Mais uma vez, a Apple não conseguiu segurar os vazamentos de informação antes de lançar um grande produto. O tão falado iPad mini, que desde junho é mostrado em maquetes e protótipos, agora é uma realidade confirmada. A equipe de Tim Cook apresentou o novo produto no evento de hoje.

Imagine um iPad 2, mas em tamanho menor. Este é o iPad mini, com a mesma resolução de tela do antigo tablet: 1024×768. Porém, bem mais leve (metade do peso) e mais fino. A bateria, com a mesma duração de 10h.

Ele pesa apenas 308g, menos da metade do iPad. Ele também é mais fino em 23%, medindo 7,2mm de espessura.

Disponível em duas cores: branco, com traseira em alumínio cinza fosco, e preto, com traseira também em alumínio, escuro grafite.

Ainda não sabemos se esta diminuição de tela sem adaptação do sistema não dificultará o manuseio dos aplicativos. No vídeo da Apple, o GarageBand é mostrado com o teclado bem menor no mini iPad. Usaram também uma mão menor para dar o exemplo.

Ele possui o chip A5 do iPad 2 (criado em 2011), o que poderá fazê-lo ficar ultrapassado mais rapidamente. Afinal, se o iPad de segunda geração desaparecer no ano que vem com o iOS 7, como ficarão os aplicativos para este novo mini? Será que a Apple garantirá suporte por mais alguns anos? A lógica seria sim, mas…

O que melhora no aparelho em relação ao modelo antigo é a câmera frontal FaceTime HD, que faz vídeos em 720p, além da câmera traseira que tira fotos de 5MP e faz vídeos HD de 1080p. Para quem gosta de tirar fotos com tablets, é uma ótima opção.

O preço, nos Estados Unidos, será de US$329 na versão Wi-Fi e estará disponível a partir do dia 2 de novembro. Duas semanas mais tarde, a Apple também disponibilizará a versão 3G/LTE, US$459. O valor é maior que a concorrência, mas a Apple garante que a qualidade é muito maior, principalmente da tela e do sistema.

Ainda não há previsão de início das vendas no Brasil, mas há chances de chegar antes do natal.