o design hoje e olha ontem kkkkkkkk

      • JanjaBoy

        Você consegue explicar qual é a “inveja”?

        • Estanislaw Duarte

          A demissão de Forstall…

    • Acho que ele poderia retornar à Apple…

      • Luís M.

        Acho que não. Acho que ele DEVERIA retornar mas acho que ele não pode. Pois é, infelizmente é assim

  • ThiagoBarros

    Poderiam fazer filmes como esse vídeo ou divulgar mais informações como essas.

    “Steve Jobs era vegano e, de vez em quando, adotava uma dieta à base de frutas, apenas. Sua restrição alimentar era tanta que, às vezes, ele só ingeria um ou dois alimentos durante semanas – ficava dias comendo só maçãs e cenouras, por exemplo. Jobs acreditava que sua dieta era uma ótima forma de prevenir maus odores e, por isso, não usava desodorante nem tomava banho com muita frequência.”

  • Bruno Silva

    Depois de montar uma campanha no início deste ano para polir a lenda de Steve Jobs, os Apple insiders provavelmente serão forçados a arrancar o que sobrou de seus cabelos agora que esse novo filme biográfico foi lançado em outubro.
    Esse filme retrata a lenda de Steve Jobs no modo completo idiota. Funcionários completamente humilhados, um co-fundador completamente alianado como Steve Wozniak, e a negação da paternidade de sua filha, Lisa.
    Estrelado por Michael Fassbender como Jobs e Seth Rogen como Wozniak, cada cena dos trailers nos mostrou um arrogante e presunçoso Jobs.
    O retrato do guru da Apple não deveria ser surpreendente para a pessoas, dado que o roteiro foi escrito por Aaron Sorkin e é baseado na biografia do escritor Walter Isaacson.
    Pra quem se lembra, foi Sorkin que alegremente escreveu a história de fundo do co-fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, que foi o roteiro de A Rede Social. Esse filme mostrou como Zuckerberg se tornou um estúpido misógino que decidiu criar o Facebook apenas porque foi rejeitado por uma mulher, e então depois começou a esfaquear seus amigos pelas costas enquanto ele escalava seu caminho até o topo de uma pilha gigante de dinheiro. Que no final, ele acaba sentado, triste e sozinho.
    Do ponto de vista da Apple esse filme não representa nada. Mas, a única coisa que esse filme poderia trazer de ruim para Apple, seria uma leve publicidade negativa. Apenas se esse filme biográfico for um grande sucesso, é claro. A única maneira desse filme trazer algum mal estar genuíno para a Apple, é se ele for um sucesso de público e crítica e ainda obtenha algumas indicações ao Oscar, como a rede social fez.
    Jobs foi um dos cretinos mais brilhantes do vale do silício.