Notícias

Senadores querem deixar tablets importados mais baratos que os fabricados no país

Que bela notícia que aparece justamente no dia de lançamento do iPad 2 no Brasil. Está tramitando atualmente no Senado brasileiro um projeto de lei que pretende colocar os e-Readers (leitores eletrônicos de livros, como o Kindle) e os tablets na mesma categoria que os livros impressos, o que poderia baixar o seu preço em até 57% (!!!).

A proposta do Acir Gurgacz (PDT-RO) já foi aprovada na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado e passa agora para a Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) em caráter terminativo. Se aprovado, o projeto irá para a Câmara dos Deputados e, finalmente, à avaliação da presidente da República.

A ideia é bonita, mas é difícil acreditar que irá muito longe. Primeiro porque há grandes diferenças entre simples leitores de livros eletrônicos e tablets (que são mais parecidos com computadores e permitem fazer uma ampla gama de atividades). Pela lógica, até mesmo o iPhone poderia ser enquadrado nesta categoria, pois também pode ler livros eletrônicos.

Segundo, porque isso iria contra a ideia atual do governo de incentivar a produção no país, o que está atraindo grandes empresas internacionais como a Foxconn. Se importar fosse mais barato que fabricar aqui, dificilmente as empresas se esforçariam para montar fábricas no Brasil.

Diariamente vários senadores e deputados lançam diversos projetos dos mais variados tipos. Mas são poucos os que viram realidade.

Dica do JanjaBoy e do Edivaldo Brito, via G1

Tags
Mostrar mais

iLex

Robô virtual que tem como missão organizar o site e ajudar leitores. De tempos em tempos ele desvirtua e tenta fazer outras coisas, mas nada que um hard reset não resolva.

Artigos Relacionados

  • Luan

    Acho uma boa ideia isso ae , e quem sabe , o ipad2 nao cai o preço pela metade ? Vamos sonhar

  • JP

    Ficando mais barato, que mal tem?

    • Daniel

      Que mal tem???

      Vamos importar tudo mesmo, sem imposto, aí não tem indústria local -> não tem emprego -> ninguém tem dinheiro.

      Ooo fio….

      • JP

        Se o importado ficar mais barato que o nacional, existe imoto lema tributário aí.
        A solução mais simples sempre é aumentar o imposto do importado.
        A solução definitiva seria diminuir a carga tributaria do nacional. Reduzir impostos trabalhistas, ICMS e outros e acabar com a corrupção mataria o problema… Mas fazer isso Nao e de interesse do governo.
        Vc esta pensando igual a ele..

        • Gustavo

          Discordo com vc !!! O aumento da demanda de importados faria exatamente o que o amigo falou , aumento de desemprego só gerando lucro para o governo, pois teriam que aumentar impostos e etc, para suprir este problema econômico interno. E quem esta pensando igual a eles pelo jeito é vc .
          Valeu…..

  • Daniel

    Impressionante a quantidade de impostos que pagamos nos produtos…

    • Marcos Pires

      Zezãaaaaaaooo!!!

  • André

    O problema maior é bater contra a idéia da produção local.

    Para a questão do iPhone a lei do incentivo achou a solução, limitando pelo tamanho da tela.

    Isso permitia separar um iPad e um iPhone. O iPad teria o incentivo com menos tributação. O iPhone, não.

  • @rhobsonv

    Poderiam alterar o projeto pra incluir somente “aparelhos com telas que imitem as propriedades físicas do papel”, ou, em ‘português’, leitores de ebook com telas de e-ink…
    Isso sim, seria um avanço.

    Eu queria muito um e-reader, mas pelo preço que pagamos aqui nno braziu, tou planejando comprar um iPad 2 e usa-lo pra isso também… 😛

  • Não é assim que funciona, iLex. Vale a pena ler o PL 114. A isenção é só pra aparelhos cujo propósito específico ou principal seja leitura de livros. Não é o caso de iPads e Xooms.http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=96609

    • Rodrigo Noe

      Exato, seria a isenção de impostos para dispositivos cujo o UNICO propósito é leitura de livros. O que exclui o iPad e a maioria dos tablets do mercado.

      • Marcos Freitas

        Se for isso mesmo ai acho interessante, pois atualmente aquele leitor Alpha da Positivo custa uns 700 reais. Eu tinha pensando em comprar um, mas o preço é MUITO alto para um e-reader. E se realmente a Amazon for começar a operar no Brasil até o final do ano uma mudança de lei como essa com certeza faria o Kindle se tornar um sucesso de vendas, ainda mais que ele fora daqui já não é muito caro.

        • Leonardo

          Sendo assim o nook entraria nessa. O mesmo é android.

