Desde que mostramos aqui que já tínhamos em mãos o novo iPhone 4, as perguntas não pararam de chegar: Onde foi comprado? Como fizeram para desbloqueá-lo? Qual é a barbada? Alguns mais afoitos (e que não sabem ler as entrelinhas) chegaram a nos chamar de egoístas por “manter em segredo as informações“.

Como não há nenhum segredo, resolvemos fazer um guia com todas as dicas e recomendações para comprar um iPhone 4 nos países que já o vendem. Ele pode ser útil aos mais impacientes que não conseguem esperar a chegada oficial (e incerta) do aparelho no Brasil.

Dica n° 1: Não compre nos Estados Unidos

Esta vem primeiro, pois é a dica de ouro: se quer que seu iPhone 4 funcione perfeitamente no Brasil, não compre nos Estados Unidos. Isso por que não importa se você consegue comprá-lo sem plano ou de um primo que mora lá e conseguiu para você, o fato é que ele virá bloqueado eternamente com a AT&T. Mesmo que no futuro os hackers encontrem maneiras de realizar o desbloqueio, ele não será definitivo e poderá bloquear sempre a cada atualização do iOS. Ou seja, dor de cabeça certa.

Até hoje, nem a Apple e nem a AT&T desbloquearam oficialmente nenhum aparelho vendido nos Estados Unidos.

Alguns brasileiros já compraram o aparelho lá, até por ser mais barato. Porém, estão com ele sem poder fazer ligações. Eles até podem utilizar um chip válido da AT&T (com crédito) com o roaming internacional, mas os preços disso são proibitivos.

O Dev-Team não sabe dizer se um dia será possível desbloquear o novo aparelho. Claro que tem gente que diz “No final, eles sempre conseguem“. Mas o fato é que soluções de desbloqueio para aparelhos novos estão demorando cada vez mais para aparecer. E esperar com um iPhone guardado na gaveta não é lá uma coisa muito agradável.

Procure países que vendam ele já desbloqueado

É a maneira mais fácil de adquirir um iPhone importado. Isso porque o desbloqueio de fábrica é feito pela própria Apple e é para sempre. Não importa o que você faça ao aparelho (restauração, jailbreak, cortar chip), ele sempre será compatível com qualquer cartão SIM (chip) do mundo, inclusive do Brasil. No momento em que este artigo está sendo escrito, apenas dois lugares o vendem assim: França e Inglaterra. A partir do final de julho, outros começarão a vender, como Itália e Canadá. Em compensação, o preço é obviamente sem subsídio da operadora, mas pelo menos você pode entrar na loja e sair com ele. Claro, se tiver a sorte de encontrar algum disponível.

Disponibilidade atual

Como já foi reportado aqui, as vendas bateram todos os recordes e os estoques são quase inexistentes em todos os países. Informações que obtivemos ainda esta semana a respeito de Londres e Paris, indicam que não há exemplares disponíveis nas respectivas Apple Stores e quem quiser reservar um, deverá se inscrever em uma lista de espera. Quando estiver disponível, a Apple avisa o cliente por email, que há um tempo curto para passar na loja e pegar. Esta reserva só pode ser feita diretamente na loja, eles não a fazem por internet.

Nas compras na Apple Store Online, a promessa de entrega é para 3 semanas. Detalhe: eles não enviam para fora do país, ou seja, apenas quem tem residência lá (França ou Reino Unido).

Preços

Os preços nos países que o vendem desbloqueados, como já foi dito, não podem ser comparados com os americanos, por não possuírem a subvenção da operadora.

Na Inglaterra, os preços do iPhone 4 são de £499 (R$1.360) o de 16GB e £599 (R$ 1.630) o de 32GB. Na França, 629€ (R$1.390) e 739€ (R$1.635) os mesmos aparelhos. Você pode conferir diretamente no site inglês e francês.

Dá para imaginar que o preço no Brasil dos aparelhos desbloqueados em pré-pago (sem plano) devam chegar oficialmente, com impostos e taxas, ao dobro deste valor. Isso lá por setembro/novembro. Claro que para quem contratar com planos e fidelidade, poderá comprá-lo mais barato.

iPhone francês igual ao brasileiro

Apesar dos dois países acima apresentarem preços similares, para quem pretende usar no Brasil o aparelho Francês é o mais indicado. Isso porque ele já vem com o adaptador de tomada compatível com o atual padrão nacional (leia “Apple adota internacionalmente seu adaptador de tomada minimalista para o iPhone“).

O aparelho inglês também funciona perfeitamente no Brasil, mas você terá que comprar separadamente um adaptador de tomada, pois o padrão inglês não pode ser usado no Brasil. Ou então usar o do seu velho iPhone, que funciona normalmente. Na nossa Apple Store, ele custa R$99,00 (link).

Garantia internacional

Quanto à garantia, uma boa e uma má notícia.
A garantia do iPhone 4 é internacional e vale para todos os países que possuam uma loja oficial da maçã, a tão venerada Apple Store. A má notícia é justamente esta: no Brasil não há tal loja e a assistência técnica fica a cargo das operadoras. O problema é que elas se recusam a cuidar de aparelhos que não tenham sido vendidos por elas, e a lei brasileira não cobre produtos comprados no exterior.

