De Carlos Lemos, direto de Nova Iorque especialmente para o Blog do iPhone
Imagens de Rogério Cruz

Muitos se perguntam como é a leitura de livros no iPad. A tela cansa os olhos? É melhor que o Kindle? Eu, como bom amante de literatura, resolvi testar justamente esta utilização, que foi um dos motivos por eu ter optado pela compra do tablet da Apple.

Ao contrário do que muitos supõem, a tela de LCD não irrita a vista. A luminosidade é automaticamente controlada pelo foto-sensor existente no aparelho. Além disso, o próprio aplicativo iBooks possui uma opção de fácil acesso para reduzir manualmente o brilho da tela, facilitando a leitura.

A experiência de ler um texto na tela do computador não é comparável àquela no iPad. Neste, o foco é somente no texto, sem outros elementos visuais externos para poluir a visualização. Há também a diferença que, geralmente, quando estamos na frente do computador, ficamos sentados, ou com o laptop no colo. O conforto de segurar o tablet como um livro, leve, influi diretamente na experiência de leitura. A possibilidade de mudar o tamanho das letras do livro também é uma mão na roda e ajuda na leitura.

Além do aplicativo oficial iBooks, há também o app Kindle para o iPad, que é excelente. Mesmo estilo de navegação entre páginas e várias opções em comum. Só senti falta de uma sincronização dos livros dele com o programa iTunes do computador.

Ainda não há livros em português na iBookstore, mas é possível importar (via iTunes) livros em formato ePub para o iBooks.

Como conclusão, só posso dizer que o iPad já faz parte das minhas leituras. O fato de poder carregar vários livros em um dispositivo que pesa somente 600 gramas nos dá muito mais liberdade e facilidade no acesso às obras. Sem falar nas outras incríveis funções ‘extras’ do tablet, como vídeos, internet e todos os aplicativos, coisas que nenhum outro e-Reader oferece na atualidade.

Carlos comprou seu iPad em Nova Iorque, no dia do lançamento oficial.

Conteúdo original © Blog do iPhone