  • Marcos Freitas

    Seria lindo se acontecesse, mas realmente ele vai contra o que a ideia atual do governo e com certeza desestimularia muito o investimento de fabricar tablets no Brasil.
    Na nossa visão de consumidor isso seria perfeito, porém também precisa olhar um pouco com o lado econômico do país, que não ganharia em nada (ou muito pouco) com isso.

  • Cristian

    Ainda não estou acreditando que reduzirá os tais 30%, imagina esse aí ! O governo gosta de fazer o povo rir.

  • Mário J

    Complicado vai ser pagar 1899 no iPad 2 agora (32GB Wifi) e daqui alguns meses ele estar custando bem menos que isso 😐 complicado … de qualquer forma, não acredito tanto que os produtos da Apple ficaram tão baratos assim, mas “tentar” acreditar não custa nada! 😀

  • Marcos

    Governo sem noçao esse o nosso.

  • Dificilmente será aprovada.

  • Thiago Dorneles

    É exatamente o que o Breno comentou.

    Esta lei já esta em tramitação a umas duas semanas. E é bem específica, pois limita o tamanho da tela, e o dispositivo deve ter em sua característica fundamental leitura (escrita ou áudio) de livros.

    Por isso exclui o iPad e iPhone.

  • João Paulo

    Isso não vai passar. Não seria muito bom para o país..

    • Cristian

      hahaha, verdade, como ficaria o nosso país se pagaremos pouco imposto !

  • Wellington

    Normal?????????
    Isso não valoriza a mão de obra, não garante mais empregos, não eleva o PIB e muuuito mais que isso.
    Dar preferência para um produto, idênticos, importado invés de produzido localmente é uma burrice imensa.

    EXEMPLO: um iPad2, vindo dos EUA custaria R$1500,00 e um produzido no Brasil custaria R$1800,00 é uma burrice absurda.

  • Só lembrando que o iPad nao vai ser fabricado aqui, vai ser montado aqui, e pra quem nao sabe isso gera sim uma grande diferença na tributação.

    • Fernando

      Ótimo ponto Allison, muita gente esquece que a importação dos componentes nao mudam nada e é por causa disso que nao acredito que haverá muita mudança de preço. Alem de que na minha cabeça um dos motivos da fabrica no Brasil é por causa da logística pois a exportação para países das Américas incluído america do norte fica MUITO MAIS BARATO.

      • Matheus

        Muitas empresas irão fabricar boa parte dos componentes aqui, como a tela por exemplo. A lei de isenção de impostos é também sobre o quanto o produto é nacionalizado. Se você só montar é um desconto e se fabricar será outro.

  • George

    Esta certo que o preço do iPad e dos eletrônicos importados em geral é abusivo, mas deixar o importado mais barato que o nacional significa sucatear nossa industria e terminar o interesse de dezenas de empresas de expressão em nosso pais.

  • Luizcarlosjrr

    Esse cara é daqui do meu Estado…sera que vai da certo? hehehe

  • dinho

    Um produto importado n pode ser mais barato que o nacional. Se não adeus economia do Brasil, milhões de desempregados etc etc etc

  • Giorgi

    Pela alegria e felicidade que a minha filha de 6 meses ESPANCA o piano do meu ipad 1, acho que poderia haver subsídio para os tablets…

  • Tiagokm

    Eu já havia lido algo sobre este projeto de lei em tramitação. Pelo que me parece, há a intenção de parear os e-Readers com livro, no que diz respeito os impostos. Hoje em dia, se você quiser comprar livros pela Amazon, não há necessidade de pagar impostos, pela isenção legal para livros. Os e-Readers entrariam na mesma categoria de livros – porém, precisariam ser dispositivos “exclusivos para leitura”. Isto seria um problema, uma vez que o próprio Kindle – o principal exemplo de e-Reader – também acessa internet com seu browser próprio. Não acho ruim este projeto, pois não enquadraria o iPad, e por outro lado, popularizaria uma forma prática de carregar livros – e quem sabe, disseminaria um pouco mais o hábito da leitura. Temos uma classe média crescente em nosso pais, ávida por produtos deste tipo. O iPad ainda seria inviável para esta categoria, mas quem sabe, um e-Reader por até R$400,00, em n vezes sem juros…

  • Roberto

    isso é a maior burrice deviam valorizar mais o mercado interno

  • Rafael

    A lei é SÓ para aparelhos que tenham como única utilidade leitura de ebooks. O iPad e tablets similares não receberiam redução de preço.