Ou seja, se você está muito afoito e não consegue esperar o lançamento nacional, saiba que terá que viajar para arrumar seu aparelho caso queira aproveitar a garantia. Em compensação, não precisa nem de nota fiscal: a Apple tem a lista da garantia de todos os aparelhos no mundo. Se você quiser ver a sua (vale também para outros produtos da maçã), basta pegar o número de série e acessar esta página.

Como comprar um iPhone 4 no exterior

Como já disse um leitor em um comentário, “nada como um amigo que mora no exterior“. A melhor forma é realmente ter um parente ou amigo do peito que more lá fora e onde você possa enviar o aparelho. Tendo isso, basta entrar no site da Apple do país respectivo (os links foram postados acima) e realizar a encomenda com um cartão de crédito internacional brasileiro (confira com seu banco se compras no exterior estão habilitadas). Mas saiba que a entrega, de qualquer forma, irá demorar.

Se ele for enviá-lo pelo correio para o Brasil, saiba que fortes taxas serão aplicadas, além de todos os impostos devidos.

Outra solução é viajar você mesmo ou então contar com algum amigo/parente que vá viajar para estes países. O grande problema é que não há aparelhos disponíveis nas lojas, necessitando entrar na lista de espera citada acima. Para quem tem tempo curto, fica complicado.

Para quem conseguir encontrar algum, pode pedir na loja o Tax Free, que reduz em cerca de 12% (depende do país) o preço final. É preciso pedir a ficha no momento da compra, preencher e apresentar na alfândega do aeroporto 3h antes de fazer o embarque. Só vale para quem tiver passagem de saída da Europa, assim como um passaporte brasileiro. Esta opção não existe para compras online (que são, teoricamente, para residentes no país).

É sempre bom lembrar que a lei brasileira também exige que todo o produto que passe os U$500 deva ser declarado na chegada, pagando uma taxa de 50% do que exceder este limite. Há quem não se preocupe com isso, mas é nossa obrigação aqui destacar isso, pois é contra a lei incentivar o contrabando.

Como comprar um iPhone 4 no Brasil

Esta parte é bem mais complicada. O ideal é esperar a chegada oficial do aparelho pelas operadoras nacionais, mas a data em que isso acontecerá é ainda muito incerta. Steve Jobs indicou que seria em setembro, mas com os atrasos e falta de estoques mundiais, este prazo pode atrasar e bastante. E quando chegar, não é certo que tenha estoque para todos, o que faz com que muitos já queiram garantir logo o seu.

Mas para os impacientes que procuram o mercado paralelo, o preço não deve sair barato. A escassez de aparelhos no mercado faz muita gente vender a preço de ouro o seu. Alguns já estão pedindo R$3.000 pelo modelo de 16GB.

O importante é ver, acima de tudo, se o aparelho é desbloqueado. Atualmente, todos aqueles vindo dos EUA, Alemanha e Japão são bloqueados e não podem ser usados no Brasil. Por isso, muito cuidado com a origem; se ele veio de um desses países e o vendedor garantir que ele está desbloqueado, fuja, que é golpe. Confie apenas naqueles vindos da Inglaterra ou França (e futuramente, nos outros países que o venderem desbloqueados de fábrica).

O lugar mais indicado para a procura são os fóruns de usuários. Procure sempre referências sobre o vendedor, para saber se é de confiança. O nosso fórum já possui uma área especial para vender e comprar aparelhos. Não deixe de visitá-la.

Micro-SIM

O chip da operadora (cartão SIM) do iPhone 4, como já foi noticiado, é diferente do tradicional que usamos hoje em dia nos restantes dos aparelhos. Há duas maneiras de solucionar isso: ou pedindo um formato compatível à sua operadora ou cortando você mesmo.

No primeiro caso, apenas a Vivo se manifestou sobre a adoção do novo padrão. Inclusive ela já disponibilizou em seu site a lista de lojas no país que já podem fornecer o micro-SIM.

O segundo é mais arriscado, mas se bem feito, funciona. Há vários tutoriais pela internet e, se for preciso, faremos um aqui também.

Conclusão: esperar ou garantir logo o seu?

Esta é uma questão que cada um deve encontrar a própria resposta.
É claro que a lógica é esperar que seja lançado oficialmente no Brasil e comprá-lo com um plano que faça o preço ser menor. Mas o problema é esperar por uma data que ainda é desconhecida. Para quem tem paciência, é o melhor a fazer.

Mas a euforia e a vontade de garantir o seu também são muito fortes em muitos (quem aqui nunca passou por isso que atire a primeira pedra). Principalmente para quem já usa o iPhone sem plano, no pré-pago, a diferença de preço pode não compensar a espera, ainda mais que as operadoras costumam complicar a compra de aparelhos sem planos no início. A coisa pode ficar mais complicada se os estoques vierem mesmo limitados. Afinal, nos últimos anos pudemos acompanhar bem o calvário que foi para muitos comprar o iPhone no Brasil nos primeiros meses.

A decisão é de cada um. Mas garantimos uma coisa: não tem como se arrepender da compra depois que segurou pela primeira vez o novo iPhone 4. :)