Compras in-app feitas por crianças

O problema é antigo e já atingiu milhares de pais, inclusive no Brasil. Aplicativos inocentes (como o dos Smurfs) que possuem sutis compras reais dentro deles já fizeram crianças do mundo inteiro arrombarem sem saber os cartões de créditos de adultos. E por causa disso, a Apple acaba de perder um processo, em que foi sentenciada a pagar US$5 (cinco dólares) aos pais que se sentiram lesados.

Claro que a quantia é irrisória e não resolve o problema de quem viu mais de $100, $300 ser subtraído do seu cartão de crédito. Mas como o reembolso é para uma enorme quantidade de pessoas (cerca de 23 milhões, segundo estimativas), é o que a justiça determinou.

No início das compras dentro de aplicativos (in-app purchases), introduzidas no iOS 3 em 2009, era fácil demais qualquer criança se equivocar e comprar frutinhas ou musiquinhas extras dentro do aplicativo, pois tudo se resolvia em dois toques. Depois que muitos pais reclamaram e entraram na justiça, aí a Apple ficou mais rigorosa e colocou limites, como a exigência de senha para as compras internas, além da possibilidade de bloquear as compras nas Restrições do sistema (veja como fazer isto aqui).

Supercompras

Mesmo assim, ainda é bem comum pais terem este tipo de problema com compras feitas por crianças. Hoje mesmo um leitor nos pediu ajuda pelo Twitter. Não há como cancelar estas compras; o máximo que dá para tentar é pedir o mais rápido possível um reembolso (veja como aqui), mas nem sempre isto dá certo.

Já conheci uma mãe cujo filho chegou a gastar mais de R$800 em compras internas. O problema é que ele sabia a senha da App Store, de tanto ver ela digitando. Por isso, é importante tomar todos os cuidados possíveis, não só nas restrições do sistema, mas no dia-a-dia com as crianças, que cada vez ficam mais espertas.