  • Marcos.garcia

    Pessoal, uma coisa é a “lei do bem”, onde se enquadra os tablets fabricados no brasil outra é a “PL 114” que iguala os eReaders aos livros que ja possuem isencao de impostos. A redução de impostos nos eReaders, mesmo importados, é sim um projeto muito importante pois incentiva a leitura. É disso que o Brasil precisa… ler mais. se instruir melhor para poder formar opinião e deixar de ser segundo mundo de uma vez por todas. Essa medida sozinha nao resolve, mas ajuda.

    • Italo

      Terceiro Mundo*

      Segundo Mundo era usado pra designar países socialistas durante a Guerra Fria.
      Btw, concordo com o comentário. Isentar o Kindle de impostos por exemplo faria a Positivo cortar o preço do Alfa, o que é sempre bom.

  • Sergio

    Ninguém mencionou que a isenção de imposto serviria também para o nacional, que por consequência baixaria mais o preço. É como funciona com os livros hoje e há muito tempo, acabou a indústria local de livros? Abertura de mercado e IGUALDADE de condições para competição é sempre saudável, ou alguém tem saudades da Lei de Informática*???????????
    * Para quem não sabe era proibida a importação de equipamentos de informática para incentivar a produção local, o que atrasou o país em uns 10 anos e alguns poucos fabricantes ganharam rios de dinheiro.

  • Kalil

    Acho que isso é só muvuca, não creio que isso vá a diante, e nem que esteja sendo levado a sério realmente, a historia tem tomado visibilidade e a apple tem colocado banca, talvez isso seja só uma manobra para gerar assunto ou sei lá o que, não creio que o governo aceitaria isso, fora que pode ser mais barato pro consumidor pois o desconto seria maior, porem o governo irá preferir continuar a arrecadar algo por menor que seja e ainda fazer media gerando empregos.

    • RASCHER

      Também acho só bla bla blá !

      Não tem nenhuma lógica logo após o lançamento sair essa “notícia” de que os Senadores querem aprovar essa medida aí de redução.

  • Rafael

    se o Tablet era equiparado com Notebook por que não comprar ele com leitor de livros eletrônico?
    rsrsrrsrsrsrsrs

    Sonhar ainda não paga imposto.

  • Felipe Castelloes

    Gostei..isso podia virar uma briga, de quem fabrica/importa idevices mais baratos! =D
    quem sai ganhando dessa briga somos nos..applemaníacos!

    • Kalil

      Concordo com você que seria bom para nós compradores, uma redução de 57% ao invés de 30%, não precisa ser economista pra saber que é bem mais favorável. porem não se trata só disso e sim de que o governo nunca vai deixar de aprovar algo onde ele ganhe de todos os lados (mesmo que menos mais ainda ganhe e agrade) para praticamente não ganhar!

      ganha ainda recolhendo impostos mesmo que menores, mais ainda recolhe, gerando empregos e fazendo media que incentivo a “inclusão digital” ( que todos sabemos que não é bem assim, pois nem todos que tem computadores podem ter tablets também, e como todos estão cientes não adianta ter um iPad sem um computador, não sei dos outros tablets se isso também vale!

  • Leona

    Desculpa, gente, mas essa questão que vocês estão levantando nos comentários não é razoável.
    Simplesmente procurem: “neoliberalismo” no Google e descobrirão o porquê.

  • Rogério Schmitt

    Agora que eu comprei um iPad na Espanha eles resolvem baixar os preços.

  • Tirando a questão da vinda a preços menores tornar injusta a concorrência pela indústria nacional, imagina a “alegria” que ficarão os (afobados) que já compraram, pelo preço cheio… Repitam o coro: early-adopters só se f**em! =/

  • dresch

    falando serio, esse caras tem merda na cabeça?
    os representantes do nosso pais querem afundar a economia, sendo q varias marcas ja anunciaram q fabricaram seus tablets no brasil. acho q o investimento da foxconn no br de 12 bi foi umas das melhores coisas q ja aconteceu pra nossa economia, mas agora alguns malditos politicos querem acabar com todo o progresso

  • Marcelo

    Se com o preço alto já é difícil encontrar o produto no mercado, com o preço baixo vai ficar pior… mas que tem que baixar um pouco os impostos, isso tem.. mas não sonhem, porque não vai. kkkk

  • Alan

    Há uma confusão aí. Se for aprovado o PL haverá imunidade tributária para esses produtos (e realmente, seria bom demais pra ser verdade que o iPad ou iPhone se enquadrem nela), tal como ocorre com livros. Isso se aplicaria tanto para os importados quanto os nacionais. Haveria uma grande redução de preços mais isso não significa mexêsseis ente que o importado ficaria mais barato que o nacional.

  • Por que eles não aproveitam e vendem o país junto?

    Mais fácil…